Estamos em casa!

Narrativas do cotidiano remoto da educação infantil em tempo de pandemia

Autores

DOI:

https://doi.org/10.47149/pemo.v2i1.3716

Palavras-chave:

Educação infantil, Pedagogia do cotidiano remoto, Eixos estruturantes das diretrizes

Resumo

O propósito do artigo é analisar a educação infantil de maneira remota, na qual buscou garantir os direitos das crianças e a proteção da infância, todavia com o isolamento social constituiu um novo fazer pedagógico. Para tanto, percebemos que é imprescindível considerarmos a legitimidade dos fazeres e saberes que permeiam os acontecimentos cotidianos vivenciados pelas crianças nos grupos de interações e ferramentas tecnológicas utilizadas no processo educativo. Os dados analisados no artigo é constituído por narrativas geradas em observação de um grupo de WhatsApp Messenger, composto por crianças de 4 anos de idade e suas famílias, de um creche da Prefeitura Municipal de Fortaleza sobre as vivências e as práxis pedagógicas neste tempo tão único. A partir das análises, sugerimos que os eixos estruturantes das práticas pedagógicas, que compõe as Diretrizes Curriculares Nacional para Educação Infantil, que são as interações e brincadeiras, como suporte para acolher o cotidiano e as relações entre os adultos, crianças, ensino e aprendizagem no contexto pandêmico.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Mayara Alves de Castro, Universidade Federal do Ceará

Doutoranda e Mestra em Educação Brasileira pela Universidade Federal do Ceará; Pedagoga formada pela mesma instituição. Especialista em Gestão Escolar pela Universidade Estadual do Ceará. Membro pesquisadora do núcleo de História e Memória da Educação (NHIME-UFC). Coordenadora pedagógica atuante na Rede Municipal de Fortaleza com lotação na EM Jornalista Demócrito Dummar, Distrito de Educação V. 

José Gerardo Vasconcelos, Universidade Federal do Ceará

 Pós-doutor em História da Educação pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN) e pela Universidade Federal da Paraíba (UFPB) e em Artes Cênicas pela Universidade Federal da Bahia (UFBA). Professor titular da Faculdade de Educação e do Programa de Pós-Graduação em Educação Brasileira da Universidade Federal do Ceará (UFC). Coordenador do Núcleo de História e Memória da Educação (NHIME).

Maria Marly Alves, Universidade Vale do Acaraú

Especialista em Educação Infantil e Especial pela Universidade Estadual Vale do Acaraú. Graduada em pedagogia mesma instituição. Professora da Rede Municipal de Horizonte com lotação no Centro de Educação Infantil Maria Irene Amora.

Referências

ARAÚJO, A.; SOARES, E. L. Identidade e relações étnico-raciais na formação escolar. Práticas Educativas, Memórias e Oralidades - Rev. Pemo, v. 1, n. 1, 2019. Disponível em: https://revistas.uece.br/index.php/revpemo/article/view/3628. Acesso em: 02 jan. 2019.

ARAÚJO, R. M.; ESTEVES, M. M. A formação docente, inicial e contínua, para o trabalho com adultos em portugal: o olhar dos professores. Educação & Formação, Fortaleza, v. 2, n. 4 jan/abr, p. 18-35, 2017. Disponível em: https://revistas.uece.br/index.php/redufor/article/view/121 Acesso em: 02 nov. 2018.

BAQUERO, Ricardo. Vygotsky e a aprendizagem escolar. Trad. Ernani F. da Fonseca Rosa. Porto Alegre: Artes Médicas, 1998.

BARBOSA, A.; CASSIANI, S. Circulação de sentidos da prática como componente curricular na licenciatura em ciências biológicas. Educação & Formação, Fortaleza, v. 2, n. 4 jan/abr, p. 52-71, 2017. Disponível em: https://revistas.uece.br/index.php/redufor/article/view/123 Acesso em: 02 nov. 2017.

BRANDÃO, Carlos Rodrigues. O que é educação.19 ed. São Paulo: Brasiliense, 1989.

BRASIL. Conselho Nacional de Educação. Câmara de Educação Básica. Resolução n.5, de 17 de dezembro de 2009. Fixa as Diretrizes Curriculares Nacionais para Educação Infantil. Brasília, 2009.

BRASIL. Emenda constitucional n.º 59, de 11 de novembro de 2009. Acrescenta § 3º ao art. 76 do Ato das Disposições Constitucionais Transitórias para reduzir, anualmente, a partir do exercício de 2009, o percentual da Desvinculação das Receitas da União incidente sobre os recursos destinados à manutenção e desenvolvimento do ensino de que trata o art. 212 da Constituição Federal, dá nova redação aos incisos I e VII do art. 208, de forma a prever a obrigatoriedade do ensino de quatro a dezessete anos e ampliar a abrangência dos programas suplementares para todas as etapas da educação básica, e dá nova redação ao § 4º do art. 211 e ao § 3º do art. 212 e ao caput do art. 214, com a inserção neste dispositivo de inciso VI. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Constituicao/Emendas/Emc/emc59.htm. Acesso em: 12 jun. 2019.

BRASIL. Ministério da Educação. Base Nacional Comum Curricular. Brasília: MEC, 2017.

BROUGÈRE, Gilles. Vida cotidiana e aprendizagens. In: BROUGÈRE, Gilles; ULMANN, Anne-Lise (Orgs.). Aprender pela vida cotidiana. Campinas, SP: Autores Associados, 2012. p. 11-23.

CARVALHO, A.M.C. et al. (Org.). Brincadeira e cultura:viajando pelo Brasil que brinca. São Paulo: Casa do Psicólogo, 1992.

CARVALHO, S. O. Formação Docente e Práxis Pedagógica narrativa de uma professora. Práticas Educativas, Memórias e Oralidades - Rev. Pemo, v. 1, n. 1, 2019. Disponível em: https://revistas.uece.br/index.php/revpemo/article/view/3602. Acesso em: 02 jan. 2019.

CAXILE, C. R. Memória e representação: experiências e resistências numa manifestação cultural na cidade de Fortaleza. Práticas Educativas, Memórias e Oralidades - Rev. Pemo, v. 1, n. 1, 2019. Disponível em: https://revistas.uece.br/index.php/revpemo/article/view/3599. Acesso em: 02 jan. 2019.

CERTEAU, Michel. A invenção do cotidiano 1: artes de fazer. Petrópolis: Vozes, 1994.

CORRÊA, P. S.; BARRETO, B. Exigências para o exercício do ofício de mestre nos grupos escolares no Brasil no contexto da ditadura militar. Educação & Formação, Fortaleza, v. 2, n. 4 jan/abr, p. 104-123, 2017. Disponível em: https://revistas.uece.br/index.php/redufor/article/view/126 Acesso em: 02 mar. 2018.

COSTA, M. A.; SILVA, F. M.; SOUZA, D. Parceria entre escola e família na formação integral da criança. Práticas Educativas, Memórias e Oralidades - Rev. Pemo, v. 1, n. 1, 2019. Disponível em: https://revistas.uece.br/index.php/revpemo/article/view/3476. Acesso em: 02 jan. 2019.

COUTINHO, Ângela Scalabrin. O corpo dos bebês como lugar do verbo. In: ARROYO, Miguel Gonzales; SILVA, Maurício Roberto da (Org.). Corpo-infância: exercícios tensos de ser criança; por outras pedagogias dos corpos. Petrópolis: Vozes, 2012. p. 250-258.

FERREIRA NETO, J.; DA SILVA, R. Mestre Chitãozinho e a formação dos capoeiristas no Projeto ABC do João XXIII. Práticas Educativas, Memórias e Oralidades - Rev. Pemo, v. 1, n. 1, 2019. Disponível em: https://revistas.uece.br/index.php/revpemo/article/view/3518. Acesso em: 02 jan. 2019.

GONÇALVES, Y.; NOGUEIRA, E. G. A educação dos alunos das escolas pantaneiras na perspectiva da educação centrada no aluno. Educação & Formação, Fortaleza, v. 2, n. 4 jan/abr, p. 87-103, 2017. Disponível em: https://revistas.uece.br/index.php/redufor/article/view/125 Acesso em: 02 dez. 2017.

LÉVY, P. A inteligência coletiva: por uma antropologia do ciberespaço. Trad. Luiz Paulo Rouanet. 2ª ed. São Paulo: Loyola, 1999.

MACHADO, M. L. A. (Org.). Encontros e desencontros em Educação Infantil. São Paulo: Cortez p. 235-248, 2005.

MACIEL, J. A.; MACIEL, J.; MENDES, A.; SILVA, J. Dialogando sobre o tema jogos populares no ensino fundamental 1. Práticas Educativas, Memórias e Oralidades - Rev. Pemo, v. 1, n. 1, 2019. Disponível em: https://revistas.uece.br/index.php/revpemo/article/view/3506. Acesso em: 02 jan. 2019.

MALAGUZZI, Loris. Uma carta con tres derechos. In. Reggio Children. Lo cien linguajes de la infancia. Barcelona: Rosa Sensat, 2005. p. 214 – 215.

MORORÓ, L. A influência da formação continuada na prática docente. Educação & Formação, Fortaleza, v. 2, n. 4 jan/abr, p. 36-51, 2017. Disponível em: https://revistas.uece.br/index.php/redufor/article/view/122 Acesso em: 02 dez. 2017.

NERYS, F.; KOEPP, J.; COSTA, B.; BARON, M. Dificuldades na consulta clínica e nutricional de surdos no Brasil: revisão de literatura. Práticas Educativas, Memórias e Oralidades - Rev. Pemo, v. 1, n. 1, 2019. Disponível em: https://revistas.uece.br/index.php/revpemo/article/view/3605. Acesso em: 02 jan. 2019.

OLIVEIRA, Vera Barros de (org). O brincar e a criança do nascimento aos seis anos. Petrópolis, RJ: Vozes, 2000.

PENA, A. Formação de professores de educação infantil. Educação & Formação, Fortaleza, v. 2, n. 4 jan/abr, p. 72-86, 2017. Disponível em: https://revistas.uece.br/index.php/redufor/article/view/124 Acesso em: 02 dez. 2017.

PINHEIRO, B. C.; SANTOS, C.; PENELUC, M. A educação ambiental na formação de professores de química da UFBA. Educação & Formação, Fortaleza, v. 2, n. 4 jan/abr, p. 181-203, 2017. Disponível em: https://revistas.uece.br/index.php/redufor/article/view/129 Acesso em: 02 jan. 2018.

PRENSKY, M. Digital Natives, Digital Immigrants. On the Horizon. United Kingdom: MCB University Press. v. 9, p.5, 2001.

RINALDI, Carla. Los pensamientos que sustentan la acción educativa. Revista Infancia, educar de 0 a 6 años, n. 50, p. 4-18, jul./ago. 1998.

SANTOS, F.; GIASSON, F. Docência no Ensino Superior: formação, iniciação e desenvolvimento profissional docente. Práticas Educativas, Memórias e Oralidades - Rev. Pemo, v. 1, n. 1, 2019. Disponível em: https://revistas.uece.br/index.php/revpemo/article/view/3543. Acesso em: 02 jan. 2019.

SENA, F.; KULESZA, W. O ensino secundário na imprensa do nordeste (1873-1874): um debate nos jornais do Maranhão e de Pernambuco. Educação & Formação, Fortaleza, v. 2, n. 4 jan/abr, p. 143-159, 2017. Disponível em: https://revistas.uece.br/index.php/redufor/article/view/127 Acesso em: 02 jan. 2018.

SILVA, J.; LIMA, I.; PARENTES, M. D.; SILVA, L. Trajetórias formativas de licenciandos em matemática: percepções sobre constituir-se professor. Práticas Educativas, Memórias e Oralidades - Rev. Pemo, v. 1, n. 1, 2019. Disponível em: https://revistas.uece.br/index.php/revpemo/article/view/3478. Acesso em: 02 jan. 2019.

SILVA, N.; AGUIAR, M. DA C. Representações sociais de professores do ensino superior das ciências exatas e da natureza quanto à definição de docência universitária. Educação & Formação, Fortaleza, v. 2, n. 4 jan/abr, p. 124-142, 2017. Disponível em: https://revistas.uece.br/index.php/redufor/article/view/144 Acesso em: 02 jan. 2018.

SOUSA, F. G.; FERNANDES, F. R. Análise de conteúdo de “As três Marias” e a instrução feminina cearense: práticas educativas, vigilância e transgressão. Práticas Educativas, Memórias e Oralidades - Rev. Pemo, v. 1, n. 1, 2019. Disponível em: https://revistas.uece.br/index.php/revpemo/article/view/3484. Acesso em: 02 jan. 2019.

STACCIOLI, Gianfranco. Una scuola controvento: riflessione introdutiva di Gianfranco Sataccioli. In: RITSCHER, Penny. Slow School: Pedagogia del quotidiano. Firenze: GIUNTI, 2011.

THEMELIS, S. Education and equality: debunking the myth of meritocracy. Educação & Formação, Fortaleza, v. 2, n. 4 jan/abr, p. 03-17, 2017. Disponível em: https://revistas.uece.br/index.php/redufor/article/view/120 Acesso em: 02 jan. 2018.

VYGOTSKY, L.S. A Formação Social da Mente. 6ª ed. São Paulo, SP. Martins Fontes Editora LTDA, 1998.

VYGOTSKY, L.S; LURIA, A.R.; LEONTIEV, A.N. Linguagem, desenvolvimento e aprendizagem. São Paulo: Ícone: Editora da Universidade de São Paulo, 1998.

XEREZ, A. S.; COSTA, F. J.; SANTOS, J. D. Educação profissional integrada ao nível médio no Ceará: reformas e contradições. Educação & Formação, Fortaleza, v. 2, n. 4 jan/abr, p. 204-223, 2017. Disponível em: https://revistas.uece.br/index.php/redufor/article/view/130 Acesso em: 02 jan. 2018.

ZANLUCHI, Fernando Barroco. O brincar e o criar: as relações entre atividade lúdica, desenvolvimento da criatividade e Educação. Londrina: O autor, 2005.

ZUIN, A. L.; DIAS, J. Formação dos professores que atuam na classe multisseriada na área rural no sul do AMAZONAS. Educação & Formação, Fortaleza, v. 2, n. 4 jan/abr, p. 160-180, 2017. Disponível em: https://revistas.uece.br/index.php/redufor/article/view/128 Acesso em: 02 jan. 2018.

Publicado

2020-04-30

Como Citar

CASTRO, M. A. de; VASCONCELOS, J. G.; ALVES, M. M. Estamos em casa! : Narrativas do cotidiano remoto da educação infantil em tempo de pandemia. Práticas Educativas, Memórias e Oralidades - Rev. Pemo, [S. l.], v. 2, n. 1, p. 1–17, 2020. DOI: 10.47149/pemo.v2i1.3716. Disponível em: https://revistas.uece.br/index.php/revpemo/article/view/3716. Acesso em: 19 set. 2021.