Exigências para o exercício do ofício de mestre nos grupos escolares no Brasil no contexto da ditadura militar

Autores

DOI:

https://doi.org/10.25053/edufor.v2i4.1931

Palavras-chave:

Instituições escolares, Grupo escolar, Ensino primário, Ofício de mestre

Resumo

Analisou-se a configuração do exercício do ofício de mestre nos grupos escolares no período da ditadura militar brasileira. Constituiu-se como finalidade: averiguar as exigências que eram postas ao exercício do ofício de mestre nos grupos escolares no Brasil no contexto da ditadura militar. Adotou-se como método de investigação a pesquisa historiográfica, com uso de fontes bibliográficas. Sob quais exigências institucionais era exercido o ofício de mestre no interior dos grupos escolares no Brasil após o ano de 1964? O ofício de mestre era exercido por alguém que dominasse um saber específico, uma herança histórica, materializada em um fazer que não podia ser realizado por pessoas sem a devida qualificação. Logo, acompanhava o docente para além da escola, visto que ele carrega consigo a imagem de educador construída socialmente, assim como os deveres de sua função como preparação e inquietações que vão além do ambiente escolar.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ACCÁCIO, L. O. A profissão docente: os ritos e normas da incorporação. Revista Histedbr, Campinas, n. 30, p. 212-227, 2008.

ALBUQUERQUE, E. B. C.; MORAIS, A. G.; FERREIRA, A. T. B. As práticas cotidianas de alfabetização: o que fazem as professoras? Revista Brasileira de Educação, Rio de Janeiro, v. 13, n. 38, 2008.

ARAÚJO, J. C. S. O trabalho didático do professor no Brasil dos anos de 1920: a aula em foco. Revista Histedbr, Campinas, n. 35, p. 250-271, 2009.

ARROYO, M. G. Ofício de mestre: imagens e auto-imagens. 14. ed. Petrópolis: Vozes, 2013.

BACZINSKI, A. V. M.; PITON, I. M.; TURMENA, L. Caminhos e descaminhos da prática docente: uma análise da pedagogia histórico-crítica e das diretrizes curriculares do estado do Paraná. Revista Histedbr, Campinas, n. 31, p. 142-152, 2008.

BARRÈRE, A. Controlar ou avaliar o trabalho docente? Estratégias dos diretores numa organização escolar híbrida. Revista Brasileira de Educação, Rio de Janeiro, v. 18, n. 53, p. 285-300, 2013.

BASTOS, M. J. S. Mulheres na sala de aula. Revista Histedbr, Campinas, n. 21, p. 15-25, 2006.

BRITO, M. S. T.; COSTA, M. Práticas e percepções docentes e suas relações com o prestígio e clima escolar das escolas públicas do município do Rio de Janeiro. Revista Brasileira de Educação, Rio de Janeiro, v. 15, n. 45, p. 500-594, 2010.

BURNIER, S. et al. Histórias de vida de professores: o caso da educação profissional. Revista Brasileira de Educação, Rio de Janeiro, v. 12, n. 35, p. 343-358, 2007.

ESQUISANI, R. S.; WERLE, F. O. C. Ser professora: um estilo de vida pontuado pela formação. Revista Histedbr, Campinas, n. 38, p. 104-115, 2010.

FERNANDES, R. Da palmatória à internet: uma revisitação da profissão docente. Revista Brasileira de História da Educação, Campinas, v. 6, n. 11, p. 11-39, 2006.

FERREIRA, M. O. V. “Discutir educação é discutir trabalho docente”: o trabalho docente segundo dirigentes da Confederación de Trabajadores de la Educación de la República Argentina (CTERA). Revista Brasileira de Educação, Rio de Janeiro, v. 14, n. 41, p. 281-295, 2009.

FREITAS, V. G. P.; DURÃES, S. J. A. Trabalho docente na escola primária mineira: um código disciplinar para um agente de modernidade. Revista Brasileira de História da Educação, Campinas, v. 13, n. 1, p. 95-127, 2013.

GISI, M. L.; EYNG, A. M. As políticas educacionais e a identidade profissional dos professores de educação básica. Revista Histedbr, Campinas, n. 31, p. 113-126, 2008.

GOUVEIA, M. C. Mestre: profissão professor(a). Processo de profissionalização docente na Província Mineira no Período Imperial. Revista Brasileira de História da Educação, Campinas, v. 1, n. 2, p. 39-57, 2001.

HORA, D. et al. Racionalização do trabalho didático nos primórdios da república. Revista Histedbr, Campinas, n. 29, p. 68-87, 2008.

LAFFIN, M. H. L. F. A constituição da docência na educação de jovens e adultos. Currículo Sem Fronteiras, [S.l.], v. 12, n. 1, p. 210-228, 2012.

LAWN, M. Os professores e a fabricação de identidades. Currículo Sem Fronteiras, [S.l.], v. 1, n. 2, p. 117-130, 2001.

LELIS, I. Profissão docente: uma rede de histórias. Revista Brasileira de Educação, Rio de Janeiro, n. 17, p. 40-48, 2001.

LOPES, S. C. Flagrantes da profissão docente na cidade do Rio de Janeiro nas páginas da revista O Ensino Primário (1884-1885). Revista Brasileira de História da Educação, Campinas, v. 10, n. 24, p. 139-165, 2010.

MAGALDI, A. M. B.; NEVES, C. V. Valores católicos e profissão docente: um estudo sobre representações em torno do magistério e do “ser professora” (1930-1950). Revista Brasileira de História da Educação, Campinas, v. 7, n. 15, p. 99-115, 2007.

MAGALHÃES, J. O professor: um regenerador agrilhoado. Revista Histedbr, Campinas, n. 31, p. 4-17, 2008.

MEIRA, R. F. Memórias e histórias de ex-professoras primárias do grupo escolar “Antonio Padilha” (1952/1990). Revista Histedbr, Campinas, n. 21, p. 89-93, 2006.

MELO, M. M. R.; VALLE, I. R. Professoras catarinenses: razões para escolher e permanecer na carreira. Revista Brasileira de História da Educação, Campinas, v. 12, n. 3, p. 199-228, 2012.

NASSIF, V. M. J.; HANASHIRO, D. M. M.; TORRES, R. R. Fatores que influenciam na percepção das competências para o exercício da docência. Revista Brasileira de Educação, Rio de Janeiro, v. 15, n. 44, p. 364-379, 2010.

NOGUEIRA, M. O. Efeito pai professor: o impacto da profissão docente na vida escolar dos filhos. Revista Brasileira de Educação, Rio de Janeiro, v. 18, n. 52, p. 65-79, 2013.

OURIQUE, M. L. H. Performances da docência: compreensão das dimensões filosóficas da formação. Revista Brasileira de Educação, Rio de Janeiro, v. 15, n. 45, p. 544-554, 2010.

PEREIRA, M. A. A dimensão performativa do gesto na prática docente. Revista Brasileira de Educação, Rio de Janeiro, v. 15, n. 45, p. 555-563, 2010.

PINTO, M. F. N.; DUARTE, A. M. C.; VIEIRA, L. M. F. O trabalho docente na educação infantil pública em Belo Horizonte. Revista Brasileira de Educação, Rio de Janeiro, v. 17, n. 51, p. 611-745, 2012.

ROBERTSON, S. L. Política de re-territorialização: espaço, escala e docentes como classe profissional. Currículo Sem Fronteiras, [S.l.], v. 2, n. 2, p. 22-40, 2002.

ROLDÃO, M. C. Função docente: natureza e construção do conhecimento profissional. Revista Brasileira de Educação, Rio de Janeiro, v. 12, n. 34, p. 94-103, 2007.

SANTOS, G. B. Usos e limites da imagem da docência como profissão. Revista Brasileira de Educação, Rio de Janeiro, v. 18, n. 52, p. 11-24, 2013.

SANTOS, L. L. C. P.; DIAS, R. L. C. Trajetórias escolares e prática profissional de docentes das camadas populares. Revista Brasileira de Educação, Rio de Janeiro, v. 18, n. 52, p. 49-64, 2013.

SAVIANI, D. O legado educacional do século XX no Brasil. Campinas: Autores Associados, 2006.

SCHELBAUER, A. R. Manifestação da ação de particulares e de professores de primeiras letras em prol da escolarização em São Paulo no final do século XIX. Revista Histedbr, Campinas, n. 24, p. 3-10, 2006.

SCHUELER, A. F. M. Combates pelo ofício em uma escola moralizada e cívica: a experiência do professor Manuel José Pereira Frazão na Corte Imperial (1870-1880). Revista Brasileira de História da Educação, Campinas, v. 5, n. 9, p. 109-138, 2005.

SILVA JÚNIOR, J. R.; FERREIRA, L. R.; KATO, F. B. G. Trabalho do professor pesquisador diante da expansão da pós-graduação no Brasil pós-LDB. Revista Brasileira de Educação, Rio de Janeiro, v. 18, n. 53, p. 435-456, 2013.

SILVA, M. O habitus professoral: o objeto dos estudos sobre o ato de ensinar na sala de aula. Revista Brasileira de Educação, Rio de Janeiro, v. 12, n. 29, p. 152-163, 2005.

STRIEDER, D. M. Aspectos da formação e atuação docente nas escolas paroquiais teuto-brasileiras no Rio Grande do Sul. Revista Histedbr, Campinas, n. 32, p. 113-135, 2008.

TARDIF, M. Saberes profissionais dos professores e conhecimentos universitários. Elementos para uma epistemologia da prática profissional dos professores e suas conseqüências em relação à formação para o magistério. Revista Brasileira de Educação, Rio de Janeiro, n. 13, p. 5-24, 2000.

TOMÉ, C. L. Profissionais da educação na cidade de Cláudia – Mato Grosso: “a carreira de professor começou”. Currículo Sem Fronteiras, [S.l.], v. 14, n. 1, p. 76-91, 2014.

VICENTINI, P. P. Celebração e visibilidade: o dia do professor e as diferentes imagens da profissão docente no Brasil (1933-1963). Revista Brasileira de História da Educação, Campinas, v. 4, n. 8, p. 9-41, 2004.

VIEIRA, J. S. Política educacional, currículos e controle disciplinar (implicações sobre o trabalho docente e a identidade do professorado). Currículo Sem Fronteiras, [S.l.], v. 2, n. 2, p. 111-136, 2002.

Downloads

Publicado

2017-01-02

Como Citar

CORRÊA, P. S. de A.; BARRETO, B. S. Exigências para o exercício do ofício de mestre nos grupos escolares no Brasil no contexto da ditadura militar. Educ. Form., [S. l.], v. 2, n. 4, p. 104–123, 2017. DOI: 10.25053/edufor.v2i4.1931. Disponível em: https://revistas.uece.br/index.php/redufor/article/view/126. Acesso em: 24 set. 2021.