Impactos do uso excessivo de tecnologias na Educação

Autores

DOI:

https://doi.org/10.47149/pemo.v6.e12455

Palavras-chave:

Aprendizagem, Tecnologia da Informação e Comunicação, Saúde Mental

Resumo

O crescente uso de tecnologia nas escolas é algo que preocupa os órgãos responsáveis pela educação e educadores. De acordo com o Programme for International Student Assessment (PISA), programa Internacional de Avaliação de Estudantes, o percentual de estudantes brasileiros distraídos chega a 80% (Brasil, 2022). Estudos na área da saúde mental, como os de Andrade (2023) e Cereja (2018), associam o uso demasiado das tecnologias ao surgimento e agravamento de sintomas ansiosos. Neste contexto, este trabalho tem por objetivo abordar os problemas de aprendizagem associados ao uso excessivo de tecnologias na educação. São apresentadas as vantagens da tecnologia na educação e discutidos os impactos negativos do uso demasiado de dispositivos eletrônicos e ferramentas digitais nas habilidades cognitivas, na saúde mental dos estudantes e na dinâmica das salas de aula. Espera-se contribuir para a promoção do uso mais consciente e equilibrado das tecnologias em ambientes educacionais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Claudia Bianchi Progetti, Centro Universitário Senac

Doutora em Ciências na área de Engenharia da Computação pela Escola Politécnica da Universidade de São Paulo (USP). Docente e membro do Comitê de Pesquisa do Centro Universitário SENAC.

Luís Fernando Ferreira de Araújo, Centro Universitário Senac

Doutor em Educação, Arte e História da Cultura pela Universidade Mackenzie. Docente no Centro Universitário SENAC.

Gabriela Progetti Zanuzzo, Universidade Presbiteriana Mackenzie

Graduanda em Psicologia e pesquisadora no Programa Institucional de Iniciação Científica pela Universidade Mackenzie, com intercâmbio acadêmico no Mestrado em Psicologia Clínica pela Universidade de Évora (PT).  Pós-graduada em Gestão de Pessoas (PUC MINAS). Graduada em Gestão de Recursos Humanos (SENAC).

Referências

ANDRADE, André Luiz Monezi et al. Uso excessivo de internet e smartphone e problemas emocionais em estudantes de psicologia e psicólogos. Estudos De Psicologia (campinas), 40, e210010, 2023. Disponível em: https://doi.org/10.1590/1982-0275202340e210010. Acesso em: 22 jan. 2024.

BACICH, L.; NETO, A. T.; TREVISANI, F. M. Ensino Híbrido: personalização e tecnologia na educação. Porto Alegre: Penso, 2015.

BRASIL. Programa Internacional de Avaliação de Estudantes (Pisa), 2022. Ministério da Educação: Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (INEP). Disponível em: https://www.gov.br/inep/pt-br/areas-de-atuacao/avaliacao-e-exames-educacionais/pisa. Acesso em: 20 jan. 2024.

BRASIL. Acessibilidade Digital. Ministério da Gestão e da Inovação em Serviços. Disponível em: https://www.gov.br/governodigital/pt-br/acessibilidade-digital. Acesso em: 27 dez. 2023.

CEREJA, M. T. D. J.; NOBRE, T. L. O uso da internet e a relação com o sentimento de ansiedade em jovens entre 18 a 25 anos. Leopoldianum, v. 44, n.124, 2018. Disponível em: https://doi.org/10.58422/releo2018.e853. Acesso em: 22 jan. 2024.

GIL, A. C. Como elaborar projetos de pesquisa. São Paulo: Editora Atlas, 2022.

HOOKS, Bell. Ensinando a Transgredir: a educação como prática da liberdade. Folha de São Paulo, 2021.

LOBO, Alex Sander Miranda; MAIA, Luiz Cláudio Gomes. O uso das TICs como ferramenta de ensino-aprendizagem no Ensino Superior. Caderno de Geografia, 25(44), 16–26, 2015. Disponível em: https://doi.org/10.5752/P.2318-2962.2015v25n44p16. Acesso em: 26 dez. 2023.

Nguyen, A., Ngo, H. N., Hong, Y., Dang, B., & Nguyen, B.-P. T. (2023). Ethical principles for artificial intelligence in education. Education and Information Technologies, 28(4), 4221–4241. Disponível em: https://doi.org/10.1007/s10639-022-11316-w. Acesso em: 22 jan. 2024

SOUZA, M. E. L. de; MARTINS, O. A. da S.; DUARTE, M. N. M. Conectivismo e os desafios da formação docente na era digital. Práticas Educativas, Memórias e Oralidades - Rev. Pemo, [S. l.], v. 3, n. 3, p. e335592, 2021. DOI: 10.47149/pemo.v3i3.5592. Disponível em: https://revistas.uece.br/index.php/revpemo/article/view/5592 . Acesso em: 26 dez. 2023.

TORI, R. Educação sem distância: as tecnologias interativas na redução de distâncias em ensino e aprendizagem. 2.ed. Artesanato Educacional: São Paulo: 2017.

UNESCO. Relatório de monitoramento global da educação, resumo, 2023: A tecnologia na educação: Uma ferramenta a serviço de quem? GEM Report UNESCO, 2023. Disponível em: https://doi.org/10.54676/CUYC7902 . Acesso em: 17 jan 2024.

WORLD ECONOMIC FORUM. Future of Jobs Report 2023, 2023. Disponível em: https://www3.weforum.org/docs/WEF_Future_of_Jobs_2023.pdf. Acesso em: 17 jan 2024.

YOUNES, Farah et al. Internet addiction and relationships with insomnia, anxiety, depression, stress and self-esteem in university students: A cross-sectional designed study. PloS one, 11(9), e0161126, 2016. Disponível em: https://journals.plos.org/plosone/article?id=10.1371/journal.pone.0161126. Acesso em: 22 jan. 2024.

Publicado

2024-06-18

Como Citar

PROGETTI, C. B.; ARAÚJO, L. F. F. de; ZANUZZO, G. P. Impactos do uso excessivo de tecnologias na Educação. Práticas Educativas, Memórias e Oralidades - Rev. Pemo, [S. l.], v. 6, p. e12455, 2024. DOI: 10.47149/pemo.v6.e12455. Disponível em: https://revistas.uece.br/index.php/revpemo/article/view/12455. Acesso em: 12 jul. 2024.