A formação docente, inicial e contínua, para o trabalho com adultos em Portugal: o olhar dos professores

Autores

DOI:

https://doi.org/10.25053/edufor.v2i4.2130

Palavras-chave:

Formação contínua, Educação de adultos, Políticas públicas

Resumo

Este trabalho objetivou investigar as políticas públicas de formação contínua de professores, especificamente os que atuam com a educação da pessoa adulta em Portugal e no Brasil. No recorte dado a esta comunicação, selecionaram- -se os dados referentes a Portugal. Buscou-se traçar a história de vida dos educadores investigados, dez no total, sua inserção no campo da Educação de Adultos e seu processo formativo para a atuação nesse campo, via entrevistas semiestruturadas. Esta investigação se assentou numa perspectiva qualitativa, interpretativa e descritiva. Os professores narraram suas experiências, percepções e reflexões sobre o próprio processo formativo. A análise evidenciou um grupo de docentes comprometidos e satisfeitos com a educação e formação da pessoa adulta, que reconhecem a necessidade de uma formação específica para este trabalho, além do excesso de discursos e da pobreza na oferta de práticas formativas para essa área por parte dos poderes públicos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ALARCÃO, I. Formação continuada como instrumento de profissionalização docente. In: VEIGA, I. P. A. (Org.). Caminhos da profissionalização do magistério. Campinas: Papirus, 1998. p. 99-122.

BARDIN, L. Análise de conteúdo. São Paulo: 70, 2011.

BERTAUX, D. Les récits de vie. Paris: Nathan Université, 1997.

CAETANO, A. (Org.). Avaliação da formação contínua de professores da Península de Setúbal. Lisboa: RH, 2003.

CANÁRIO, R. Educação de adultos: um campo e uma problemática. Lisboa: Educa-Formação/Anefa, 2000.

DELORY-MOMBERGER, C. Biografia e educação: figuras do indivíduo-projeto. Natal: UERN; São Paulo: Paulus, 2011.

DI PIERRO, M. C. Contribuições do I Seminário Nacional de Formação de Educadores de Jovens e Adultos. In: SOARES, L. (Org.). Formação de educadores de jovens e adultos. Belo Horizonte: Autêntica; Brasília, DF: MEC: Unesco, 2006. p. 281-291.

ESTEVES, M. Análise de conteúdo. In: LIMA, J. A.; PACHECO, J. A. Fazer investigação: contributos para a elaboração de dissertações e teses. Porto: Porto, 2006. p. 105-126.

ESTRELA, M. T. Realidades e perspectivas da formação contínua de professores. In: CAETANO, A. P.; RODRIGUES, A.; ESTEVES, M. (Org.). As ciências da educação na obra de Maria Teresa Estrela. Lisboa: Educa/IE, Universidade de Lisboa, 2015.

FÁVERO, O.; RUMMERT, S. M.; DE VARGAS, S. M. Formação de profissionais para a educação de jovens e adultos trabalhadores: a proposta da Faculdade de Educação da Universidade Federal Fluminense. In: ANPED, 22., 1999, Caxambu. Anais… Caxambu: Anped, 1999. CD-ROM.

FERRY, G. El trayecto de la formación: los enseñantes entre la teoría y la práctica. Barcelona: Paidós, 1991.

FONTANA, A.; FREY, J. H. Interviewing the art of Science. In: DENZIN, N.; LINCOLN, Y. S. (Org.). Handbook of qualitative research. London: Sage, 1994. p. 361-376.

FORMOSINHO, J.; MACHADO, J. Professores, escola e formação. Políticas e práticas de formação contínua. In: FORMOSINHO, J. (Coord.). Formação de professores: aprendizagem profissional e acção docente. Porto: Porto, 2009. p. 287-302.

GARCÍA, C. M. Formação de professores: para uma mudança educativa. Porto: Porto, 1999.

KUSHNER, S. Recuperar lo personal. In: RIVAS FLORES, J. I.; PASTOR, D. H. (Coord.). Voz y educación: la narrativa como enfoque de interpretación de la realidad. Barcelona: Octaedro, 2009.

MILES, M.; HUBERMAN, A. Data management and analysis methods. In: DENSIN, N. K.; LINCOLN, Y. S. (Ed.). Handbook of qualitative research. Londres: Sage, 1994. p. 428-444.

NASCIMENTO, M. G. C. A. A formação continuada dos professores: modelos, dimensões e problemáticas. In: CANDAU, V. M. (Org.). Magistério: construção cotidiana. 6. ed. Petrópolis: Vozes, 2008. p. 69-90.

PATTON, M. Q. Qualitative evaluation methods. London: Sage, 1986.

POIRIER, J.; CLAPIER-VALLADON, S.; RAYBAUT, P. Histórias de vida: teoria e prática. Oeiras: Celta, 1999.

PORTUGAL. Lei n. 46, de 14 de outubro de 1986. Lei de Bases do Sistema Educativo que estabelece o quadro geral do sistema educativo. Diário da República: I Série, n. 237, p. 3067-3081, 1986.

PORTUGAL. Lei n. 49, de 30 de agosto de 2005. Lei de Bases do Sistema Educativo. Diário da República, 2005.

QUIVY, R.; CAMPENHOUDT, L. V. Manual de investigação em Ciências Sociais. 2. ed. Lisboa: Gadiva, 1998.

SOARES, L. J. G. Avanços e desafios na formação do educador de jovens e adultos. In: MACHADO, M. M. (Org.). Formação de educadores de jovens e adultos. Brasília, DF: MEC, Unesco, 2009. p. 57-71.

SOARES, L. J. G.; SOARES, R. S. O Reconhecimento das especificidades da Educação de Jovens e Adultos: constituição e organização de propostas de EJA. Revista Arquivos Analíticos de Políticas Educativas, Arizona, v. 22, n. 66, p. 1-22, 2014.

TAYLOR, S.; BOGDAN, R. Introducción a los métodos cualitativos de investigación. Buenos Aires: Paidós, 1986.

VALA, J. A análise de conteúdo. In: SILVA, A. S.; PINTO, J. M. (Org.). Metodologias das Ciências Sociais. 13. ed. Porto: Afrontamento, 2005. p. 101-128.

ZABALZA, M. A. Fundamentación de la didáctica y del conocimiento. In: MEDINA, A.; SEVILLANO, M. L. (Org.). Didáctica. Adaptación. Madrid: Uned, 1990. p. 85-220.

Downloads

Publicado

2017-01-02

Como Citar

ARAÚJO, R. M. B.; ESTEVES, M. M. F. A formação docente, inicial e contínua, para o trabalho com adultos em Portugal: o olhar dos professores. Educ. Form., [S. l.], v. 2, n. 4, p. 18–35, 2017. DOI: 10.25053/edufor.v2i4.2130. Disponível em: https://revistas.uece.br/index.php/redufor/article/view/121. Acesso em: 24 set. 2021.