Trajetórias formativas de licenciandos em matemática

percepções sobre constituir-se professor

Autores

DOI:

https://doi.org/10.47149/pemo.v1i1.3478

Palavras-chave:

Trajetórias formativas, Licenciatura, Matemática

Resumo

Este artigo, de natureza qualitativa e descritiva, teve como objetivo refletir sobre a formação do professor de Matemática, procurando analisar as percepções dos licenciandos sobre suas trajetórias formativas. Adotou-se como questão norteadora inicial para mobilizar a pesquisa: Como vou me constituindo professor (a) de Matemática? Foi direcionada aos 28 acadêmicos do VII período da Licenciatura em Matemática do IFPI- Campus Piripiri, cujas análises decorrem das concepções de educação e formação de D’Ambrósio (2012), Fiorentini e Castro (2003), Franco e Pimenta (2010), Schulman (2004), dentre outros. Na metodologia foram destacadas três categorias de análises: (1) necessidades formativas dos licenciandos; (2) momentos mobilizadores de formação docente e (3) contribuições dos professores formadores. Os resultados apontam dentre as principais necessidades formativas o domínio do conhecimento matemático, projetos e pesquisas e inovação didática, sendo que a escuta e o diálogo precisam se constituir de ações docentes permanentes durante toda a trajetória.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Joselma Ferreira Lima e Silva, Instituto Federal do Piauí

Doutoranda em Educação pela Universidade Estadual do Ceará - UECE (2017). Mestre em Educação pela UFPB-Universidade Federal da Paraíba (2014). Especialista em PROEJA pelo IFPI (2010-2011), Especialista em Psicologia Aplicada à Educação pela URCA ? Universidade Regional do Cariri. Possui graduação em Pedagogia pela Universidade Regional do Cariri, Ceará (2007), graduação em Licenciatura nas Ciências da Religião pela Faculdade Integrada de Teologia Viva ? FATEV, Piauí (2004). É graduada em Letras/Português pela Universidade Estadual do Piauí - UESPI. Atualmente é Professora DE do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Piauí, de Disciplinas Pedagógicas, no PARFOR e na Licenciatura em Matemática, Campus Piripiri. 

Ivoneide Pinheiro de Lima, Universidade Estadual do Ceará

Possui Licenciatura em Matemática pela Universidade Federal do Ceará (1993), graduação em Ciências pela Universidade Estadual do Ceará (1991) com habilitação em Física pela Universidade Estadual do Ceará (1994). Mestre em Física pela Universidade Federal do Ceará (1996) e Doutora em Educação pela Universidade Federal do Ceará (2007). Professora do Programa de Pós-Graduação em educação da Universidade Estadual do Ceará e do Curso de Licenciatura em Física. Coordenadora do subprojeto de Física do Programa Residência Pedagógica. Possui experiências na área de Educação, com ênfase em Métodos e Técnicas de Ensino, atuando principalmente nos seguintes temas:formação de professores, ensino e aprendizagem, ensino de matemática e ensino de física.

Maria Daiane da Silva Parentes, Instituto Federal do Piauí

Graduanda em Licenciatura em Matemática na Instituição Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Piaui-IFPI campus Piripiri, Técnica em Vestuário pelo IFPI - campus Piripiri. Atualmente participando do Programa Institucional de Bolsas de Iniciação Cientifica- PIBIC. 

Lindalva Gomes da Silva, Assobes Ensino Superior LTDA-Uniplan

Professora da Rede Municipal de Ensino da Cidade de Piripiri, exercendo a função de Coordenadora Pedagógica no Centro Educativo Municipal Irmã Ângela, Especialista em Docência do Ensino Superior pelo Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia ? IFPI, Especialista em Educação Infantil: Infância e Instituição Escolar pela Universidade Estadual do Piauí-UESPI. Possui graduação em Licenciatura Plena em Pedagogia pela Universidade Estadual do Piauí. Ex-bolsista do Programa Institucional de Bolsas de Iniciação a Docência-PIBID da Universidade Estadual do Piauí-UESPI. Tem experiência na área de Educação.

Referências

D’AMBRÓSIO, Ubiratan. Educação Matemática: da teoria à prática. 23. ed. São Paulo: Papirus, 2012.

FIORENTINI, D.; CASTRO, F. C. de. Tornando-se professor de matemática: o caso de Allan em prática de ensino e estágio supervisionado. In: FIORENTINI, Dario (Org.). Formação de professores de matemática: explorando novos caminhos com outros olhares. Campinas, SP: Mercado de Letras, 2003. p. 121- 156.

GATTI, B. A. (Coord.). Professores no Brasil: impasses e desafios. Brasília UNESCO, 2009. 294 p.

JARDILINO, J. R.; SAMPAIO, A. M. Desenvolvimento profissional docente: Reflexões sobre politica pública de formação de professores. Educação & Formação, Fortaleza, v. 4, n. 1, p. 180-194, 2019. Disponível em: https://revistas.uece.br/index.php/redufor/article/view/848 Acesso em: 03 jan. 2019.

LIMA, Joselma Ferreira Lavôr de. Formação do Professor de Matemática: Um olhar sobre a construção dos Saberes da Pesquisa. UFPB. João Pessoa. 2014

MATOS, D.; JARDILINO, J. R. Os conceitos de concepção, percepção, representação e crença no campo educacional: similaridades, diferenças e implicações para a pesquisa. Educação & Formação, Fortaleza, v. 1, n. 3, p. 20-31, 2016. Disponível em: https://revistas.uece.br/index.php/redufor/article/view/111 Acesso em: 04 dez. 2018.

PRODANOV, Cleber Cristiano.; FREITAS, Ernani Cesar de. Metodologia do Trabalho Científico: métodos e técnicas da pesquisa e do trabalho acadêmico. 2 ed. Novo Hamburgo, RS: Feevale, 2013. E- book. Disponível em: http://www.feevale.br/Comum/midias/8807f05a-14d0-4d5b-b1ad-1538f3aef538/E-book%20Metodologia%20do%20Trabalho%20Cientifico.pdf Acesso em: 20 dez. 2018.

SACRISTÁN, J. G. O currículo: uma reflexão sobre a prática. Porto Alegre: ArtMed, 1999.

SCHULMAN,L. S. Professing the liberal arts. In: ORILL (Ed.). Education and democracy: Reimagining liberal learning in America. New York: The College Entrance Examination Board, 1997. In: SHULMAN, L.S. Teaching as community property. Essays on higher education. San Francisco: Jossey-Bass, 2004, p. 12-31.

VASCONCELLOS, K. R.; BERNARDO, E. Profissionalização docente: reflexões e perspectivas no Brasil. Educação & Formação, Fortaleza, v. 1, n. 2, p. 208-222, 2016. Disponível em: https://revistas.uece.br/index.php/redufor/article/view/109 Acesso em: 03 dez. 2018.

SOUSA, E.; MARQUES, E. O processo de constituir-se professor na relação objetividade-subjetividade: significações acerca da mediação social na escolha pela docência. Educação & Formação, Fortaleza, v. 4, n. 2, p. 82-96, 2019. Disponível em: https://revistas.uece.br/index.php/redufor/article/view/841 Acesso em: 08 abr. 2019.

THERRIEN, J. Da epistemologia da prática à gestão dos saberes no trabalho docente: convergências e tensões nas pesquisas. In: Dalben, A.; Diniz, J.; Santos, L. (Org.). Convergências e tensões no campo da formação e do trabalho docente. Belo Horizonte: Autêntica, 2010.

VASCONCELOS, J. G.; FIALHO, L.; LOPES, T. M. Educación y libertad en Rousseau. Educação & Formação, Fortaleza, v. 3, n. 2, p. 210-223, 2018. Disponível em: https://revistas.uece.br/index.php/redufor/article/view/278 Acesso em: 03 jan. 2019.

VEIGA, Ilma Passos Alencastro. Didática: uma retrospectiva histórica. In: VEIGA, Ilma Passos Alencastro (Coord.). Repensando a didática. Porto Alegre: Artmed, 2012. p. 33-54.

Publicado

2019-04-30

Como Citar

SILVA, J. F. L. e; LIMA, I. P. de; PARENTES, M. D. da S.; SILVA, L. G. da. Trajetórias formativas de licenciandos em matemática: percepções sobre constituir-se professor. Práticas Educativas, Memórias e Oralidades - Rev. Pemo, [S. l.], v. 1, n. 1, p. 1–14, 2019. DOI: 10.47149/pemo.v1i1.3478. Disponível em: https://revistas.uece.br/index.php/revpemo/article/view/3478. Acesso em: 19 set. 2021.