Análise de conteúdo de “As três Marias” e a instrução feminina cearense

práticas educativas, vigilância e transgressão

Autores

DOI:

https://doi.org/10.47149/pemo.v1i1.3484

Palavras-chave:

Educação de mulheres, As três Marias, Ceará

Resumo

Objetiva-se analisar e discutir sobre as práticas educativas implementadas no ínterim da escolarização feminina tecida pelo Colégio da Imaculada Conceição, instituição pioneira no que concerne à instrução formal de meninas no Ceará, a partir das experiências tecidas em “As três Marias” (1939), romance de Rachel de Queiroz, escrito com base nas vivências da autora quando estudante do sistema de internato do referido colégio. Trata-se de um estudo qualitativo, do tipo documental e metodologicamente amparado pela análise de conteúdo da obra “As três Marias”, processo que resultou na formulação de três categorias temáticas: 1) Práticas educativas adotadas na instrução feminina; 2) Vigilância e transgressão; e 3) O futuro da mulher educada no internato. Conclui-se que “As três Marias” se constitui em rico insumo para o estudo da História da Educação do Ceará, prioritariamente quando se trata daquela orientada para o público feminino no século XX.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Francisca Genifer Andrade de Sousa, Universidade Estadual do Ceará/UECE

Doutoranda e mestra em Educação pelo Programa de Pós-Graduação em Educação (PPGE) da Universidade Estadual do Ceará (UECE). Graduada em Pedagogia pela mesma universidade. Integrande do Grupo de Pesquisa Práticas Educativas, Memórias e Oralidades (PEMO).

Francisca Risolene Fernandes, Prefeitura Municipal de Horizonte, Secretaria de Educação

Servidora pública municipal de Horizonte-CE. Especialista em Alfabetização e Multiletramentos, em Gestão Pedagógica da Escola Básica e em Língua Portuguesa e Literatura Brasileira pela Universidade Estadual do Ceará (UECE); Graduada em Pedagogia pela Universidade Estadual Vale do Acaraú (UVA). 

Referências

ALMEIDA, Jane Soares. Mulher e educação: a paixão pelo possível. São Paulo: Fundação Editora da UNESP, 1998.

ARAÚJO, H de L. M. R. A tradicional Escola Normal Rural Cearense chega ao Bairro de Fátima Formação das primeiras professoras primárias (1958-1950). Fortaleza: UFC, 2015.

BANFIELD, G.; HADUNTZ, H.; MAISURIA, A. The (im)possibility of the intellectual worker inside the neoliberal university. Educação & Formação, Fortaleza, v. 1, n. 3, p. 3-19, 2016. Disponível em: https://revistas.uece.br/index.php/redufor/article/view/110 Acesso em: 15 dez. 2018.

BARDIN, L. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70, 2006.

BEGO, A. Políticas públicas e formação de professores sob a perspectiva da racionalidade comunicativa: da ingerência tecnocrata à construção da autonomia profissional. Educação & Formação, Fortaleza, v. 1, n. 2, p. 3-24, 2016. Disponível em: https://revistas.uece.br/index.php/redufor/article/view/98 Acesso em: 15 out. 2018.

BURKE, P. A escrita da História: novas perspectivas. São Paulo: Universidade Estadual Paulista, 1992.

FOUCAULT, M. Vigiar e punir: nascimento da prisão. Petrópolis: Vozes, 2004.

GENÚ, M. A abordagem da ação crítica e a epistemologia da práxis pedagógica. Educação & Formação, Fortaleza, v. 3, n. 3, p. 55-70, 2018. Disponível em: https://revistas.uece.br/index.php/redufor/article/view/856. Acesso em: 18 dez. 2018.

JARDILINO, J. R.; SAMPAIO, A. M. Desenvolvimento profissional docente: Reflexões sobre política pública de formação de professores. Educação & Formação, Fortaleza, v. 4, n. 1, p. 180-194, 2019. Disponível em: https://revistas.uece.br/index.php/redufor/article/view/848 Acesso em: 01 jan. 2019.

JOSSO, C; FALLET, M; LAUBSCHER, A; FINGER, M. Problematique de La demande de La formation continue: exploration II. Genebra: Cahiers de La Section des Sciences de I’Education, 1984.

LARA, A. M. Políticas de redução da desigualdade sociocultural. Educação & Formação, Fortaleza, v. 1, n. 3, p. 140-153, 2016. Disponível em: https://revistas.uece.br/index.php/redufor/article/view/118 Acesso em: 25 out. 2018.

LIBÂNEO, J. C. Didática. São Paulo: Cortez, 1994.

LOPES, A. DE P. C. Legislação e processos educativos: A constituição da escola primária no Piauí (1845 a 1889). Educação & Formação, Fortaleza, v. 4, n. 1, p. 50-65, 2019. Disponível em: https://revistas.uece.br/index.php/redufor/article/view/866 Acesso em: 15 abr. 2019.

MAGALHÃES JÚNIOR, Antônio Germano. Vigilância, transgressão e “punição”: memórias de ex-alunas de escolas católicas de formação de educadoras (1964-1969). 201p. Tese (Doutorado em Educação Brasileira) –Programa de Pós Graduação em Educação Brasileira, Universidade Federal do Ceará, 2003.

MINAYO, M. C de S. Pesquisa Social: teoria, método e criatividade. Petrópolis: Vozes, 1994.

MORORÓ, L. A influência da formação continuada na prática docente. Educação & Formação, Fortaleza, v. 2, n. 1, p. 36-51, 2017. Disponível em: https://revistas.uece.br/index.php/redufor/article/view/122 Acesso em: 09 nov. 2018.

NÓVOA, A; FINGER, M. O método (Auto)biográfico e a formação. 2.ed, Natal: EDUFRN, 2014.

NUNES, M. L da S; FIALHO, L. M. F; MACHADO, C. J dos S. Reflexões em torno da relação entre História e Literatura. Questio, Sorocaba, v.18, n.3, p.793-805, 2016. Disponível em: http://periodicos.uniso.br/ojs/index.php/quaestio/article/view/2853 Acesso em: 10 out. 2018.

PEREIRA, A.; RIBEIRO, C. S. A culpabilidade pelo fracasso escolar e a interface com os “problemas de aprendizagem” em discurso. Educação & Formação, Fortaleza, v. 2, n. 2, p. 95-110, 2017. Disponível em: https://revistas.uece.br/index.php/redufor/article/view/138 Acesso em: 12 dez. 2018.

QUEIROZ, Rachel de. As três Marias. 21. ed. São Paulo: Siciliano, 1992.

RAMALHO, A. C. M. Parabéns CIC. In: SILVEIRA, E. Colégio da Imaculada Conceição: do Gênese ao Apocalipse. Fortaleza: Tipogresso, 1999. RIBEIRO, S. Os anos dourados. In: SOARES, M. N. M. 80 anos... É bom que isto aconteça”. Sobral: UVA, 2000. p.120-122.

RIOS, P. P.; CARDOSO, H.; DIAS, A. Concepções de gênero e sexualidade d@s docentes do curso de licenciatura em pedagogia: por um currículo Queer. Educação & Formação, Fortaleza, v. 3, n. 2, p. 98-117, 2018. Disponível em: https://revistas.uece.br/index.php/redufor/article/view/272 Acesso em: 15 dez. 2018.

SOARES, C.; VIANA, T. Jovita Alves Feitosa: memórias que contam a história da educação nas prisões cearenses. Educação & Formação, Fortaleza, v. 1, n. 1, p. 140-158, 2016. Disponível em: https://revistas.uece.br/index.php/redufor/article/view/96 Acesso em: 08 nov. 2018.

SOUSA, E.; MARQUES, E. O processo de constituir-se professor na relação objetividade-subjetividade: significações acerca da mediação social na escolha pela docência. Educação & Formação, Fortaleza, v. 4, n. 2, p. 82-96, 2019. Disponível em: https://revistas.uece.br/index.php/redufor/article/view/841 Acesso em: 15 abr. 2019.

VASCONCELOS, J. G.; FIALHO, L.; LOPES, T. M. Educación y libertad en Rousseau. Educação & Formação, Fortaleza, v. 3, n. 2, p. 210-223, 2018. Disponível em: https://revistas.uece.br/index.php/redufor/article/view/278 Acesso em: 15 dez. 2018.

Publicado

2019-04-30

Como Citar

SOUSA, F. G. A. de; FERNANDES, F. R. Análise de conteúdo de “As três Marias” e a instrução feminina cearense: práticas educativas, vigilância e transgressão. Práticas Educativas, Memórias e Oralidades - Rev. Pemo, [S. l.], v. 1, n. 1, p. 1–17, 2019. DOI: 10.47149/pemo.v1i1.3484. Disponível em: https://revistas.uece.br/index.php/revpemo/article/view/3484. Acesso em: 24 set. 2021.