Identidade e relações étnico-raciais na formação escolar

Autores

DOI:

https://doi.org/10.47149/pemo.v1i1.3628

Palavras-chave:

Educação básica, Racismo, Identidade

Resumo

Buscamos discutir como a identidade do povo negro está atrelada a branquitude, como se deu o existir do negro na sociedade colonizada, a partir das leituras de Frantz Fanon (2008) e Abdias do Nascimento (1980), procuramos contextualizar como a colonização foi chave para a propagação da ideia de raça, atribuindo a disseminação da bondade atrelada a branquitude e da maldade aos negros. As reflexões dos autores contribuirão para explicarmos a conjuntura educacional, frente a identidade afro-brasileira. Identificamos como a educação étnico- racial pode ser peça fundamental na formação de identidade, diante dos desafios do currículo proposto do novo ensino médio, que vem sendo implementado no estado da Bahia. O desenvolvimento da pesquisa tem como objetivo promover ações pedagógicas que contribuam no processo de formação educacional e potencialização da identidade dos alunos(as) negros(as), garantindo políticas educacionais e relações étnico-raciais que permitem a temática História e Cultura Afro-Brasileira e Indígena nas instituições.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Aldevane de Almeida Araújo, Universidade Federal do Recôncavo Baiano

Professora efetiva no estado da Bahia no colégio CETEP Recôncavo II Alberto Tôrres, especialista no Ensino de Filosofia e Sociologia, mestranda em História da África, da Diáspora e dos Povos Indígenas.

Emanoel Luis Roque Soares, Universidade Federal do Recôncavo Baiano

Prof. associado II da UFRB/CFP e do mestrado profissional em História da África UFRB. Ph.D. em educação UFC/FACED/2019, Ph.D. em Educação UFPB/FACED/2012, doutorado UFC/FACED/2008, mestrado UFBA/FACED/2004, especialização UFBA/FACED/2001. Bel em Filosofia UCSAL/1999.

Referências

BRASIL. Decreto nº 10639, de 09 de janeiro de 2003. Dispõe sobre as diretrizes e bases da educação nacional, para incluir no currículo oficial da Rede de Ensino a obrigatoriedade da temática "História e Cultura Afro-Brasileira" e dá outras providências. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/2003/l10.639.htm. Acesso em: 30 jul. 2018.

BRASIL. Decreto nº 11645, de 10 de março de 2008. Dispõe sobre as diretrizes e bases da educação nacional, para incluir no currículo oficial da rede de ensino a obrigatoriedade da temática “História e Cultura Afro-Brasileira e Indígena” e dá outras providências. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2007-010/2008/Lei/L11645.htm. Acesso em: 27 jun. 2018.

FANON, Frantz. Pele negra, máscaras brancas. Tradução de Renato da Silveira - Salvador: EDUFBA, 2008.

NASCIMENTO, Abdias do. Quilombismo. Petrópolis-RJ: Editora Vozes, 1980.

Secretária da educação do estado da Bahia. Implementação do Novo Ensino Médio. Documento Orientador da Rede Pública de Ensino, versão final. In B (SEC, 2020). Disponível em: http://jornadapedagogica.educacao.ba.gov.br/wp-content/uploads/2020/01/Documento-Orientador-Novo-Ensino-M%C3%A9dio-na-Bahia-Vers%C3%A3o-Final.pdf. Acesso em abr. de 2019.

Publicado

2019-04-30

Como Citar

ARAÚJO, A. de A.; SOARES, E. L. R. Identidade e relações étnico-raciais na formação escolar. Práticas Educativas, Memórias e Oralidades - Rev. Pemo, [S. l.], v. 1, n. 1, p. 1–14, 2019. DOI: 10.47149/pemo.v1i1.3628. Disponível em: https://revistas.uece.br/index.php/revpemo/article/view/3628. Acesso em: 24 set. 2021.