Habilidades socioemocionais: da BNCC às salas de aula

Autores

DOI:

https://doi.org/10.25053/redufor.v6i2.4406

Palavras-chave:

Habilidades socioemocionais, BNCC, Currículo, Ensino Médio

Resumo

O objetivo deste trabalho é identificar as bases epistemológicas e os marcos legais que sustentam a concepção de habilidades socioemocionais na Base Nacional Comum Curricular (BNCC) destinada ao Ensino Médio. A pesquisa teve caráter documental, e durante sua realização também foram analisados 3 (três) materiais de educação socioemocional de editoras brasileiras a fim de melhor compreender como o conceito trazido pela BNCC pode comparecer nas atividades escolares. Além do conteúdo explícito, também foi considerado o contexto sociopolítico que perpassa as temáticas abordadas por tais materiais. Sabendo que a BNCC busca manter a pluralidade dos currículos e a autonomia das escolas, foram apresentados benefícios e riscos da adoção do conceito aberto sobre habilidades sociais e emocionais, e suas possíveis implicações na formação dos educandos e na atuação do professor. Ademais, o trabalho teve por sustentáculo a visão da psicologia escolar crítica e a experiência de outros pesquisadores da área.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Marina Kurotusch Canettieri, Universidade Federal de Goiás

Graduanda em Psicologia na Universidade Federal de Goiás Campus Goiânia. Formação acadêmica em bacharelado e licenciatura. Bolsista de Iniciação Científica pela CNPq.

Jordana de Castro Balduino Paranahyba, Universidade Federal de Goiás

Psicóloga pela PUC-Goiás, com mestrado e doutorado em Educação pela Universidade de Barcelona. Professora Associada da área de Psicologia da Educação, na Faculdade de Educação da Universidade Federal de Goiás

Soraya Vieira Santos, Universidade Federal de Goiás

Pedagoga, mestre e doutora em Educação pela Universidade Federal de Goiás. Professora adjunta da área de Psicologia da Educação, na Faculdade de Educação da Universidade Federal de Goiás.

Referências

BRASIL. Base Nacional Comum Curricular: documento de caráter mandatório que orienta a formulação dos currículos escolares. Brasília, DF: Ministério da Educação, 2018.

BRASIL. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional: Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as Diretrizes e Bases da Educação Nacional. 10. ed. Brasília, DF: Câmara dos Deputados, 2014.

BRASIL. Lei nº 13.005, de 25 junho de 2014. Aprova o Plano Nacional de Educação – PNE e dá outras providências. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, DF, 26 jun. 2014.

BRASIL. Lei nº 13.415, de 16 de fevereiro de 2017. Altera as Leis nos 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as Diretrizes e Bases da Educação Nacional, e 11.494, de 20 de junho 2007, que regulamenta o Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação, a Consolidação das Leis do Trabalho - CLT, aprovada pelo Decreto-Lei nº 5.452, de 1º de maio de 1943, e o Decreto-Lei nº 236, de 28 de fevereiro de 1967; revoga a Lei nº 11.161, de 5 de agosto de 2005; e institui a Política de Fomento à Implementação de Escolas de Ensino Médio em Tempo Integral. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, DF, 17 fev. 2017.

BRASIL. Novo Ensino Médio – perguntas e respostas. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/component/content/article?id=40361. Acesso em: 14 jan. 2021.

DA MOTTA, V. C.; FRIGOTTO, G. Por que a urgência da reforma do ensino médio? Medida Provisória nº 746/2016 (Lei nº 13.415/2017). Educação & Sociedade, Campinas, v. 38, n. 139, p. 355-372, 2017. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/es/v38n139/1678-4626-es-38-139-00355. Acesso em: 18 jan. 2021.

DOMINGUES, J. J.; TOSCHI, N. S.; OLIVEIRA, J. F. A reforma do Ensino Médio: a nova formulação curricular e a realidade da escola pública. Educação & Sociedade, Campinas, v. 21, n. 70, p. 63-79, 2000. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?pid=s0101-73302000000100005&script=sci_abstract&tlng=pt. Acesso em: 5 nov. 2020.

FREIRE, J. S. E. A concepção de competência e a formação da subjetividade do trabalhador. Revista Inter Ação, Goiânia, v. 34, n. 2, p. 307-332, 2009. Disponível em: https://www.revistas.ufg.br/interacao/article/view/8499. Acesso em: 5 nov. 2020.

FREIRE, P. Conscientização, teoria e prática da liberdade. 3. ed. São Paulo: Centauro, 2006.

IAS. Competências socioemocionais: material para discussão. Rio de Janeiro: IAS, 2014.

IBGE. Censo 2010. Rio de Janeiro: IBGE, 2010. Disponível em: https://censo2010.ibge.gov.br/. Acesso em: 18 jan. 2021.

LEITE, S. A. Afetividade nas práticas pedagógicas. Temas em Psicologia, Ribeirão Preto, v. 20, n. 2, p. 355-368, 2012. Disponível em: https://www.redalyc.org/pdf/5137/513751440006.pdf. Acesso em: 5 nov. 2020.

LEMOS, G. A. R.; MACEDO, E. A incalibrável competência socioemocional. Linhas Críticas, Brasília, DF, v. 25, p. 57-73, 2019. Disponível em: https://periodicos.unb.br/index.php/linhascriticas/article/view/24582. Acesso em: 5 nov. 2020.

MACEDO, E. “A base é a base”. E o currículo o que é? In: AGUIAR, M. A. S.; DOURADO, L. F. (org.). A BNCC na contramão do PNE 2014-2024: avaliação e perspectivas. Recife: Anpae, 2018. p. 28-33.

MIRANDA, M. G.; RESENDE, A. C. A. A Psicologia da Educação na perspectiva da relação teoria e prática: uma conciliação possível. In: ANPED-GT-20-PSICOLOGIA DA EDUCAÇÃO, 20., 2005, Caxambu. Anais [...]. Caxambu: Anped, 2005.

MOREIRA, A. P. G.; GUZZO, R. S. L. O psicólogo na escola: um trabalho invisível?. Gerais: Revista Interinstitucional de Psicologia, Uberlândia, v. 7, n. 1, p. 42-52, 2014. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1983-82202014000100005. Acesso em: 18 jan. 2021.

PATTO, M. H. S. Mutações do cativeiro. In: PATTO, M. H. S. Mutações do cativeiro: escritos de psicologia e política. São Paulo: USP, 2000. p. 157-186.

PEREIRA, O. C. N. A construção do projeto de vida no Programa Ensino Integral (PEI): uma análise na perspectiva da orientação profissional. 2019. 134 f. Tese (Doutorado em Psicologia Social) – Programa de Pós-Graduação em Psicologia Social, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2019.

RAMOS, M. N. A educação profissional pela pedagogia das competências e a superfície dos documentos oficiais. Educação & Sociedade, Campinas, v. 23, n. 80, p. 401-422, 2002. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/es/v23n80/12939.pdf. Acesso em: 18 jan. 2021.

SANTOS, J. M.; SILVA, F.; SILVA, L. Política de educação profissional: o programa Brasil profissionalizado no contexto escolar. Educação & Formação, Fortaleza, v. 5, n. 1, p. 172-194, 2019. Disponível em: https://revistas.uece.br/index.php/redufor/article/view/1801. Acesso em: 18 jan. 2021.

SMOLKA, A. l. B. et al. O problema da avaliação das habilidades socioemocionais como política pública: explicitando controvérsias e argumentos. Educação & Sociedade, Campinas, v. 36, n. 130, p. 219-242, 2015. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?pid=s0101-73302015000100219&script=sci_arttext. Acesso em: 5 nov. 2020.

SILVA, J. R. S.; ALMEIDA, C. D.; GUINDANI, J. F. Pesquisa documental: pistas teóricas e metodológicas. Revista Brasileira de História & Ciências Sociais, Santa Vitória do Palmar, v. 1, n. 1, p. 1-15, 2009. Disponível em: https://periodicos.furg.br/rbhcs/article/view/10351. Acesso em: 10 jan. 2021.

SILVA, M. M.; GUEDES, T. Formação dos trabalhadores para o capital: uma análise de projetos pedagógicos de cursos técnicos subsequentes do IFSC, campus Florianópolis. Educação & Formação, Fortaleza, v. 3, n. 3, p. 102-120, 2018. Disponível em: https://revistas.uece.br/index.php/redufor/article/view/182. Acesso em: 19 jan. 2020.

SOARES, L. V.; COLARES, M. L. I. S. Avaliação educacional ou política de resultados?. Educação & Formação, Fortaleza, v. 5, n. 3, e2951, 2020. Disponível em: https://revistas.uece.br/index.php/redufor/article/view/2951. Acesso em: 18 jan. 2021.

WALLON, H. O orgânico e o social no homem. In: MERANI, A. L. (org.). Psicologia e pedagogia: as idéias pedagógicas de Henri Wallon. Lisboa: Notícias, 1977. p. 285-295.

WALLON, H. A formação psicológica dos mestres. In: WALLON, H. Psicologia e educação da criança. Lisboa: Vega, 1979. p. 343-354.

Publicado

2021-03-25

Como Citar

CANETTIERI, M. K.; PARANAHYBA, J. de C. B.; SANTOS, S. V. Habilidades socioemocionais: da BNCC às salas de aula. Educação & Formação, [S. l.], v. 6, n. 2, p. e4406, 2021. DOI: 10.25053/redufor.v6i2.4406. Disponível em: https://revistas.uece.br/index.php/redufor/article/view/4406. Acesso em: 12 maio. 2021.