Educação & Formação https://revistas.uece.br/index.php/redufor <p>A revista&nbsp;<strong>Educação &amp; Formação&nbsp;</strong>é vinculada aos Programas de Pós-Graduação em Educação da Universidade Estadual do Ceará. Criada em janeiro de 2016, tem periodicidade quadrimestral (jan-abr; mai-ago; set-dez) e publica artigos originais e inéditos oriundos de resultados de pesquisa acadêmicana área de Educação. Objetiva a difusão, o intercâmbio e os debates no campo educacional, prioritariamente, nos temas “Educação” e “Formação de professores”.</p> <p>Qualis Capes 2017-2020: B1 Educação</p> <p>Prefixo DOI: 10.25023</p> <p>ISSN: 2448-3583</p> <p>&nbsp;</p> EdUECE pt-BR Educação & Formação 2448-3583 <p>Os autores possuem direitos autorais dos seus textos:</p> <p>A revista Educação &amp; Formação permite ao autor os direitos de publicação, no entanto, recomenda um intervalo de dois anos para o caso de republicação.</p> <p>Os nomes e endereços informados nesta revista serão usados exclusivamente para os serviços prestados por esta publicação, não sendo disponibilizados para outras finalidades ou a terceiros.</p> LA FILOSOFIA DE LA TECNOLOGÍA EN LA FORMACIÓN DE INGENIEROS: ALGUNAS IDEAS SOBRE LA EXPERIENCIA DE CUBA https://revistas.uece.br/index.php/redufor/article/view/1425 <p>A tecnologia está avançando rapidamente e impacta na maneira de abordar a relação entre o ser humano e o mundo, o significado de nossas vidas, o conhecimento da realidade e a governabilidade social. Assim, a tecnologia tornou-se um assunto que não apenas surge nos diferentes ramos da filosofia, mas suscita ainda um tratamento especializado nos limites do que é conhecido como Filosofia da Tecnologia. Há um grande consenso de que este assunto deve ser levado a sério por aqueles que têm a ver com o desenvolvimento tecnológico e suas aplicações, especialmente engenheiros, e aqueles envolvidos em sua formação e educação. O presente trabalho aborda a introdução de temas de Filosofia da Tecnologia nos cursos de Engenharia em Cuba, levando em conta sua demanda social, base epistemológica, assim como os cenários e estratégias de seu ensino e aprendizagem. Como base empírica, foram utilizados os currículos e planos de carreiras de engenharia, e realizou-se uma sistematização das experiências docentes dos autores como professores em cursos de engenharia. Concluímos que a experiência cubana nesta questão está relacionada ao seu contexto educacional e social.</p> <p><strong>Palavras-chave:</strong> Filosofia. Tecnologia. Epistemologia. Formação. Engenharia. Cuba</p> Adolfo Ramos Lamar Eduardo Francisco Freyre Roach ##submission.copyrightStatement## http://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 2019-08-02 2019-08-02 4 12 set/dez 10.25053/redufor.v4i12.1425 CONTINUIDADES E TRANSFORMAÇÕES DA FORMAÇÃO DE DOCENTES DA ARGENTINA: POLÍTICAS E REFORMAS DESDE OS ANOS 80 https://revistas.uece.br/index.php/redufor/article/view/1420 <p>Entender as continuidades e transformações na Formação de Professores na Argentina durante o período 1985-2015 requer reconhecer simultaneamente duas dinâmicas chave de longa data: Primeiro, os debates ideológicos, políticos e pedagógicos sobre quem poderia e deveria ser um professor e de que instituição deveria estar encarregado de educar / produzir bons professores na Argentina. Segundo, ensinar como qualquer outra ocupação é tensionado por múltiplos conflitos de trabalho com dimensões econômicas, políticas, culturais e sociais que se cruzam. Neste capítulo, argumentaremos que, em termos gerais, essas duas dinâmicas se aglutinam e se cristalizam em torno da definição do status profissional dos professores e, consequentemente, nas instituições designadas para educá-los, os Programas de Formação de Professores.</p> Gustavo Enrique Fischman Paula Razquin ##submission.copyrightStatement## http://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 2019-08-05 2019-08-05 4 12 set/dez 10.25053/redufor.v4i12.1420 INTERNET MEMES: CLASSROOM PERSPECTIVES IN THE CONTEXT OF DIGITAL CULTURES https://revistas.uece.br/index.php/redufor/article/view/1385 <p>Este artigo objetiva apresentar algumas reflexões acerca da adoção de memes da internet como possibilidades para o ensino no contexto das culturas digitais. No Brasil, milhões de pessoas interagem em redes sociais, diariamente, por meio da edição, compartilhamento, leitura e reações a uma grande variedade de textos gráficos, vídeos, fotos e canções que refletem as nossas relações cotidianas. Este estudo está baseado na perspectiva dos multiletramentos (COPE e KALANTZIS, 2000, 2008; LANKSHEAR e KNOBEL, 2007; LEMKE, 2009; MENEZES DE SOUZA, 2011), bem como nos estudos sobre os memes realizados por Dawkins (1976), Shifman (2013, 2014), Shifman et al (2016), Chagas (2017, 2018) e Glaveanu (2018). As sugestões de ensino baseiam-se nas categorias de análise de memes; na remixagem de memes existentes para explorar os discursos de ideologias dominantes, aspectos de raça, idade, gênero e classe social; e a leitura e escrita de memes políticos, que operam como instrumentos de persuasão.</p> Paulo Boa Sorte ##submission.copyrightStatement## http://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 2019-08-02 2019-08-02 4 12 set/dez 10.25053/redufor.v4i12.1385 REAÇÕES FAMILIARES DIANTE DA CRIANÇA EM SITUAÇÃO DE DEFICIÊNCIA https://revistas.uece.br/index.php/redufor/article/view/912 <p>Este estudo teve por finalidade apreender a complexidade vivida pela família da criança em situação de deficiência a partir do seu próprio ponto de vista. Foram realizadas entrevistas na linha não-diretiva e de ajuda, com seis mães de crianças em situação de deficiência, que descreveram suas histórias de vida. A partir dos relatos, construiu-se a discussão sobre diferentes tópicos e neste texto trataremos especificamente das reações familiares diante do nascimento de uma criança em situação de deficiência na família. Negar, rejeitar, buscar um culpado para a situação, refugiar-se no seu sofrimento são algumas reações perfeitamente possíveis nos pais de crianças em situação de deficiência. Todavia, a busca do equilíbrio e o encaminhamento das questões afetas ao ser desviante tendem a surgir com o tempo e o filho em situação de deficiência é quase sempre incorporado à dinâmica familiar.</p> Luciana Pacheco Marques ##submission.copyrightStatement## http://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 2019-06-18 2019-06-18 4 12 set/dez 10.25053/redufor.v4i12.912 EDUCAÇÃO INFANTIL: HISTÓRIA, FORMAÇÃO E DESAFIOS https://revistas.uece.br/index.php/redufor/article/view/1270 <p>Considerando que o exercício analítico histórico é essencial na compreensão e superação das barreiras que travam o desenvolvimento das políticas públicas voltadas à melhoria da Educação Infantil em nosso país, propomo-nos, neste artigo, apresentar alguns elementos históricos sobre as origens distintas das creches e pré-escolas, discutir os papéis assumidos pelos professores de Educação Infantil ao longo dos séculos e, por fim, identificar quais são os desafios a serem enfrentados na formação docente nos dias atuais. Defendemos que a&nbsp;melhoria na qualidade dos serviços de educação oferecidos às crianças pequenas depende do comprometimento com uma formação de qualidade de seus professores, mas também de uma ampla conscientização da sociedade sobre a importância de o Estado brasileiro priorizar a educação, especialmente a infantil, em sua política orçamentária.</p> André Dioney Fonseca Anselmo Alencar Colares Sinara Almeida da Costa ##submission.copyrightStatement## http://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 2019-06-18 2019-06-18 4 12 set/dez 10.25053/redufor.v4i12.1270 A JUSTIÇA SOCIAL POR MEIO DAS COTAS NA UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA https://revistas.uece.br/index.php/redufor/article/view/945 <p>O problema que orientou essa pesquisa foi se a Lei nº 12.711/2012 (Lei de Cotas), enquanto política pública de ação afirmativa, é favorável ao atendimento da justiça social. Para traçar o perfil dos estudantes que ingressaram na Universidade Federal de Rondônia (UNIR - Porto Velho), por meio das Cotas tomou como base documental os registros acadêmicos da Instituição. O aporte teórico epistemológico respaldou-se nas concepções de Paulo Freire em seu método dialético crítico. Sobre a escolha dos cursos analisados, Medicina e Direito, levou-se em consideração a maior concorrência nos processos seletivos da UNIR (2013-2018), apontando: Medicina, em primeiro lugar; Direito, em segundo; a tradição destes na formação da classe elitizada brasileira, o <em>status</em> que ambos os cursos pressupõem dar aos concluintes. Os resultados assinalaram que as cotas hoje, apesar de uma série de críticas, oposições e erros de aplicação, têm sido a possibilidade de ingresso no ensino superior público.</p> Aparecida Luzia Alzira Zuin Eliane Bastos ##submission.copyrightStatement## http://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 2019-06-18 2019-06-18 4 12 set/dez 10.25053/redufor.v4i12.945 PROCESSO DE INSTITUCIONALIZAÇÃO DA POLÍTICA NACIONAL E ESTADUAL DE FORMAÇÃO DOCENTE: PROPOSIÇÕES E RESISTÊNCIAS NO PARANÁ https://revistas.uece.br/index.php/redufor/article/view/1126 <p>Para tratar do processo de institucionalização da política de formação inicial e continuada de professores da Educação Básica e Superior, a partir da gestão e das políticas curriculares nas licenciaturas, o artigo problematiza sociologicamente as tensões e os marcos curriculares da trajetória histórico- contextual que configura o período de 1996 a 2018 no Brasil, perpassando pela análise de documentos educacionais referenciais que materializam expressões de currículo. Na sequência, debate proposições, tensões e resistências percebidas no processo de constituição da política estadual de formação docente no Paraná, tomando como recorte histórico-curricular a Resolução CNE/CP nº 02/2015, interfacetada pelas alternativas coletivas de gestão pedagógica apresentadas pelo Progrades (Fórum Permanente dos Pró-reitores de Graduação das IEES/PR). Como um dos resultados do estágio pós-doutoral, esta pesquisa qualitativa, de cunho bibliográfico e documental, parte das reflexões de currículo como campo de disputa, embasando-se nas contribuições de Pierre Bourdieu.</p> Angela Maria de Sousa Lima Mário Luiz Neves Azevedo ##submission.copyrightStatement## http://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 2019-08-02 2019-08-02 4 12 set/dez 10.25053/redufor.v4i12.1126 ESTRATÉGIAS DE ENFRENTAMENTO DO RACISMO NA ESCOLA: UMA REVISÃO INTEGRATIVA https://revistas.uece.br/index.php/redufor/article/view/974 <p>O objetivo deste artigo foi efetuar uma revisão integrativa de literatura sobre as estratégias de enfrentamento do racismo na escola. Foi realizada uma busca nas bases de dados SciELO (Scientific Electronic Library Online), PePSIC (Periódicos Acadêmicos em Psicologia) e Periódicos CAPES, utilizando os descritores “racismo”, “preconceito racial”, “escola”, “educação”, “combate” e “enfrentamento”. O banco final foi constituído por 20 documentos e os temas mais frequentes nos artigos foram: Lei 10.639/03 e formação docente. Foi constatada pouca produção acerca de temas relacionados a questões raciais e educação infantil. Com relação ao enfrentamento, a maioria dos artigos enfatizavam a importância da formação docente e a Lei 10.639/03 como estratégias para o combate do racismo na escola. Foi verificado que os estudos sobre essa temática precisam se expandir, pois as discussões são importantes para aprofundar o tema e o compartilhamento dos recursos utilizados podem contribuir para o enfrentamento do racismo na escola.</p> Daniela Melo da Silva Carvalho Dalila Xavier de França ##submission.copyrightStatement## http://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 2019-06-18 2019-06-18 4 12 set/dez 10.25053/redufor.v4i12.974 ARTICULAÇÃO ENTRE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO: CONTRIBUIÇÕES DO PROGRAMA DE EDUCAÇÃO TUTORIAL (PET) PARA A FORMAÇÃO DE GRADUANDOS EM BIOLOGIA https://revistas.uece.br/index.php/redufor/article/view/819 <p>Este trabalho utiliza a perspectiva das Associações de Companheiros de Ofício aplicada à formação profissional específica e docente para investigar as contribuições do Programa de Educação Tutorial (PET) para uma concepção articulada entre teoria e prática na área de Biologia. Através de um Estudo de Caso com integrantes de um grupo PET de uma universidade federal nordestina, no qual se utiliza análise de documentos e entrevistas, notou-se que os partícipes percebem que as ações desenvolvidas, de forma articulada são &nbsp;importantes para sua formação como futuros docentes de Biologia. Tais ações buscam integrar ensino, pesquisa e extensão, característica dessa política pública; entretanto, carece de articulação com a formação docente, seja para a Educação Básica, seja para a Educação Superior.</p> Raphael Alves Feitosa Ana Maria Iório Dias ##submission.copyrightStatement## http://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 2019-03-20 2019-03-20 4 12 set/dez 10.25053/redufor.v4i12.819 FORMAÇÃO DOCENTE EM EDUCAÇÃO FÍSICA: PERSPECTIVAS DE UMA RACIONALIDADE PEDAGÓGICA DO CORPO EM MOVIMENTO https://revistas.uece.br/index.php/redufor/article/view/897 <p>É tecido como objetivo deste trabalho discutir as clivagens histórico-críticas na formação docente em Educação Física (EF), como caminho que aponta perspectivas de uma racionalidade pedagógica do corpo em movimento. Constitui-se o escrito como ensaio teórico-reflexivo ancorado nos fundamentos do Paradigma Crítico da EF significado pela práxis, na qual os (des)caminhos da formação e desenvolvimento profissional reverberam no pensamento reflexivo-crítico como modo de agir cultural e epistemologicamente. A leitura histórico-crítica da realidade na profissão docente em EF aponta como emergente a (re)construção de traços identitários na EF sobre o ser-fazer imperativo, em oposição às forças hegemônicas neoliberais, como significação das relações de empoderamento que encenam o palco das transformações didáticas, vislumbrando o processo de redemocratização das ideias pedagógicas.</p> Samara Moura Barreto de Abreu Wilson Nóbrega Sabóia Silvia Maria Nobrega-Therrien ##submission.copyrightStatement## http://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 2019-01-25 2019-01-25 4 12 set/dez 10.25053/redufor.v4i12.897 RELAÇÃO DE AVALIADORES 2019 https://revistas.uece.br/index.php/redufor/article/view/1707 <p>A Revista Educação &amp; Formação, no ano de 2019, contou com a contribuição de professores doutores que atuaram como pareceristas ad hoc.</p> Comissão Editorial ##submission.copyrightStatement## http://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 2019-09-03 2019-09-03 4 12 set/dez