O uso da história oral na narrativa da história da educação no Ceará

Autores

DOI:

https://doi.org/10.47149/pemo.v2i1.3505

Palavras-chave:

Fontes Históricas, Oralidades, Educação, História Oral

Resumo

As fontes escritas foram, durante séculos, os únicos vestígios considerados legítimos para o historiador recuperar o passado, no entanto, recoloca-se a questão do valor do trabalho histórico com a recolha testemunhal por via oral, problematizando a superioridade das fontes escritas. O objetivo é discutir os métodos utilizados pela História e exprimir argumentos que suplicam pela legitimidade do aproveitamento das fontes orais, não apenas como suporte complementar na ausência das chamadas “fontes primárias”, mas como metodologia importante para o estudo historiográfico, em especial no campo da História da Educação do Ceará. Com suporte teórico em Burke (1992), Mehhy e Holanda (2007), Machado (2006), Marcuschi, (2001), Turato (2003), dentre outros, defendeu-se o argumento de que a oralidade é uma prática social interativa para fins comunicativos que, sistematizada cientificamente, permite o armazenamento e a propagação de informações entre indivíduos e gerações fomentando histórias relevantes, por vezes invisibilizada pela valorização da macro história.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Lia Machado Fiuza Fialho, Universidade Estadual do Ceará

Professora adjunta do Centro de Educação da UECE, professora permanente do Programa de Pós-Graduação em Educação (PPGE) da UECE (orientadora de pós-doutorado, doutorado, mestrado e iniciação científica) e do Mestrado Profissional em Planejamento e Políticas Públicas (MPPP/UECE). Editora-chefe da Revista Educação & Formação do PPGE/UECE e da Coleção Práticas Educativas da Editora da UECE (EdUECE). Membro de comitê editorial da Revista Brasileira de Educação (RBE/ANPED) e de diversos periódicos qualificados e coleções de livros. Avaliadora externa do PIBIC/UNILAB e UFCA e interna da UECE. Líder do grupo de pesquisa Práticas Educativas Memórias e Oralidades (PEMO). Coordenadora do projeto de pesquisa Educadoras no Ceará do Século XX: Formação Docente, Práticas e Representações, financiado CNPq. Membro do grupo de pesquisa A educação de mulheres ao longo dos séculos XIX e XX e pesquisadora no projeto A educação de mulheres ao longo dos séculos XIX e XX, também financiado pelo CNPQ. 

Victor Ricardo de Sousa Braga Junior, Universidade Federal do Ceará

Especialista em Gestão Universitária pela Universidade Federal do Ceará e servidor público federal, atuando no cargo de Fotógrafo da Universidade Federal do Ceará (UFC). Especialização em Fotografia pela Universidade de Araraquara (UNIARA). Licenciatura em Pedagogia pela Universidade Estadual do Ceará (UECE).

Raylane Sales Monte, Universidade Estadual do Ceará

Graduada em Serviço Social e graduanda em Pedagogia pela Universidade Estadual do Ceará, Bolsista de iniciação científica do CNPQ.

Cristine Brandenburg, Universidade Federal do Ceará

Doutora pelo Programa de Pós Graduação em Educação Brasileira pela Universidade Federal do Ceará, Bolsista CNPq. Mestra pelo Programa de Pós Graduação em Educação Brasileira pela Universidade Federal do Ceará, Bolsista CNPq (2015). Especialista em Saúde Pública pala Universidade Estadual do Ceará (2017). Possui graduação em Fisioterapia pela Universidade de Santa Cruz do Sul (2008).

Referências

ABRANTES, H. Qual a Importância do Idoso na Nossa Vida? Poesias, Monólogos, Reflexão, 2010.

ARAÚJO, R. M.; ESTEVES, M. M. A formação docente, inicial e contínua, para o trabalho com adultos em Portugal: o olhar dos professores. Educação & Formação, Fortaleza, v. 2, n. 1, p. 18-35, 2017. Disponível em: https://revistas.uece.br/index.php/redufor/article/view/121 Acesso em: 30 mar. 2020.

BANFIELD, G.; HADUNTZ, H.; MAISURIA, A. The (im)possibility of the intellectual worker inside the neoliberal university. Educação & Formação, Fortaleza, v. 1, n. 3, p. 3-19, 2016. Disponível em: https://revistas.uece.br/index.php/redufor/article/view/110 Acesso em: 30 mar. 2020.

BOSI, E. Memória e Sociedade: lembrança de velhos. 2 ed. São Paulo: EDUSP, 1987.

BURKE, P. (Org.) A escrita da história. Tradução por Magda Lopes. São Paulo: UNESP, 1992.

CHARTIER, R. A história cultural: entre práticas e representações. Tradução por Maria Manuela Galhardo. Lisboa: Difel, 1988.

DINARTE, L. D.; CORAZZA, S. Espaço poético como tradução didática: Bachelard e a imagem da casa. Educação & Formação, Fortaleza, v. 1, n. 2, p. 135-148, 2016. Disponível em: https://revistas.uece.br/index.php/redufor/article/view/105 Acesso em: 30 mar. 2020.

FANTIN, M. Educação, aprendizagem e tecnologia na pesquisa-formação. Educação & Formação, Fortaleza, v. 2, n. 3, p. 87-100, 2017. Disponível em: https://revistas.uece.br/index.php/redufor/article/view/161 Acesso em: 30 mar. 2020.

FERREIRA, M. M; AMADO, J. Usos & Abusos da história oral. 8 ed. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2006.

FIALHO, L. M. F. A experiência socioeducativa de internação na vida de jovens em conflito com a lei. Fortaleza, 2012. Tese (Doutorado em Educação) - Universidade Federal do Ceará, 2012.

HENRIQUE, M. S. E.; VANDERLEI, K. S. Dicionário de Conceitos Históricos. São Paulo: Contexto, 2006.

JARDILINO, J. R.; SAMPAIO, A. M. Desenvolvimento profissional docente: Reflexões sobre política pública de formação de professores. Educação & Formação, Fortaleza, v. 4, n. 1, p. 180-194, 2019. Disponível em: https://revistas.uece.br/index.php/redufor/article/view/848 Acesso em: 30 mar. 2020.

JUNGES, F. C.; KETZER, C.; OLIVEIRA, V. M. Formação continuada de professores: Saberes ressignificados e práticas docentes transformadas. Educação & Formação, Fortaleza, v. 3, n. 3, p. 88-101, 2018. Disponível em: https://revistas.uece.br/index.php/redufor/article/view/858 Acesso em: 30 mar. 2020.

KOCH, I. O texto e a construção dos sentidos. São Paulo: Contexto, 2002.

LE GOFF, J. História e Memória. Campinas: Editora da Unicamp, 2003.

LIMA, J.; SANTOS, G. Valores, educación preescolar y desarrollo moral: concepciones de docentes. Educação & Formação, Fortaleza, v. 3, n. 2, p. 153-170, 2018. Disponível em: https://revistas.uece.br/index.php/redufor/article/view/275 Acesso em: 30 mar. 2020.

LOPES, A. DE P. C. Legislação e processos educativos: A constituição da escola primária no Piauí (1845 a 1889). Educação & Formação, Fortaleza, v. 4, n. 1, p. 50-65, 2019. Disponível em: https://revistas.uece.br/index.php/redufor/article/view/866 Acesso em: 30 mar. 2020.

LOZANO, J. E. A. Práticas e estilo de pesquisa na história oral contemporânea. In: Usos & Abusos da História Oral. AMADO, J; FERREIRA, M. M. (coord.). 8 ed. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2006.

MACHADO, C. J. dos S. M. Mulher e Educação: histórias, práticas e representações. João Pessoa: UFPB, 2006.

MAGALHÃES, D. História da velhice. Disponível em: www.dirceudiretorio.mephitartigos Acesso em: 05 jan. 2009.

MARCUSCHI, L. A. Da fala para a escrita: atividades de retextualização. São Paulo: Cortez, 2001.

MATOS, D.; JARDILINO, J. R. Os conceitos de concepção, percepção, representação e crença no campo educacional: similaridades, diferenças e implicações para a pesquisa. Educação & Formação, Fortaleza, v. 1, n. 3, p. 20-31, 2016. Disponível em: https://revistas.uece.br/index.php/redufor/article/view/111 Acesso em: 30 mar. 2020.

MEIHY, J. C. S. B.; HOLANDA, F. História oral: como fazer, como pensar. Editora Contexto, 2007.

MEIHY, J. C. S. B.; RIBEIRO, S. L. S. Guia prático da história oral. São Paulo, Contexto, 2011.

MINAYO M. C. S. O Desafio do Conhecimento: Pesquisa Qualitativa em saúde. 9 ed. São Paulo: Hucitec, 2006.

NORA, P. Entre memória e história: a problemática dos lugares. Projeto História. São Paulo: PUC, n. 10, p. 7-28, dez. 1993.

REIS, J. C. Os Annales: a renovação teórico-metodológica e ‘utópica’ da história pela reconstrução do tempo histórico. In: SAVIANI, D. et al. História e história da educação. 2 ed. Campinas, SP: Autores Associados HISTEDBR, 2000.

SCOCUGLIA, A. C.; MACHADO, C. J. S. (Orgs.). Pesquisa e historiografia da educação brasileira. Campinas, SP: Autores Associados, 2006.

SOARES, C.; VIANA, T. Jovita Alves Feitosa: memórias que contam a história da educação nas prisões cearenses. Educação & Formação, Fortaleza, v. 1, n. 1, p. 140-158, 2016. Disponível em: https://revistas.uece.br/index.php/redufor/article/view/96 Acesso em: 30 mar. 2020.

SOUSA, E.; MARQUES, E. O processo de constituir-se professor na relação objetividade-subjetividade: significações acerca da mediação social na escolha pela docência. Educação & Formação, Fortaleza, v. 4, n. 2, p. 82-96, 2019. Disponível em: https://revistas.uece.br/index.php/redufor/article/view/841 Acesso em: 30 mar. 2020.

THOMPSON, P. A voz do passado. Tradução de Lólio Lourenço de Oliveira. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1992.

TRIGUERO, I. M. Gamificación y tecnologías como recursos y estrategias innovadores para la enseñanza y aprendizaje de la historia. Educação & Formação, Fortaleza, v. 3, n. 2, p. 3-16, 2018. Disponível em: https://revistas.uece.br/index.php/redufor/article/view/267 Acesso em: 30 mar. 2020.

TURATO, E. R. Tratado da metodologia da pesquisa clínico-qualitativa. Petrópolis-RJ: Editora Vozes, 2003.

VASCONCELOS, J. G.; FIALHO, L.; LOPES, T. M. Educación y libertad en Rousseau. Educação & Formação, Fortaleza, v. 3, n. 2, p. 210-223, 2018. Disponível em: https://revistas.uece.br/index.php/redufor/article/view/278 Acesso em: 30 mar. 2020.

Publicado

2020-04-30

Como Citar

FIALHO, L. M. F.; BRAGA JUNIOR, V. R. de S.; MONTE, R. S.; BRANDENBURG, C. O uso da história oral na narrativa da história da educação no Ceará. Práticas Educativas, Memórias e Oralidades - Rev. Pemo, [S. l.], v. 2, n. 1, p. 1–13, 2020. DOI: 10.47149/pemo.v2i1.3505. Disponível em: https://revistas.uece.br/index.php/revpemo/article/view/3505. Acesso em: 26 jul. 2021.