Os conceitos de concepção, percepção, representação e crença no campo educacional: similaridades, diferenças e implicações para a pesquisa

Autores

  • Daniel Abud Seabra Matos Universidade Federal de Ouro Preto
  • José Rubens Lima Jardilino Universidade Federal de Ouro Preto

DOI:

https://doi.org/10.25053/edufor.v1i3.1893

Palavras-chave:

Pesquisa educacional, Conceitos, Divulgação científica

Resumo

Nas pesquisas sobre “o que pensam” alunos, professores e atores educacionais, há uma enorme variedade de termos que se utiliza para referir-se às representações mentais. Essa diversidade acaba dificultando a compreensão de pesquisas da área educacional e seu arcabouço teórico- -conceitual. Há muitos estudos na literatura educacional que não definem claramente os conceitos utilizados. O objetivo deste artigo é realizar uma análise sobre os conceitos de concepção, percepção, representação e crença. As fontes utilizadas foram artigos, livros e dicionários especializados. Conclui-se que os referidos termos utilizados (concepção, percepção, representação e crença) têm como objetivo chegar a um mesmo resultado: informar a maneira como as pessoas percebem, avaliam e agem com relação ao fenômeno pesquisado. Assume-se que há necessidade de uma constante vigilância epistemológica e de um acordo mínimo entre os pares sobre o significado desses conceitos. Tratá-los como sinônimos incidirá em uma série de equívocos na divulgação dos resultados das pesquisas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ARNOLD, W.; EYSENCK, J.; MEILI, B. Dicionário de Psicologia. São Paulo: Loyola, 1982.

BLACKBURN, S. Dicionário Oxford de Filosofia. Rio de Janeiro: Zahar, 1997.

BROWN, G. T. L. Conceptions of assessment: understanding what assessment means to teachers and students. New York: Nova Science, 2008.

DAVIDOFF, L. L. Introdução à Psicologia. São Paulo: McGraw-Hill do Brasil, 1983.

DUROZOI, G.; ROUSSEL, A. Dicionário de Filosofia. Campinas: Papirus, 1996.

FRANCO, M. A. S. Pedagogia como Ciência da Educação. Campinas: Papirus, 2013.

JODELET, D. (Org.). As representações sociais. Paris. PUF, 1989; Rio de Janeiro: UFRJ, 1993.

LIB NEO, J. C. Pedagogia e pedagogos: inquietações e buscas. Educar, Curitiba, n. 17, p. 153-176, 2001.

LIB NEO, J. C. Que destino os educadores darão à Pedagogia? In: PIMENTA, S. G. (Org.). Pedagogia, ciência da educação? São Paulo: Cortez, 1996. p. 107-134.

MAZZOTTI, T. Estatuto de cientificidade da Pedagogia. In: PIMENTA, S. G. (Org.). Pedagogia, ciência da educação? São Paulo: Cortez, 1996. p. 13-37.

PERDIGÃO, A. L. R. V. Concepções pessoais de futuros professores sobre processos de aprendizagem e de ensino. In: REALI, A. M. M. R.; MIZUKAMI, M. G. N. (Org.). Formação de professores: práticas pedagógicas e escola. São Carlos: UFSCar, 2002. p. 265-291.

PIÉRON, H. Dicionário de Psicologia. Porto Alegre: Globo, 1977.

PIMENTA, S. G. Pedagogia, ciência da educação? São Paulo: Cortez, 1996.

RUSS, J. Dicionário de Filosofia. São Paulo: Scipione, 1994.

SAVIANI, D. A pedagogia no Brasil. História e Teoria. Campinas: Autores Associados, 2008.

SAVIANI, D. História das idéias pedagógicas no Brasil. Campinas: Autores Associados, 2007a.

SAVIANI, D. Pedagogia: o espaço da educação na universidade. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, v. 37, n. 130, p. 99-134, 2007b.

WHITE, R. T. Conceptual and conceptional change. Learning and Instruction, Oxford, v. 4, p. 117-121, 1994.

Downloads

Publicado

2016-09-01

Como Citar

MATOS, D. A. S.; JARDILINO, J. R. L. Os conceitos de concepção, percepção, representação e crença no campo educacional: similaridades, diferenças e implicações para a pesquisa. Educ. Form., [S. l.], v. 1, n. 3, p. 20–31, 2016. DOI: 10.25053/edufor.v1i3.1893. Disponível em: https://revistas.uece.br/index.php/redufor/article/view/111. Acesso em: 24 set. 2021.