Desenvolvimento profissional docente: Reflexões sobre politica pública de formação de professores

Palavras-chave: Desenvolvimento Profissional Docente; Formação de Professores, Política Educacional; Plano Nacional de Educação.

Resumo

O presente artigo tem como objetivo discutir sobre o Desenvolvimento Profissional Docente (DPD) frente à política pública do Plano Nacional de Educação (Lei13.005/2014). O texto examina conceitos, construídos porpesquisadores ibéricos (Garcia, 1999, 2009; Imbernón, 2004; Nóvoa, 1991, 2002, 2008) e nacionais (Almeida, 2000; André, 1999,2017; Gatti, 2017; Jardilino,2016; Oliveira, 2012; Ponte, 1998) sobre o DPD e empreende esforços analíticos em torno das metas do PNE (2014-2024), que dialogam com o desenvolvimento profissional dos professores.As reflexões apresentadas ocorreram em torno de estudos e pesquisas realizadas pelo FOPROFI – Grupo Formação e Profissão Docente e de pesquisa realizada em rede, que articulou experiências e estudos de grupos de pesquisa de três Universidades Públicas: Universidade do Estado do Ceará (UECE); Universidade Federal de Ouro Preto (UFOP) e Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP). As análises apresentadas envolvem os resultados de entrevistas semiestruturadas, realizadas com noventa professores supervisores do PIBID da rede municipal e estadual de ensino nos estados de Minas Gerais, São Paulo e Ceará. Conclui, apontando as lacunas deixadas para o cumprimento das metas, a falta de articulaçãoentre os entes federados, responsáveis pela implementaçãodo plano e a necessidade da comunidade acadêmica e profissional de professores aprofundarem os estudos e a compreensão sobre os programas e as políticas de DPD, sobretudo, em relação aos pressupostos e concepções que as sustentam.  

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ALMEIDA, M. I. Desenvolvimento profissional docente: uma atribuição que também é do sindicato. In: REUNIÃO ANUAL DA ANPED, 23., 2000, Caxambu. Anais...Caxambu: Anped, 2000.

ANDRÉ, M. I. Políticas e programas de apoio aos professores iniciantes no Brasil. Cadernos de Pesquisa,São Paulo, v. 42, n. 145, p. 112-129, 2012.

ANDRÉ, M. I.et al. Estado da arte da formação de professores no Brasil. Educação & Sociedade, Campinas, n.68, p. 301-309, 1999.

BRASIL. Censo Escolar.Brasília, DF: MEC, 2012.BRASIL. Constituição de 1988. Constituição da República Federativa do Brasil. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, DF, 5 out. 1988.

BRASIL. Lei n. 8.112, de 11 de dezembro de 1990. Dispõe sobre o regime jurídico dos servidores públicos civis da União, das autarquias e das fundações públicas federais. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, DF, de 12 dez. 1990.BRASIL. Lei n.9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, DF, 21 dez. 1996.

BRASIL. Lei n.11.738, de 16 de julho de 2008. Regulamenta a alínea “e” do inciso III do caput do art. 60 do Ato das Disposições Constitucionais Transitórias, para instituir o piso salarial profissional nacional para os profissionais do magistério público da educação básica. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, DF, 17 jul. 2008.

BRASIL. Lei n.13.005, de 25 junho de 2014. Aprova o Plano Nacional de Educação –PNE e dá outras providências. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, DF, 26 jun. 2014.

CURY, C. R. J. A educação básica no Brasil. Educação &Sociedade, Campinas, v. 23, n.80, p. 168-200, 2002.

CURY, C. R. J. Por um Novo Plano Nacional de Educação. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, v. 41, n. 144, p. 792-813, 2011.

GARCÍA, C. M. Desenvolvimento profissional: passado e futuro. Sísifo:Revista das Ciências da Educação, Lisboa, n. 8, p. 7-22, 2009.GARCÍA, C. M. Formação de professores para uma mudança educativa. Porto: Porto, 1999.

GATTI, B.A. Análise das políticas públicas para formação continuada no Brasil na última década. Revista Brasileira de Educação,Rio de Janeiro, v. 13,n.37, p. 57-70,2008.

GATTI, B.A.;BARRETO, E. S.; ANDRÉ, M. E. D. A. Políticas docentes no Brasil: um estado da arte. Brasília, DF: Unesco, 2011.

IMBERNÓN, F. Formação docente e profissional: formar-se para a mudança e a incerteza. 4.ed. São Paulo: Cortez, 2004.

IMBERNÓN, F. Formação permanente do professorado: novas tendências. São Paulo: Cortez, 2009.

JARDILINO, J. R. L.; FARIAS, I. M. S.; OLIVEIRA, A. M. R. Desenvolvimento profissional de professores da educação básica nos planos municipais de educação: um caso na Região dos Inconfidentes, MG. Revista Educação e Cultura Contemporânea, Rio de Janeiro, v. 13,n. 33, p. 161-180, 2016.

NÓVOA, A. Formação de professores e trabalho pedagógico. Lisboa: Educa, 2002.

NÓVOA, A. O regresso dos professores. Lisboa: Ministério de Educação, 2008.

NÓVOA, A. Para o estudo sócio-histórico da gênese e desenvolvimento da profissão docente. Teoria & Educação,Porto Alegre, n.4, p. 109-139, 1991.

OLIVEIRA, D. A. Políticas de formação e desenvolvimento profissional docente: da intenção às práticas. In: LEITE, Y. U. F. et al. (Org.). Políticas de formação inicial e continuada de professores. Araraquara: Junqueira & Marin, 2012.p. 33-53.

PONTE, J. P.Da formação ao desenvolvimento profissional. In: PROFMAT. Actas. Lisboa: Associação dos Professores de Matemática, 1998.p. 27-44.

SAVIANI, D. Sistema Nacional de Educação e Plano Nacional de Educação. Campinas:Autores Associados, 2014.

Publicado
2019-01-09
Como Citar
JARDILINO, J. R.; SAMPAIO, A. M. Desenvolvimento profissional docente: Reflexões sobre politica pública de formação de professores. Educação & Formação, v. 4, n. 1, p. 180-194, 9 jan. 2019.