Fundamentos epistemológicos do Movimento Santa Catarina pela Educação: desvelando os pressupostos da formação para o século XXI

Autores

DOI:

https://doi.org/10.25053/redufor.v8.e9153

Palavras-chave:

Santa Catarina pela Educação, Mercado, Competência, Neurociência

Resumo

O estudo, de natureza documental e bibliográfica, vincula-se à discussão entre Políticas Educacionais e Formação Docente. Busca conhecer os fundamentos epistemológicos do Movimento Santa Catarina pela Educação, que congrega um conjunto de ações sob a liderança das principais associações empresariais catarinenses. Aborda o alicerce filosófico-científico que dá sustentação ao movimento. Para captar sua base epistemológica, utiliza como metodologia a seleção e análise (ancorada no método dialético) dos principais materiais disponibilizados no site do movimento até o ano de 2021. As categorias que emergem da pesquisa são: Sociedade da Informação e do Conhecimento, Teoria do Capital Humano, Competência e Neurociência. Conclui-se que a formação educativa no âmbito do movimento é emblemática para adequar a sociedade aos novos parâmetros civilizatórios. Nesse contexto, a educação submetida ao mercado adquire centralidade no que se refere à escolarização no século XXI, especialmente para a adaptação de indivíduos ajustados ao mundo do trabalho flexível.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Fabrício Spricigo, Instituto Federal de Santa Catarina

Doutor em Educação (Políticas Educacionais, Ensino e Formação) pela Universidade do Estado de Santa Catarina (UDESC).  Pedagogo no Instituto Federal de Santa Catarina. Licenciado em Letras Português. É membro da Associação Nacional de Pesquisa e Pós-graduação em Educação (ANPED). Integrante do Laboratório e Grupo de Pesquisa Nape/Udesc/CNPq.

Lourival José Martins Filho, Universidade do Estado de Santa Catarina

Professor Titular na Universidade do Estado de Santa Catarina. Estágio Pós-Doutoral em Educação e Humanidades (PUC/PR). Doutor em Teologia: Educação e Religião. Editor-Chefe da Revista Linhas/UDESC. Presidente da Associação Brasileira de Alfabetização (ABAlf). Bolsista de produtividade em pesquisa do CNPQ – Nível 2.

Referências

AGUIAR, L. C. Um legado do século XX para a política educacional do século XXI: a teoria do capital humano. Revista Histedbr, Campinas, v. 10, n. 40, p. 126-144, 2012. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/histedbr/article/view/8639810. Acesso em: 9 mar. 2021. DOI: https://doi.org/10.20396/rho.v10i40.8639810

ANPED. Uma formação formatada. Rio de Janeiro: Anped, 2019. Disponível em: https://anped.org.br/news/posicao-da-anped-sobre-texto-referencia-dcn-e-bncc-para-formacao-inicial-e-continuada-de. Acesso em: 16 jul. 2021.

BARTOSZECK, A. B. Alfabetização científica em Neurociências: a concepção que o aluno do ensino médio tem sobre o cérebro humano. Parana Journal of Sciences and Education, Curitiba, v. 4, p. 33-48, 2018.

BEAR, M. F. Neurociências: desvendando o sistema nervoso. 4. ed. Porto Alegre: Artmed, 2017.

CHAUÍ, M. S. O que é ideologia?. 2. ed. São Paulo: Brasiliense, 2008.

CONSENZA, R. M.; GUERRA, L. B. Neurociência e educação: como o cérebro aprende. Porto Alegre: Artmed, 2011.

CÔRTE, G. J. Reflexões para a educação que o Brasil precisa. Florianópolis: Dois por Quatro, 2018.

EDUCAÇÃO: Boas Práticas na Indústria Catarinense. Florianópolis: Fiesc, v. 2, fev. 2015. Anual. Disponível em: https://aindustriapelaeducacao.fiesc.com.br/fmanager/senaimov/arquivos/arquivo25_1.pdf. Acesso em: 18 ago. 2020.

FERRERES, A. R.; ABUSAMRA, N. C. V. Cérebro, desenvolvimento e educação. In: CASTORINA, J. A.; CARRETERO, M. (org.). Desenvolvimento cognitivo e educação: os inícios do conhecimento. Porto Alegre: Penso, 2014. p. 105-126.

FIESC. Movimento A Indústria pela Educação. Florianópolis: Fiesc, 2013.

FIESC. Movimento Santa Catarina pela Educação: mobilização, articulação, influência – por uma agenda comum pela educação para o mundo do trabalho. Florianópolis: Fiesc, 2018.

FRERES, H. A. A emergência do conhecimento como paradigma econômico e produtivo no contexto de crise do capital: um estudo à luz da centralidade ontológica do trabalho. 2013. Tese (Doutorado em Educação) – Programa de Pós-Graduação em Educação Brasileira, Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, 2013.

FRIGOTTO, G. A produtividade da escola improdutiva 30 anos depois: regressão social e hegemonia às avessas. Revista Trabalho Necessário, Niterói, v. 13, n. 20, p. 206-233, 2015. Disponível em: https://periodicos.uff.br/trabalhonecessario/article/view/8619. Acesso em: 9 mar. 2021. DOI: https://doi.org/10.22409/tn.13i20.p8619

GONÇALVES SOUZA, E. Sociedade da informação e reestruturação produtiva: crítica à dimensão utilitarista do conhecimento. Transinformação, Campinas, v. 23, n. 3, p. 219-226, 2011. Disponível em: http://www.redalyc.org/articulo.oa?id=384334888004. Acesso em: 2 mar. 2021. DOI: https://doi.org/10.1590/S0103-37862011000300004

GUIMARÃES DE CASTRO, M. H. Política Nacional de Formação de Professores. In: SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE EDUCAÇÃO, 5., 2017, Florianópolis. Apresentação [...]. Florianópolis: 2017. 21 slides, color. Disponível em: http://santacatarinapelaeducacao.com.br/fmanager/senaimov/arquivos/arquivo133_1.pdf. Acesso em: 20 jul. 2020.

KYLLÖNEN, M. The Future School: how to prepare our children with 21st century competencies?. Helsinki, 2017. 30 slides, color. Disponível em: http://santacatarinapelaeducacao.com.br/fmanager/senaimov/arquivos/arquivo130_1.pdf. Acesso em: 20 jul. 2020.

LEMOS, S. D. Profissionalização docente nas escolas públicas do estado de Tocantins: novo contexto de ensino e aprendizagem pelas tecnologias digitais. Revista Observatório, Palmas, v. 2, n. 4, p. 394-418, 2016. DOI https://doi.org/10.20873/uft.2447- 4266.2016v2Especial2p394. DOI: https://doi.org/10.20873/uft.2447-4266.2016v2Especial2p394

LENT, R. Ciência para educação: uma janela de oportunidades para o Brasil. In: SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE EDUCAÇÃO, 4., 2016, Florianópolis. Anais [...]. Florianópolis, 2016. 62 slides, color. Disponível em: http://santacatarinapelaeducacao.com.br/fmanager/senaimov/arquivos/arquivo84_1.pdf. Acesso em: 20 ago. 2020.

LIM, S.-S. Advances in Neuroscience and Building a Global, Interdisciplinary Science of Learning. In: SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE EDUCAÇÃO, 4., 2016, Florianópolis. Anais [...]. Florianópolis, 2016. 27 slides, color. Disponível em: http://santacatarinapelaeducacao.com.br/fmanager/senaimov/arquivos/arquivo85_1.pdf. Acesso em: 24 ago. 2020.

LOUZADA, F. M. Sono, desenvolvimento cognitivo e a escola ideal. In: SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE EDUCAÇÃO, 4., 2016, Florianópolis. Anais [...]. Florianópolis, 2016. 47 slides, color. Disponível em: http://santacatarinapelaeducacao.com.br/fmanager/senaimov/arquivos/arquivo81_1.pdf. Acesso em: 21 ago. 2020.

MARTINI, R. Sociedade da informação: para onde vamos. São Paulo: Trevisan, 2017.

MATTOSINHO, L. S. Formação X Informação: a ideologia da sociedade do conhecimento e suas consequências no ensino público. 2017. Dissertação (Mestrado em Mídia e Tecnologia) – Programa de Pós-Graduação em Mídia e Tecnologia, Universidade Estadual Paulista, Bauru, 2017.

MORATO, A. N. O modelo da competência e a educação do trabalhador: uma análise à luz da ontologia marxiana. 2005. Dissertação (Mestrado em Educação) – Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade Federal de Alagoas, Maceió, 2005.

MOVIMENTO Santa Catarina pela Educação reúne especialistas internacionais na FIESC. Florianópolis: Record News, 2016. Entrevista ao Programa Educação e Cidadania News. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=axubFK1NBSA&list=LL&index=31. Acesso em: 24 nov. 2020.

OCDE. Entendendo o cérebro: rumo à nova Ciência do Aprendizado. Sumário executivo. Paris: OECD, 2002. DOI https://doi.org/10.1787/9789264174986-en. DOI: https://doi.org/10.1787/9789264174986-en

OLIVEIRA, R. A teoria do capital humano e a educação profissional brasileira. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 27, n. 1, p. 26-37, 2001. Disponível em: https://www.bts.senac.br/bts/article/view/560. Acesso em: 9 mar. 2021.

PÉREZ GÓMEZ, A. I. Competências ou pensamento prático? A construção dos significados de representação e de ação. In: SACRISTÁN, J. G. et al. (org.). Educar por competências: o que há de novo. Porto Alegre: Artmed, 2011. p. 64-114.

PERRENOUD, P. Desenvolver competências ou ensinar saberes?: a escola que prepara para a vida. Porto Alegre: Penso, 2013.

RAMOS, M. N. Educação brasileira: uma agenda inadiável. São Paulo: Santillana, 2015.

RYYMIN, E. Teacher Education and Co-operation with Enterprises and industries: educational experiences in Finland. In: SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE EDUCAÇÃO, 3., 2015, Florianópolis. Apresentação [...]. Florianópolis, 2015. 42 slides, color. Disponível em: http://santacatarinapelaeducacao.com.br/fmanager/senaimov/arquivos/arquivo33_1.pdf. Acesso em: 21 ago. 2020.

SACRISTÁN, J. G. et al. Educar por competências: o que há de novo. Porto Alegre: Artmed, 2011.

SILVA, F. O.; SOUZA, G. F. R. Formação permanente de professores no cotidiano escolar: o real e o possível. Educação & Formação, Fortaleza, v. 7, p. e8002, 2022. Disponível em: https://revistas.uece.br/index.php/redufor/article/view/8002. Acesso em: 20 fev. 2023. DOI: https://doi.org/10.25053/redufor.v7.e8002

ZABALA, A.; ARNAU, L. Métodos para ensinar competências. Porto Alegre: Penso, 2020.

Publicado

2023-03-28

Como Citar

SPRICIGO, F.; MARTINS FILHO, L. J. Fundamentos epistemológicos do Movimento Santa Catarina pela Educação: desvelando os pressupostos da formação para o século XXI. Educ. Form., [S. l.], v. 8, p. e9153, 2023. DOI: 10.25053/redufor.v8.e9153. Disponível em: https://revistas.uece.br/index.php/redufor/article/view/9153. Acesso em: 24 jun. 2024.