Formação de professor e profissionalismo: Reflexões acerca da avaliação externa

Palavras-chave: Profissionalismo. Avaliação Externa. Atividades Curriculares

Resumo

O objetivo deste estudo é analisar o posicionamento dos docentes de duas Escolas Públicas dos municípios de Fortaleza e de Maracanaú-CE sobre as implicações daProva-Brasil/IDEB no currículo escolar e no profissionalismo do professor. Trata-se de uma abordagem qualitativa cujo método selecionado consistiu emestudo de caso.O cenário foram duas EscolasPúblicas localizadas no Estado do Ceará.Os sujeitos foramoito professoras do 5° ano do Ensino Fundamental. Para coleta dos dados,realizou-se uma entrevista com os envolvidos. Para análise dos dados, dispomos da análise temática de Minayo. Como principais resultados dialogados, apontamos que a avaliação externa Prova-Brasil/IDEBapresenta-se como dispositivo que induz a um currículo prescrito e reducionista, comprometendo a autonomia eo profissionalismo do professor e ainda subordinando a qualidade da educação ao rendimento do aluno.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

BONFIM, M. I. R. M. A regulação do trabalho docente na Educação Básica: as prescrições dos organismos internacionais nos anos 2000. In: REUNIÃO ANUAL DA ANPEd, 33., 2010, Caxambu. Anais... Caxambu: ANPEd, 2010. p. 1-5.

BRASIL. Lei n. 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, DF, 21 dez. 1996.

BRASIL. Plano de Desenvolvimento da Educação/PDE. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/dmdocuments/saeb_matriz2.pdf. Acesso em: 16 de out. 2017.

BRASIL. Portaria n. 69, de 4 de maio de 2005. Dispõe sobre a composição das Comissões Multidisciplinares de Avaliação de Cursos e sua sistemática de atuação. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, DF, 5 maio 2005.

BRASIL. Provinha Brasil. Disponível em: http://inep.gov.br/provinha-brasil. Acesso em: 8 de jun. 2017.

BRASIL. Resolução n.466, de 12 de dezembro de 2012. Diretrizes e normas regulamentadoras de pesquisas em seres humanos. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, DF, 13 dez. 2012.

BRASIL. Saeb-Prova Brasil 2011. Avaliação do rendimento escolar. Questionário do professor. Brasília, DF: MEC, 2011. Disponível em: http://download.inep.gov.br/educacao_basica/prova_brasil_saeb/questionarios/2013/questionario_professor.pdf. Acesso em: 23 ago. 2015.

CONTRERAS, J. Autonomia deprofessores. São Paulo: Cortez, 2002. CORREIA, J. A.; MATOS, M. Solidões e solidariedades nos quotidianos dos professores.Portugal: ASA, 2002.

DALBEN, Â. I. L. F. Avaliação sistêmica. Revista Presença Pedagógica,Belo Horizonte, v. 11, n. 65, p. 74-80, 2005.

FERNANDES, P.; FIGUEIREDO, C.; LEITE, C. Avaliação externa de escolas:do discurso às práticas: uma análise focada em Portugal e em Inglaterra. Revista Meta: Avaliação, Rio de Janeiro, v. 9, n. 25, p.1-31, 2017.

FOUCAULT, M. A ordem do discurso: aula inaugural no Collége de France,pronunciada em 2 de dezembro de 1970. 23. ed. São Paulo: Loyola, 2013.FREIRE, P. Ação cultural para a liberdade. 5. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1981.

FREITAS, L. C.Qualidade negociada: avaliação e contrarregulação na escola pública. Educação & Sociedade, Campinas, v. 26, n. 92, p. 911-933, 2005.

GAUTHIER, C. et al. Por uma teoria da pedagogia: pesquisas contemporâneas sobre os saberes docentes. Ijuí: Unijuí, 1998.

IMBERNÓN, F. Formação docente e profissional: formar-se para a mudança e a incerteza. São Paulo. 9. ed. Cortez, 2010.

LARROSA, J. Tremores: escritos sobre experiência. Belo Horizonte: Autêntica, 2015.

MENEGÃO, R. C. S. G. Os impactos da avaliação em larga escala nos currículos escolares. Práxis Educativa, Ponta Grossa, v. 11, n. 3, p. 641-656, 2016.

MINAYO, M. C. S. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. 11. ed. São Paulo: Hucitec, 2008.

PASSONE, E. F. K. Notas psicanalíticas: os discursos contemporâneos acerca da avaliação educacional no Brasil. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 41, n. 1, p. 185-201, 2015.

SACRISTÁN, J. G. O currículo: uma reflexão sobre a prática. 3. ed. Porto Alegre: Artmed, 2000.

SACRISTÁN, J.G. Poderes instáveis em educação.Porto Alegre: Artes Médicas Sul, 1999.

SAVIANI, D. O ensino de resultados. Folha de S. Paulo, São Paulo, 29 abr. 2007.

TARDIF, M. Saberes docentes e formação profissional. 17. ed. Petrópolis: Vozes, 2014.

THERRIEN, J. Parâmetros de pesquisa científica do pesquisador de sua práxis docente –articulando didática e epistemologia da prática. In: ENDIPE, 17., 2014, Fortaleza. Anais... Fortaleza: UECE, 2014.YIN, R. K. Estudo de caso: planejamento e métodos. 4. ed. Porto Alegre: Bookman, 2010.

Publicado
2019-05-01
Como Citar
SANTOS, M. A.; FERREIRA, H.; SIMÕES, L. Formação de professor e profissionalismo: Reflexões acerca da avaliação externa. Educação & Formação, v. 4, n. 2, p. 161-178, 1 maio 2019.

##plugins.generic.recommendByAuthor.heading##