Cultura escolar nas classes experimentais secundárias do Colégio Santa Cruz pelas memórias do ex-aluno Henrique Lindberg Neto (1959-1962)

Autores

DOI:

https://doi.org/10.25053/redufor.v7.e7464

Palavras-chave:

Pedagogia personalizada e comunitária, Memória, Classes secundárias experimentais, Colégio Santa Cruz

Resumo

O Colégio Santa Cruz integrou o movimento das classes secundárias experimentais, ocorrido na educação brasileira a partir do final da década de 1950. Para tanto, este colégio católico e masculino, localizado na cidade de São Paulo, apropriou-se, a partir de 1959, da Pedagogia Personalizada e Comunitária proposta por Pierre Faure. Colocando o foco sobre duas práticas dessa pedagogia, quais sejam: a organização do espaço e do tempo escolares e o ensino realizado através do estudo dirigido e do uso de fichas de trabalho, este estudo procura compreender a importância dessas inovações na vida escolar daqueles que fizeram parte da classe secundária experimental do Colégio Santa Cruz. A principal fonte sobre tais práticas escolares é a entrevista concedida pelo ex-aluno do curso ginasial Henrique Lindberg Neto. Assim, a classe experimental no Colégio Santa Cruz contribuiu para dar aos alunos mais autonomia, afastando-se do tradicionalismo pedagógico dominante no ensino secundário brasileiro.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ana Carolina Ebling Sigismondi Bauer, Universidade do Estado de Santa Catarina

Graduada em Administração Hoteleira pela Faculdade de Tecnologia Hebraico Brasileira Renascença (1999). Cursando segunda graduação em Pedagogia pela Universidade Estadual de Santa Catarina (UDESC) (2022). Bolsista Iniciação Científica - CNPq - História da Educação (2019-atual).

Rosalu Ribeiro Barra Feital Nogueira, Universidade do Estado de Santa Catarina

Mestre em Educação pela Universidade Federal do Acre – UFAC. Professora na função Tutorial do
Departamento de Educação a Distância da Universidade Estadual de Santa Catarina – UDESC.

Norberto Dallabrida, Universidade de Estado de Santa Catarina

Doutor em História Social pela Universidade de São Paulo. Professor no Programa de Pós- Graduação em Educação da Universidade de Estado de Santa Catarina – UDESC. Pesquisador PQ 1-D do CNPq.

Referências

ABREU, J.; CUNHA, N. Classes secundárias experimentais: balanço de uma experiência. Revista Brasileira de Estudos Pedagógicos, Rio de Janeiro, v. 40, n. 91, p. p. 90-151, 1963.

BRASIL. Lei nº 4.024, de 20 de dezembro de 1961. Fixa as Diretrizes e as Bases para o Ensino de 1º e 2º graus, e dá outras providências. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, DF, 27 dez. 1961.

CHARTIER, R. A história cultural: entre práticas e representações. Lisboa: Difel, 1990.CHARTIER, R. VI. Textos, impressões, leituras. In: HUNT, L.(org.). A nova história cultural. São Paulo: Martins Fontes, 1992. p.211-238.

DALLABRIDA, N. As classes secundárias experimentais uma tradição escolar (quase) esquecida. Revista Brasileira de História da Educação,Maringá, v.17, n.3, p.196-218, 2017.

DALLABRIDA, N. Circulação e apropriação da pedagogia personalizada e comunitária no Brasil (1959-1969). Educação Unisinos,São Leopoldo, v.22, n.3, p. 297-304, 2018.

DALLABRIDA, N.; UNGLAUB, T.R.R.; COSTA, M.S.C. Olga Bechara ́s pratices in the secondary experimental. Educação & Formação,Fortaleza, v.5, n.13, p.132-150, 2020.

FARIA FILHO, L.M.; VIDAL, D.G. Os tempos e os espaços escolares no processo de institucionalização da escola primária no Brasil.Revista Brasileira de Educação, Rio de Janeiro, n. 14, p. 19-34, 2000.

KLEIN, L.F. Educação personalizada:desafios e perspectivas. São Paulo: Loyola, 1998.

KLEIN, L.F. Pedagogia inaciana:sua origem espiritual e configuração personalizada. In: ENCONTRO DE DIRETORES ACADÊMICOS DE COLÉGIOS JESUÍTAS DA AMÉRICA LATINA, 2., 2014,Quito. Anais[...]. Quito:2014. p. 1-21.

LE GOFF, J. História e memória. Tradução: Bernardo Leitão et al.5. ed. Campinas: Unicamp, 2003.

LINDBERG NETO, H. Entrevista concedida a Norberto Dallabrida. São Paulo, 13 out. 2016.

PRADO, J. A. A. Entrevista concedida a Norberto Dallabrida. São Paulo, 14 out. 2016.

SCHREIBER, S. Cultura escolar no curso ginasial experimental do Colégio Santa Cruz (1959-1962). Florianópolis, 2016.

VIEIRA, L. Um núcleo pioneiro da renovação da educação secundária brasileira: as primeiras classes experimentais do estado de São Paulo (1951-1964). 2015. Dissertação (Mestradoem Educação)–Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade do Estado de Santa Catarina, Florianópolis,2015.

VIÑAO FRAGO, A. Espacio y tiempo, educación e historia. Morelia: Instituto Michoacano de Ciencias de la Educación José María Morelos, 1996.

Publicado

2022-04-11

Como Citar

BAUER, A. C. E. S.; NOGUEIRA, R. R. B. F.; DALLABRIDA, N. Cultura escolar nas classes experimentais secundárias do Colégio Santa Cruz pelas memórias do ex-aluno Henrique Lindberg Neto (1959-1962). Educ. Form., [S. l.], v. 7, p. e7464, 2022. DOI: 10.25053/redufor.v7.e7464. Disponível em: https://revistas.uece.br/index.php/redufor/article/view/7464. Acesso em: 16 maio. 2022.