Representações sociais de licenciandos acerca da Prática como Componente Curricular na formação docente

Autores

DOI:

https://doi.org/10.25053/redufor.v7.e7462

Palavras-chave:

Ensino de Ciências, Formação de Professores, Prática Docente

Resumo

O texto investiga as representações sociais de acadêmicos do curso de Licenciatura em Ciências Biológicas acerca das atividades integradoras (AI), desenvolvidas em disciplinas de prática como componente curricular. O referencial teórico é a Teoria das Representações Sociais de Moscovici (2012) e colaboradores. A coleta de dados foi realizada mediante a aplicação de um questionário para 99 acadêmicos. As informações foram analisadas com o auxílio do software EVOC e com os pressupostos da análise de conteúdo (BARDIN, 2004). Os resultados apontam uma representação social ambivalente. Ao mesmo tempo em que os acadêmicos reconhecem a importância das AI para a sua formação e aperfeiçoamento profissional eles expressam atitudes e imagens negativas frente a forma como elas são construídas e organizadas durante o curso.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Viviane Terezinha Koga, Universidade Estadual de Ponta Grossa

Doutora em Educação pela Universidade Estadual de Ponta Grossa. Professora na mesma universidade, na disciplina de Estágio Curricular Supervisionado. 

Franciele Aparecida Bobato, Universidade Estadual de Ponta Grossa

Licenciada em Ciências Biológicas pela Universidade Estadual de Ponta Grossa.

Referências

ABRIC, J. C. Abordagem estrutural das representações sociais: desenvolvimentos recentes. In: CAMPOS, P. H. F.; LOUREIRO, M. C. S. (org.). Representações sociais e práticas educativas. Goiânia: UCG, 2003. p. 37-57.

ABRIC, J. C. Les representations sociales: aspects théoriques. In: ABRIC, J. C. (ed.). Pratiques sociales et représentations. Paris: PUF, 1994. p. 11-35.

ALVES-MAZZOTTI, A. J. Representações sociais: aspectos teóricos e aplicações à educação. Revista Múltiplas Leituras, São Paulo, v. 1, n. 1, p. 18-43, 2008.

BARBOSA, A. T.; CASSIANI, S. Circulação de sentidos da prática como componente curricular na licenciatura em ciências biológicas. Educação & Formação, Fortaleza, v. 2, n. 4, p. 52-71, 2017.

BARDIN, L. Análise de conteúdo. 3. ed. Lisboa: 70, 2004.

BORGES, C. O professor de educação básica e seus saberes profissionais. Araraquara: JM, 2008.

BRANDALISE, M. A. T.; TROBIA, J. A prática como componente curricular na licenciatura em Matemática: múltiplos contextos, sujeitos e saberes. Educação Matemática Pesquisa, São Paulo, v. 13, n. 2, p. 337-357, 2011.

BRANDT, A. G.; HOBOLD, M. A prática como componente curricular na disciplina Pesquisa e Processos Educativos do curso de Pedagogia: um diferencial na relação entre pesquisa, teoria e prática. Educação & Formação, Fortaleza, v. 4, n. 11, p. 142-160, 2019.

BRASIL. Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação. Parecer CNE/CP n. 1, de 18 de fevereiro de 2002. Institui Diretrizes Curriculares Nacionais para a Formação de Professores de Educação Básica, em nível superior, curso de licenciatura, de graduação plena. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, DF, 9 abr. 2002.

BRASIL. Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação. Resolução CNE/CEB nº 2, de 1º de julho de 2015. Define as Diretrizes Curriculares Nacionais para a formação inicial em nível superior (cursos de licenciatura, cursos de formação pedagógica para graduados e cursos de segunda licenciatura) e para a formação continuada. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, DF, 2 jul. 2015.

BRASIL. Parecer CNE/CES nº 15, de 2 de fevereiro de 2005. Solicitação de esclarecimento sobre as Resoluções CNE/CP nº 1/2002 e nº 2/2002. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, DF, 13 maio 2005.

CANDAU, V. M.; LELIS, I. A. A relação teoria-prática na formação do educador. In: CANDAU, V. M. (org.). Rumo a uma nova didática. 9. ed. Petrópolis: Vozes, 1999. p. 56-72.

CARRAHER, D. W.; CARRAHER, T. N.; SCHLIEMANN, A. D. Caminhos e descaminhos no ensino de Ciências. Ciência e Cultura, São Paulo, v. 37, n. 6, p. 889-896, 1984.

CUNHA, M. I. O tema da formação de professores: trajetórias e tendências do campo na pesquisa e na ação. Revista Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 39, n. 3, p. 609-624, 2013.

DUTRA, E. F. Possibilidades para a articulação entre teoria e prática em cursos de licenciatura. 2010. Dissertação (Mestrado em Educação) – Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, 2010.

GATTI, B. A. A formação de professores no Brasil: características e problemas. Educação & Sociedade, Campinas, v. 31, n. 113, p. 1355-1379, 2010.

GATTI, B. A. Formação de professores: condições e problemas atuais. Revista Internacional de Formação de Professores, Itapetininga, v. 1, n. 2, p. 161-171, 2016.

GATTI, B. A.; BARRETTO, E. S. S.; ANDRÉ, M. E. A. Políticas docentes no Brasil: um Estado da Arte. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, v. 42 n. 145, p. 298-329, 2012.

GHIGLIONE, R.; MATALON, B. Como inquirir? Os questionários. In: GHIGLIONE, R.; MATALON, B. (org.). O inquérito: teoria e prática. Oeiras: Celta, 1993. p. 115-175.

GÓES, G. T.; CHAMMA, O. T. Arquitetura da prática: interação do saber-fazer nas licenciaturas. Ponta Grossa: UEPG, 2014.

INEP. Relatório Brasil no Pisa 2018. Versão preliminar. Brasília, DF: Inep/MEC, 2019.

JODELET, D. Imbricações entre representações sociais e intervenção. In: MOREIRA, A. S. P.; CAMARGO, B. V. (org.). Contribuições para a teoria e o método de estudo das representações sociais. João Pessoa: UFPB, 2007. p. 45-74.

JOVCHELOVITCH, S. Vivendo a vida com os outros: intersubjetividade, espaço público e Representações sociais. In: GUARESCHI, P.; JOVCHELOVITCH, S. (org.). Textos em representações sociais. 5. ed. Petrópolis: Vozes, 1999. p. 63-85.

MATTHEWS, M. História, filosofia e ensino de ciências: a tendência atual de reaproximação. Caderno Brasileiro de Ensino de Física, Florianópolis, v. 12, n. 3, p. 164-214, 1995.

MOSCOVICI, S. A psicanálise, sua imagem e seu público. Petrópolis: Vozes, 2012.

MOSCOVICI, S. Representações sociais: investigações em psicologia social. 11. ed. Petrópolis: Vozes, 2015.

NÓVOA, A. Os professores e sua formação. Lisboa: Dom Quixote, 1992.

ORLANDI, E. M. A prática pedagógica como componente curricular na formação de professores: a percepção de um grupo de graduandos do curso de Ciências Biológicas (diurno). 2015. Dissertação (Mestrado em Educação Científica e Tecnológica) – Programa de Pós-Graduação em Educação Científica e Tecnológica, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2015.

PAREDES, E. C. Ser professor. Cuiabá: UFMT, 2007.

SÁ, C. P. Núcleo Central das Representações Sociais. Petrópolis: Vozes, 1996.

SBPC. Os 20 maiores problemas a enfrentar para melhorar o ensino de ciências no Brasil. 2003. Disponível em: http://www.waltenomartins.com.br/ecn_atv01_jornal_da_ciencia.pdf. Acesso em: 4 abr. 2022.

SCHÖN, D. Formar professores como profissionais reflexivos. In: NÓVOA, A. (org.). Os professores e sua formação. Lisboa: Dom Quixote, 1992. p. 78-93.

SOUZA NETO, A.; SILVA, V. P. Prática como componente curricular: questões e reflexões. Revista Diálogo Educacional, Curitiba, v. 14, n. 43, p. 889-909, 2014.

TEDESCO, J. Presentación. In: OLIVEIRA, D. A. et al. Políticas educativas y territo¬rios: modelos de articulación entre niveles de gobierno. Buenos Aires: IIPE, 2010. p. 1-4.

VERGÈS, P. A evocação do dinheiro: um método para a definição do núcleo central de uma representação. In: MOREIRA, A.; CAMARGO, B.; JESUÍNO J. (org.). Perspectivas teórico-metodológicas em representações sociais. João Pessoa: UFPB, 2005. p. 471-488.

Publicado

2022-05-13

Como Citar

KOGA, V. T.; BOBATO, F. A. Representações sociais de licenciandos acerca da Prática como Componente Curricular na formação docente. Educ. Form., [S. l.], v. 7, p. e7462, 2022. DOI: 10.25053/redufor.v7.e7462. Disponível em: https://revistas.uece.br/index.php/redufor/article/view/7462. Acesso em: 16 maio. 2022.