Formação prática na Residência Pedagógica em tempos de pandemia

reflexões sobre contribuições e aperfeiçoamento

Autores

DOI:

https://doi.org/10.25053/redufor.v7.e7342

Palavras-chave:

Residência Pedagógica, Formação de Professores, Pandemia COVID-19, Prática Docente

Resumo

O Programa Residência Pedagógica (PRP) se apresenta nos últimos anos como uma iniciativa para contribuir com a formação inicial, principalmente promovendo a prática e o contato dos licenciandos com seu futuro local de trabalho e professores atuantes. No entanto, o grave cenário pandêmico causado pela COVID-19 influenciou o cenário educacional em proporções globais, e com isso a formação prática foi prejudicada. Entender como o Programa contribuiu com o desenvolvimento dos futuros docentes é essencial para avaliar e aprimorar o PRP, assim como auxiliar na formação dos graduandos envolvidos. Conclui-se que apesar dos obstáculos impostos, o PRP foi crucial para os residentes, pois o contato direto (mesmo que remoto) com os preceptores foi essencial para expandir seu “repertório de saberes” e se prepararem para o futuro. Outro ponto destacado foi a troca de experiências entre os pares, colaborando para a solução de problemas envolvendo aulas a distância e socialização de saberes.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Heitor Perrud Tardin, Universidade Estadual Paulista

Mestrando no Programa de Pós-Graduação de Ciências do Movimento pela Universidade Estadual Julio Mesquita Filho. Membro do grupo de pesquisa do Núcleo de Estudo e Pesquisa em Educação Física da Universidade Estadual Paulista. Professor eventual na Rede Estadual de São Paulo, docente contratado na Rede Municipal em Martinópolis - SP.

Luiz Rogério Romero, Universidade Estadual Paulista

Doutorado em Saúde Coletiva UNESP/Botucatu; Professor no Programa de Pós-graduação, Mestrado Profissional em Educação Física Escolar - PROEF em Rede Nacional. Professor Assistente Doutor junto ao Departamento de Educação Física da Faculdade de Ciências e Tecnologia - Universidade Estadual Paulista/UNESP - Campus de Presidente Prudente. Professor Coordenador do Programa Residência Pedagógica Educação Física/FCT - UNESP-CAPES; Vice-Coordenador do Curso de Educação Física FCT-UNESP. Linhas de pesquisa: Saúde Coletiva; Formação de professores; Educação Física; Voleibol; Atividades Aquáticas.

Referências

AROEIRA, K. P.; PIMENTA, S. G. (org.). Didática e estágio. Curitiba: Appris, 2018.

BRASIL. Base Nacional Comum Curricular. Brasília, DF: Ministério da Educação, 2018.

BRASIL. Projeto de Lei do Senado nº 227. Brasília, DF: Senado Federal, 2007.

CAPES. Edital 1: Programa de Residência Pedagógica. Brasília, DF: Ministério da Educação, 2020.

CAPES. Edital 6: chamada pública para apresentação de propostas no âmbito do Programa de Residência Pedagógica. 2018. Brasília, DF: Ministério da Educação, 2018.

CRESWELL, J. W. Investigação qualitativa e projeto de pesquisa: escolhendo entre cinco abordagens. 3. ed. Porto Alegre: Penso, 2014.

CYRINO, M.; SOUZA NETO, S. O estágio curricular supervisionado na experiência brasileira e internacional. Revista Educação em Questão, Natal, v. 48, n. 34, p. 86-115, 2014.

FARIA, J. B.; DINIZ-PEREIRA, J. E. Residência pedagógica: afinal, o que é isso?. Revista de Educação Pública, Cuiabá, v. 28, n. 68, p. 333-356, 2019.

FERNANDES, A. C.; GATTOLIN, S. R. B. Aprendendo a desaprender, e então a reaprender: uma reflexão sobre a formação de professores no contexto da pandemia da Covid-19. Revista Brasileira de Linguística Aplicada, Belo Horizonte, v. 21, n. 2, p. 521-546, 2021.

FRANCO, M. L. P. B. Análise de conteúdo. 5. ed. Campinas: Autores Associados, 2018.

FREIRE, P. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. 67. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2021.

GARIGLIO, J. A. Fazeres e saberes pedagógicos de professores de Educação Física. Ijuí: Unijuí, 2013.

GATTI, B. A. Possível reconfiguração dos modelos educacionais pós-pandemia. Estudos Avançados, São Paulo, v. 34, n. 100, p. 29-41, 2020.

GAUTHIER, C. et al. Por uma Teoria da Pedagogia: pesquisas contemporâneas sobre o saber docente. 3. ed. Ijuí: Unijuí, 2013.

GUEDES, M. Q. A nova política de formação de professores no Brasil: enquadramentos da Base Nacional Comum Curricular e do Programa de Residência Pedagógica. Da Investigação às Práticas: Estudos de Natureza Educacional, Lisboa, v. 9, n. 1, p. 90-99, 2019.

IMBERNÓN, F. Formação docente e profissional: formar-se para a mudança e a incerteza. 3. ed. São Paulo: Cortez, 2002.

MARCONI, M. A.; LAKATOS, E. M. Técnicas de pesquisa. 8. ed. São Paulo: Atlas, 2021.

MICHETTI, M. Entre a legitimação e a crítica: as disputas acerca da Base Nacional Comum Curricular. Revista Brasileira de Ciências Sociais, São Paulo, v. 35, n. 102, p. 1-19, 2020.

MINAYO, M. C. S.; DESLANDES, S. F. Caminhos do pensamento: epistemologia e método. Rio de Janeiro: Fiocruz, 2008.

NEIRA, M. G. Incoerências e inconsistências da BNCC de Educação Física. Revista Brasileira de Ciências do Esporte, São Paulo, v. 40, n. 3, p. 215-223, 2018.

NÓVOA, A. Educação 2021: para uma história do futuro. Educação, Sociedade & Culturas, Porto, n. 41, p. 171-185, 2014.

NÓVOA, A. Os professores e a sua formação num tempo de metamorfose da escola. Educação & Realidade, Porto Alegre, v. 44, n. 3, e84910, 2019.

NÓVOA, A.; ALVIM, Y. Nothing is new, but everything has changed: a viewpoint on the future school. Prospects, [S.l.], v. 49, p. 35-41, 2020.

OLIVEIRA, M. M. Como fazer pesquisa qualitativa. Petrópolis: Vozes, 2007.

ORTIZ, H. M. O professor reflexivo: (re)construindo o “ser” professor. In: CONGRESSO DE EDUCAÇÃO – MHN, 3., 2003, Vargem Grande Paulista. Anais [...]. Vargem Grande Paulista: Museu Histórico Nacional, 2003.

PERRENOUD, P. A formação dos professores no século XXI. In: PERRENOUD, P.; THURLER, M. G. (org.). As competências para ensinar no século XXI: a formação dos professores e o desafio da avaliação. Porto Alegre: Artmed, 2002. p. 11-30.

PIMENTA, S. G. O estágio na formação de professores: unidade teoria e prática?. 11. ed. São Paulo: Cortez, 2012.

PIMENTA, S. G.; LIMA, M. S. L. Estágio e docência. São Paulo: Cortez, 2004.

SANTOS, J. C.; OLIVEIRA, L. A. Percepções sobre as ações das redes públicas de ensino durante a pandemia. Educação & Formação, Fortaleza, v. 6, n. 3, e5412, 2021.

SILVA, E. C.; MOREIRA, E. C. O plano de trabalho de professores de Educação Física ex-participantes do Pibid/FEF/UFMT. Educação & Formação, Fortaleza, v. 6, n. 1, e2081, 2021.

SOUZA NETO, S.; CYRINO, M.; BORGES, C. O estágio curricular supervisionado como lócus central da profissionalização do ensino. Revista Portuguesa de Educação, Braga, v. 32, n. 1, p. 52-72, 2019.

TARDIF, M. Saberes docentes e formação profissional. 17. ed. Petrópolis: Vozes, 2014.

TARDIF, M.; LESSARD, C. O trabalho docente: elementos para uma teoria da docência como profissão de interações humanas. 9. ed. Petrópolis: Vozes, 2014.

TARDIN, H. P.; SOUZA NETO, S. Análise da prática na Educação Física: o plano de aula como reflexão crítica de um professor iniciante. Revista Prática Docente, Viana do Castelo, v. 6, n. 2, e073, 2021.

TORRES, S. C. G. et al. Portfólio como instrumento de aprendizagem e suas implicações para a prática pedagógica reflexiva. Revista Diálogo Educacional, Curitiba, v. 8, n. 24, p. 549-561, 2008.

WITTORSKI, R. A contribuição da análise das práticas para a profissionalização dos professores. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, v. 44, n. 154, p. 894-911, 2014.

Publicado

2022-05-02

Como Citar

TARDIN, H. P.; ROMERO, L. R. . Formação prática na Residência Pedagógica em tempos de pandemia: reflexões sobre contribuições e aperfeiçoamento. Educ. Form., [S. l.], v. 7, p. e7342, 2022. DOI: 10.25053/redufor.v7.e7342. Disponível em: https://revistas.uece.br/index.php/redufor/article/view/7342. Acesso em: 16 maio. 2022.