A solidão em ‘Zaratustra’ como elemento indicativo para a formação humana

Palavras-chave: Solidão, Formação humana, Além-homem

Resumo

O presente artigo tem como objetivo destacar a solidão como um elemento necessário para a formação humana e colhe nas obras Assim falava Zaratustra e O Anticristo os aspectos formativos da solidão tanto em seu sentido literal como em seu sentido figurado. Em termos metodológicos concentramo-nos numa ideia de interpretação para investigar o sentido e a possível variação no uso do termo solidão por Nietzsche. Tomando o pensador alemão como referencial teórico, diferenciamos o isolamento e o abandono da solidão, sendo que aqueles enfraquecem a vida humana e esta pode tonificá-la. Concluímos, portanto, que a solidão em Zaratustra contém elementos que podem conduzir o ser humano a uma busca do melhor ou do mais elevado de si, em outros termos, ao além-homem. Por fim, a coragem para a vida na solidão emerge como um aspecto necessário da formação humana.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Valquiria Vasconcelos da Piedade Souza, PPGE - Universidade Federal de Santa Catarina

Doutoranda em Filosofia da Educação pala Universidade Federal de Santa Catarina

Helder Félix Pereira de Souza, Instituto Federal Catarinense/Brusque

Doutorado em Ciências Humanas pela Universidade Federal de Santa Catarina. Professor de Folosofia do Instituto Federal Catarinense de Brusque

Lúcia Schneider Hardt, Universidade Federal de Santa Catarina

Doutorado em Educação pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (2004). Atualmente é professora associada da Universidade Federal de Santa Catarina. 

Referências

AGOSTINHO, S. Confissões. Tradução Lorenzo Mammi. São Paulo: Penguin Classic:Companhia das Letras, 2017.

ARENDT, H. A vida do espírito.Tradução César Almeida, Antônio Abranches e Helena Martins. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2010.

ARISTÓTELES. Ética a Nicômaco. Tradução Mário da Gama Kury. Brasília, DF: UnB, 1985.

ARISTÓTELES. Ética a Nicômaco. Diretor Antonio Truyol Serra.Colección Clássicos Políticos. s/d.

ARISTÓTELES. Poética. Tradução Paulo Pinheiro. São Paulo: 34, 2015.

ARISTÓTELES. Política. Tradução Antônio Campelo Amaral e Carlos Gomes. Lisboa: Vega, 1998.

BURNHAM, D. The Nietzsche dictionary. New York: Bloomsbury Academic, 2015.

COCH, P. Solitude: A philosophical encounter. Chicago: Open Courts, 1997.

HEIDEGGER, M. Introdução à filosofia. São Paulo: Martins Fontes, 2009.

KANT, I. O que é esclarecimento. In: KANT, I. Textos seletos. Rio de Janeiro: Vozes, 2011.p.63-71.

LAVELLE, L. A consciência de si. Tradução Lara de Malimpensa. São Paulo: É Realizações, 2014.

LEMOS, F. O ofício da origem: uma leitura de “Sobre os estabelecimentos de ensino” de Nietzsche. Curitiba: Kotter, 2016.

MACHADO, R. Zaratustra: tragédia nietzschiana. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2011.

MARTON, S. Silêncio, solidão. Cadernos de Nietzsche,São Paulo, v.9, p.79-105, 2000.

MARTON, S. Solidão. In: MARTON, S. Dicionário Nietzsche. São Paulo: Loyola, 2016.p.384-385.

MELO, N.C. (Org.).Escritos sobre educação. Tradução Noéli Correia de Melo Sobrinho. Rio de Janeiro: PUC; São Paulo: Loyola, 2009.

NIETZSCHE, F. W. A gaia ciência. Tradução Paulo César de Souza. São Paulo: Companhia das Letras, 2012.

NIETZSCHE, F. W. Além do bem e do mal. Tradução Paulo César de Souza. São Paulo: Companhia das Letras, 2005a.

NIETZSCHE, F. W. Assim falava Zaratustra: um livro para todos e para ninguém. Tradução, notas e prólogo: Mário Ferreira dos Santos. Petrópolis: Vozes, 2014.

NIETZSCHE, F. W. Assim falou Zaratustra: um livro para todos e para ninguém. Tradução, notas e posfácio: Paulo César de Souza. São Paulo: Companhia das Letras, 2011.

NIETZSCHE, F. W. Aurora. Tradução Paulo César de Souza. São Paulo: Companhia das Letras, 2004.

NIETZSCHE, F. W. Crepúsculo dos ídolos ou como se filosofa com o martelo. Tradução Paulo César de Souza. São Paulo: Companhia das Letras, 2006.

NIETZSCHE, F. W. Ecce homo. Tradução Paulo César de Souza. São Paulo: Companhia das Letras, 2013.

NIETZSCHE, F. W. Genealogia da moral. Tradução Paulo César de Souza. São Paulo: Companhia das Letras, 2009a.

NIETZSCHE, F. W. Humano, demasiado humano. Tradução Paulo César de Souza. São Paulo: Companhia das Letras, 2005b.

NIETZSCHE, F. W. Humano demasiado humano II. Tradução Paulo Césarde Souza. São Paulo: Companhia de Bolso, 2017.

NIETZSCHE, F. W. O anticristo. Tradução Paulo Césarde Souza. São Paulo: Companhia de Bolso, 2016.

NIETZSCHE, F. W. O anticristo:maldição contra o cristianismo. Tradução Renato Zwick. Porto Alegre: L&PM, 2009b.

NIETZSCHE, F. W. O nascimento da tragédia ou helenismo e pessimismo. TraduçãoJacóGuinsburg. São Paulo: Companhia das Letras, 2007.

OLIVEIRA, J. A solidão como virtude moral em Nietzsche. Curitiba: Champagnat, 2010.

PASCHOAL, A.E. Transformação conceitual.Revista Trágica: Estudos sobre Nietzsche,Rio de Janeiro, v. 2,n. 2, p.17-30, 2009.

PEREIRA, I. Dicionário grego-português e português-grego.Braga: Apostolado da Imprensa, 1998.

PLATÃO. A República.Tradução Carlos Alberto Nunes. Belém: UFPA, 2016.

REALE, G. Introdução a Aristóteles. Tradução Eliana Aguiar. Rio de Janeiro: Contraponto, 2012.

RILKE, R.M. Cartas a um jovem poeta. Tradução Cecília Meireles 4. ed. São Paulo: Globo, 2013.

SÊNECA, L.A. Cartas a Lucílio. Tradução J. A.Segurado e Campos.Lisboa: Calouste Gulbenkian, 1991.

STORR, A. Solidão: a conexão com o eu. São Paulo: Benvirá, s/d.

Publicado
2019-03-21
Como Citar
SOUZA, V. V. DA P.; SOUZA, H. F. P. DE; HARDT, L. S. A solidão em ‘Zaratustra’ como elemento indicativo para a formação humana. Educação & Formação, v. 4, n. 2, p. 41-59, 21 mar. 2019.