“É proibida a igualdade gênero nesse estabelecimento”: discursos sobre a “Lei da Ideologia de Gênero” em Santa Rita, Patos e Campina Grande – Paraíba (2017-2018)

Autores

DOI:

https://doi.org/10.25053/redufor.v6i2.4189

Palavras-chave:

Ideologia de Gênero, Gênero, Educação

Resumo

Esse artigo tem por objetivo analisar os discursos dos parlamentares que propuseram a chamada “Lei da Ideologia de Gênero” nos municípios de Santa Rita, Patos e Campina Grande no estado da Paraíba. Essas leis foram propostas e aprovadas a partir do embasamento ideológico cristão, com a finalidade de proibir o debate de gênero nas escolas públicas e privadas dos referidos municípios. Metodologicamente, utilizamos a proposta da análise do discurso a partir de Michel Foucault (2014) que visa perceber a produção discursiva como um exercício de leitura, interpretação e produção de um outro/novo discurso. Para tanto, nos debruçamos sobre as entrevistas feitas com os três parlamentares no sentido de perceber seus interesses e “ideologias” defendidas. Ideologia, gênero e educação são categorias fundamentais para o diálogo teórico nesse texto. Portanto, conclui-se que a chamada “Lei da Ideologia de Gênero” funcionou como um dispositivo proibitivo e punitivo, mas que também gerou resistências.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Guilherme de Lima Arruda, Universidade Federal de Campina Grande

Mestrando em História pelo Programa de Pós-graduação em História da Universidade Federal de Campina Grande. Especialista em Supervisão e Orientação Educacional pela Faculdades Integradas de Patos (2018). Graduado em Pedagogia pela Universidade Federal de Campina Grande, tendo sido bolsista do Programa de Educação Tutorial: PET-Pedagogia (2013-2015) e também bolsista PIBIC/CNPq (2015-2016). Investiga temáticas relacionadas à relações de gênero, masculinidades e brincadeiras. Atua como docente da rede básica no município de Esperança-PB.

Azemar dos Santos Soares Junior, Universidade Federal do Rio Grande do Norte

Graduado em História (UEPB). Mestre em História (UFPB). Doutor em Educação (UFPB). Professor do Departamento de Práticas Educacionais e Currículo da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (DPEC/UFRN). Professor permente do Programa de Pós-Graduação em Educação (PPGEd/UFRN) e do Programa de Pós-Graduação em História (PPGH/UFCG).

Referências

ALBERTI, V. Ouvir contar: textos em história oral. Rio de Janeiro: FGV, 2004.

BRASIL. Constituição de 1988. Constituição da República Federativa do Brasil. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, DF, 5 out. 1988.

BRASIL. Nº 123.806/2017-AsJConst/SAJ/PGR. Arguição de descumprimento de preceito fundamental. Lei 1.516/2015, do município de Novo Gama (GO). Proibição de material com informações de ideologia de gênero em escolas municipais. 2017. Disponível em: http://www.mpf.mp.br/pgr/documentos/adpf457.pdf. Acesso em: 25 jan. 2020.

BUTLER, J. Problemas de gênero: feminismo e subversão de identidade. 6. ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2018.

CAMPINA GRANDE. Lei nº 6.950/2018. Dispõe sobre a adequação da rede municipal de ensino aos direitos fundamentais declarados no Pacto de San José da Costa Rica, internalizado pelo Decreto nº 678/1992, bem como sobre a distribuição de material didático com conteúdo impróprio para crianças e adolescentes em âmbito, e dá outras providências. Campina Grande: Câmara Municipal de Campina Grande, 2018.

FOUCAULT, M. Vigiar e punir: nascimento da prisão. Petrópolis: Vozes, 2014.

FREITAS, S. M. História oral: possibilidades e procedimentos. 2. ed. São Paulo: Humanitas, 2006.

GRUZINSKI, S. Por uma história das sensibilidades. In: PESAVENTO, S. J. Sensibilidades na História: memórias singulares e identidades sociais. Porto Alegre: UFRGS, 2007. p. 7-21.

JUNQUEIRA, R. D. “Ideologia de gênero”: a gênese de uma categoria política reacionária – ou: a promoção dos direitos humanos se tornou uma “ameaça a família natural”?. In: RIBEIRO, P. R. C.; MAGALHÃES, C. (org.). Debates contemporâneos sobre educação para sexualidade. Rio Grande: Furge, 2017. p. 25-52.

LARROSA, J. Tremores: escritos sobre experiência. Belo Horizonte: Autêntica 2016.

LOURO, G. L. Um corpo estranho: ensaios sobre sexualidade e teoria queer. Belo Horizonte: Autêntica, 2018.

PATOS. Ata da 39º Sessão Ordinária. 2º período da 17º legislatura, da Câmara Municipal de Patos, estado da Paraíba, realizada no dia 19 de dezembro de 2017. Patos: Arquivo da Câmara Municipal de Patos, 2017.

PATOS. Lei nº 4.939/2018. Veda a distribuição, exposição e divulgação de material didático contendo manifestação da ideologia e igualdade de gênero nos estabelecimentos de ensino da rede pública municipal de Patos-PB. Patos: Arquivo da Câmara Municipal de Patos, 2018.

RIOS, P. P.; CARDOSO, H.; DIAS, A. Concepções de gênero e sexualidade d@s docentes do curso de licenciatura em Pedagogia: por um currículo queer. Educação & Formação, Fortaleza, v. 3, n. 2, p. 98-117, 2018.

SANTA RITA. Projeto de Lei nº 150/2017. Dispõe sobre a vedação do ensino de ideologia de gênero para crianças e adolescentes na rede de ensino de Santa Rita. Santa Rita: Arquivo da Câmara Municipal de Santa Rita, 2017.

Publicado

2021-03-18

Como Citar

ARRUDA, G. de L.; SOARES JUNIOR, A. dos S. “É proibida a igualdade gênero nesse estabelecimento”: discursos sobre a “Lei da Ideologia de Gênero” em Santa Rita, Patos e Campina Grande – Paraíba (2017-2018). Educação & Formação, [S. l.], v. 6, n. 2, p. e4189, 2021. DOI: 10.25053/redufor.v6i2.4189. Disponível em: https://revistas.uece.br/index.php/redufor/article/view/4189. Acesso em: 12 maio. 2021.