Educação e Empoderamento Feminino: estratégias pedagógicas de grupos de humanização do parto e nascimento em Belém do Pará

Autores

DOI:

https://doi.org/10.25053/redufor.v6i2.4159

Palavras-chave:

Educação não-formal, Mulheres, Parto Humanizado, Corpo

Resumo

Objetivando identificar a forma de organização e atuação dos grupos de humanização do parto e nascimento na região metropolitana de Belém do Pará, o estudo tem como hipótese a predominância de uma pedagogia crítica na maneira de condução de suas atividades. Trata-se de um estudo exploratório e descritivo, com abordagem qualitativa que demonstrou a heterogeneidade desses grupos, destacando que há em comum o protagonismo feminino na difusão, defesa e promoção de outras formas de parir e a crítica à imposição da cesariana. Os grupos estudados e com maior visibilidade foram: Ishtar Belém e Projeto TransformaDor. Eles convergem em relação à metodologia de ação: palestras, rodas de conversas, cine debates, panfletagem e produção de conteúdos digitais em redes sociais, além da atuação em favor do empoderamento feminino na cena do parto. Identificamos, assim, processos educativos não-formais pautados em estratégias da educação popular, valorizando o diálogo e a experiência dessas mulheres.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Natália Conceição Silva Barros Cavalcanti, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Pará

Doutora em História pela Universidade Federal de Pernambuco- UFPE. Docente do PROFEPT- Mestrado Profissional em Educação Profissional e Tecnológica e da Licenciatura em História do Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do Pará. Integra a equipe do projeto Corpo, gênero e sexualidade na Educação Profissional: cenários epistemológicos e subjetivos, financiado pelo edital universal do CNPq, no interior do qual orienta pesquisas de Iniciação Científica, especialização e mestrado.

Ana Lídia Nauar, Universidade do Estado do Pará

Historiadora. Mestre e Doutora em Antropologia Social. Professora Adjunta de Antropologia Social na Universidade do Estado do Pará (UEPA), Coodenadora do PPGEEI - Programa de Pós Graduação em Educacao Escolar Indigena (UEPA/UFPA/UFOPA/UNIFESSPA). Líder do Grupo de Pesquisa em Gêneros, Sexualidades, Educações e Gerações (GENSEG/UEPA).

Márcia Victoria Carvalho Almeida, Universidade do Estado do Pará

Graduada em Licenciatura Plena em História pela Universidade do Estado do Pará (UEPA). Pesquisadora integrante do Grupo de Pesquisa em Gêneros, Sexualidades, Educação e Gerações (GENSEG-UEPA) e membro integrante do Grupo de Pesquisa Amazônia : História, Cultura e Identidades (GPAM-UEPA).

Referências

BARRETO, E. A. Violência obstétrica é violência de gênero: naturalização, banalização e rotinas violentas na atenção ao parto. In: SOUZA, L. T. (org.). Estudos interdisciplinares de violência na Amazônia. Curitiba: CRV, 2014. p. 47-64.

BLOG ISHTAR BELÉM. Blog Ishtar Belém. Disponível em: http://espacoishtarbelem.blogspot.com/. Acesso em: 17 fev. 2021.

CARNEIRO, R. Cenas de parto e políticas do corpo. Rio de Janeiro: Fiocruz, 2015.

DINIZ, C. S. G. Humanização da assistência ao parto no Brasil: os muitos sentidos de um movimento. Revista Ciência & Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 10, p. 627-637, 2005.

FOUCAULT, M. Microfísica do poder. 21. ed. Rio de Janeiro: Graal, 2005.

GEERTZ, C. A interpretação das culturas. Rio de Janeiro: LTC, 2008.

GOHN, M. G. Educação não formal, aprendizagens e saberes em processos participativos. Investigar em Educação, Lisboa, II série, n. 1, p. 35-50, 2014. Disponível em: http://pages.ie.uminho.pt/inved/index.php/ie/article/view/4. Acesso em: 26 set. 2020.

GOHN, M. G. Movimentos sociais na contemporaneidade. Revista Brasileira de Educação, Rio de Janeiro, v. 16, n. 47, p. 333-361, 2011. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-24782011000200005&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 26 set. 2020.

HIRSCH, O. N. O parto “natural” e “humanizado” na visão de mulheres de camadas médias e populares no Rio de Janeiro. Civitas: Revista de Ciências Sociais, Porto Alegre, v. 15, p. 229-249, 2015.

MAIA, M. B. Assistência à saúde e ao parto no Brasil. In: MAIA, M. B. (org.). Humanização do parto: política pública, comportamento organizacional e ethos profissional. Rio de Janeiro: Fiocruz, 2010. p. 19-49.

MALIK, A. M.; PATAH, L. E. M. Modelos de assistência ao parto e taxa de cesárea em diferentes países. Revista de Saúde Pública, São Paulo, v. 45, n. 1, p. 185-194, 2011.

REDE PARTO DO PRINCÍPIO. Violência Obstétrica “Parirás com Dor”. Dossiê elaborado para a CPMI da Violência Contra as Mulheres. Brasília, DF: Senado Federal, 2012.

REHUNA. ReHuNa. 2000. Disponível em: http://rehuna.org.br/wpcontent/uploads/2019/12/carta-de-fortaleza-2000.pdf. Acesso em: 17 fev. 2021.

TEMPESTA, G. A. Trabalhando pelos bons vinculamentos: reflexões antropológicas sobre o ofício das doulas. Anuário Antropológico, Brasília, DF, v. 43, n. 1, p. 37-66, 2018.

THERRIEN, J.; AZEVEDO, M. R.; LACERDA, C. A racionalidade pedagógica nos processos de mediação à produção de sentidos e de aprendizagem aos saberes. Educação & Formação, Fortaleza, v. 2, n. 3, p. 186-199, 2017. Disponível em: https://revistas.uece.br/index.php/redufor/article/view/166. Acesso em: 17 fev. 2021.

TORNQUIST, C. S. Armadilhas da nova era: natureza e maternidade no ideário da humanização do parto. Revista Estudos Feministas, Florianópolis, v. 10, n. 2, p. 483-492, 2002.

Publicado

2021-03-22

Como Citar

CAVALCANTI, N. C. S. B.; NAUAR, A. L.; ALMEIDA, M. V. C. Educação e Empoderamento Feminino: estratégias pedagógicas de grupos de humanização do parto e nascimento em Belém do Pará. Educação & Formação, [S. l.], v. 6, n. 2, p. e4159, 2021. DOI: 10.25053/redufor.v6i2.4159. Disponível em: https://revistas.uece.br/index.php/redufor/article/view/4159. Acesso em: 12 maio. 2021.