Formação permanente de professores

um estudo inspirado em Paulo Freire com docentes dos anos iniciais do ensino fundamental

Autores

DOI:

https://doi.org/10.25053/redufor.v5i13.1271

Palavras-chave:

Formação Continuada, Formação Permanente de Educadores, Paulo Freire

Resumo

O presente artigo apresenta os resultados de uma pesquisa acerca da formação continuada de professores dos anos iniciais do Ensino Fundamental em uma escola da rede pública da cidade de São Paulo - SP e o objetivo geral é analisar os alcances e limites da formação continuada de professores para a prática pedagógica comprometida com a construção de uma escola democrática. O aporte teórico fundamenta-se na Pedagogia de Paulo Freire (2001, 2013a, 2015 e 2016), Imbernón (2009, 2010) e Saul (2010). A investigação é de natureza qualitativa de acordo com Chizzotti (2005), com estudo bibliográfico e pesquisa de campo.  Os resultados da pesquisa revelam que há uma forte presença de dimensões da formação permanente, materializando princípios como a escuta, o diálogo, a participação e o movimento de ação-reflexão-ação, evidenciado nos documentos, entrevistas realizadas, observações, encontros de formação e reunião de pais e mestres.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Maria Perpétua do Socorro Beserra Soares, Universidade Federal do Piauí

Doutora em Educação pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo-PUC/SP. Mestre em Educação pela Universidade Federal do Piauí-UFPI. Especialista em História da Filosofia Contemporânea pela Universidade Federal do Piauí-UFPI. Licenciada em Filosofia pela Universidade Federal do Piauí-UFPI. Licenciada em Letras-Português pela Universidade Estadual do Piauí-UESPI. Professora Adjunta da Universidade Federal do Piauí, Campus Ministro Reis Velloso, Parnaíba-PI.

Referências

CHIZZOTTI, A. Pesquisa em ciências humanas e sociais. São Paulo: Cortez, 2005.

DENZIN, N. K. The research act: a theoretical introduction to sociological methods. 2.ed. New York: Mc Graw-Hill, 1978.

FREIRE, P. A educação na cidade. 5. ed. São Paulo: Cortez, 2001.

FREIRE, P. Educação e mudança. 17. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1994.

FREIRE, P. Extensão ou comunicação?. 16. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2013a.

FREIRE, P. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. 53. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2016.

FREIRE, P. Pedagogia do oprimido. 54. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2013b.

FREIRE, P. Política e educação: ensaios. 2. ed. São Paulo: Paz e Terra, 2015.

FREIRE, P. Professora sim, tia não: cartas a quem ousa ensinar. São Paulo: Olho d’Água, 2008.

FREIRE, P.; SHOR, I. Medo e ousadia: o cotidiano do professor. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2008.

IMBERNÓN, F. Formação continuada de professores. Porto Alegre: Artmed, 2010.

IMBERNÓN, F. Formação permanente do professorado: novas tendências. São Paulo: Cortez, 2009.

SÃO PAULO (Município). Secretaria Municipal de Educação. Diretoria Regional de Educação Pirituba. EMEF. Projeto Político-Pedagógico. São Paulo, 2014.

SÃO PAULO (Município). Projeto Especial de Ação – PEA. São Paulo, 2015.

SAUL, A. M. Currículo. In: STRECK, D. R.; REDIN, E.; ZITKOSKI, J. J. (Org.). Dicionário Paulo Freire. 2. ed. rev. ampl. Belo Horizonte: Autêntica, 2010. p. 109-110.

SAUL, A. M.; SAUL, A. Mudar é difícil, mas é possível e urgente: um novo sentido para o projeto político-pedagógico da escola. Revista Teias, Rio de Janeiro, v. 14, n. 33, 102-120, 2013.

Publicado

2019-12-09

Como Citar

SOARES, M. P. do S. B. Formação permanente de professores: um estudo inspirado em Paulo Freire com docentes dos anos iniciais do ensino fundamental. Educ. Form., [S. l.], v. 5, n. 13, p. 151–171, 2019. DOI: 10.25053/redufor.v5i13.1271. Disponível em: https://revistas.uece.br/index.php/redufor/article/view/1271. Acesso em: 16 maio. 2022.