A contribuição das metodologias ativas para a prática pedagógica dos professores universitários

Autores

DOI:

https://doi.org/10.25053/redufor.v6i2.3908

Palavras-chave:

Ensino Superior, Metodologias Ativas, Aprendizagem, Prática Pedagógica

Resumo

Este trabalho se origina da pesquisa realizada com professores universitários que fazem parte do grupo de pesquisa que investiga os Paradigmas Educacionais e Formação de Professores, vinculado à Linha de Pesquisa: Teoria e Prática Pedagógica na Formação de Professores em um Programa de Pós-Graduação em Educação de uma universidade de grande porte na cidade de Curitiba, Paraná. Objetivou-se compreender a contribuição das metodologias ativas para a prática docente dos professores universitários. A metodologia utilizada em uma abordagem qualitativa do tipo de estudo de caso, que prima por interpretar, de modo analítico, os dados captados no decurso da pesquisa. A partir das análises dos dados, foi possível verificar que uma proposta das metodologias ativas pode se constituir como uma proposta de ensino numa visão complexa ou holística, que possibilita uma aprendizagem significativa para os alunos, protagonistas da construção do conhecimento de forma autônoma, crítica, reflexiva e participativa.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Caroline Elizabel Blaszko, Universidade Estadual do Paraná, Campus União da Vitória

Doutora em Educação. Docente do Colegiado de Pedagogia da Universidade Estadual do Paraná, Campus de União da Vitória. Membro do Grupo de Estudo e Pesquisa em Educação: teoria e prática (GEPE). 

Ana Lúcia de Araujo Claro, Pontifícia Universidade Católica do Paraná

Mestre em Educação. Doutoranda do Programa de Pós-Graduação em Educação da Pontifícia Universidade Católica do Paraná.

Nájela Tavares Ujiie, Universidade Estadual do Paraná

Doutora em Ensino de Ciência e Tecnologia. Docente do Colegiado de Pedagogia, da Universidade Estadual do Paraná, Campus de Paranavaí. Líder do Grupo de Estudo e Pesquisa em Educação: teoria e prática (GEPE) e do Grupo de Estudos e Pesquisa Práxis Educativa Infantil (GEPPEI).

 

 

Referências

BACICH, L. Formação continuada de professores para o uso de metodologias ativas. In: MORAN, J.; BACICH, L. (org.). Metodologias ativas para uma construção inovadora: uma abordagem teórico-prática. Porto Alegre: Penso, 2018. p. 1-25.

BACICH, L.; MORAN, J. M. Metodologias ativas para uma educação inovadora: uma abordagem teórico-prática. Porto Alegre: Penso, 2018.

BEHRENS, M. A. Metodologia de projetos: aprender e ensinar para a produção do conhecimento numa visão complexa. In: TORRES, P. L. (org.). Complexidade: redes e conexões na produção do conhecimento. Curitiba: Senar, 2014. p. 95-116.

BEHRENS, M. A. O paradigma da complexidade na formação e no desenvolvimento profissional de professores universitários. Revista de Educação, Porto Alegre, v. 30, n. 3, p. 439-455, 2007.

BEHRENS, M. A. O paradigma emergente e a prática pedagógica. Petrópolis: Vozes, 2013.

BEHRENS, M. A. Paradigma da complexidade: metodologia de projetos, contratos didáticos e portfólios. Petrópolis: Vozes, 2006.

BEHRENS, M. A. Paradigma da complexidade: metodologias, projetos, contratos didáticos e portfólios. 2. ed. Petrópolis: Vozes, 2008.

BEHRENS, M. A. Projetos de aprendizagem colaborativa num paradigma emergente. In: MASETTO, M.; MORAN, J. M.; BEHRENS, M. A. (org.). Novas tecnologias e mediação pedagógica. 19. ed. Petrópolis: Papirus, 2011. p. 67-132.

BEHRENS, M. A.; PRIGOL, E. L. Prática docente: das teorias críticas à teoria da complexidade. In: SÁ, R. A.; BEHRENS, M. A. (org.). Teoria da complexidade: contribuições epistemológicas e metodológicas para uma pedagogia complexa. Curitiba: Appris, 2019. p. 65-85.

BOGDAN, R.; BIKLEN, S. K. Investigação qualitativa em educação: uma introdução à teoria e aos métodos. Porto: Porto, 1994.

CAPRA, F. A teia da vida: uma nova compreensão científica dos sistemas vivos. São Paulo: Cultrix, 2006.

JUNGES, F. C.; KETZER, C. M.; OLIVEIRA, V. M. A. Formação continuada de professores: saberes ressignificados e práticas docentes transformadoras. Revista Educação & Formação, Fortaleza, v. 3, n. 9, p. 88-101, 2018.

LÜDKE, M.; ANDRÉ, M. Pesquisa em educação: abordagens qualitativas. 2. ed. São Paulo: EPU, 2013.

MASETTO, M. T. Competência pedagógica do professor universitário. São Paulo: Summus, 2006.

MASETTO, M. T. (org.). Docência na universidade. 3. ed. Campinas: Papirus, 1998.

MASETTO, M. T. Mediação pedagógica e o uso da tecnologia. In: MASETTO, M. T.; MORAN, J.; BEHRENS, M. A. (org.). Novas tecnologias e mediação pedagógica. 19. ed. Petrópolis: Papirus, 2011. p. 133-182.

MEZZAROBA, C.; CARRIQUIRIBORDE, N. Teoria e prática: questões imprescindíveis à prática educativa. Revista Educação & Formação, Fortaleza, v. 5, n. 3, p. e2807, 2020.

MORAES, M. C. Pensamento eco-sistêmico: educação, aprendizagem e cidadania no século XXI. Petrópolis: Vozes, 2004.

MORAN, J. M. Ensino e aprendizagem inovadores com apoio de tecnologias. In: MASETTO, M. (org.). Novas tecnologias e mediação pedagógica. 21. ed. São Paulo: Papirus, 2013. p. 11-73.

MORAN, J. M. Metodologias ativas para uma aprendizagem mais profunda. In: MORAN, J. M.; BACICH, L. (org.). Metodologias ativas para uma construção inovadora: uma abordagem teórico-prática. Porto Alegre: Penso, 2018. p. 1-25.

MORAN, J. M. Mudando a educação com metodologias ativas. In: SOUZA, C. A.; MORALES, O. E. T. (org.). Convergências midiáticas, educação e cidadania: aproximações jovens. Ponta Grossa: UEPG/Proex, 2015. p. 15-33.

MORIN, E. Os sete saberes necessários à educação do futuro. 3. ed. São Paulo: Cortez, 2001.

MORORÓ, L. P. A influência da formação continuada na prática docente. Revista Educação & Formação, Fortaleza, v. 2, n. 4, p. 36-51, 2017.

SENNA, C. M. P. et al. Metodologias ativas de aprendizagem: elaboração de roteiros de estudos em “salas sem paredes”. In: MORAN, J. M.; BACICH, L. (org.). Metodologias ativas para uma construção inovadora: uma abordagem teórico-prática. Porto Alegre: Penso, 2018. p. 220- 237.

UJIIE, N. T. Formação continuada de professores da educação infantil num enfoque CTS. 2020. Tese (Doutorado em Ensino de Ciência e Tecnologia) – Programa de Pós-Graduação em Ensino de Ciência e Tecnologia, Universidade Tecnológica Federal do Paraná, Ponta Grossa, 2020.

UJIIE, N. T. et al. Tipos de pesquisa em educação e ensino: algumas ancoragens metodológicas e nuances. In: PAGANINI-SILVA, E.; SILVA, S. S. C. (org.). Metodologia da pesquisa científica em educação: dos desafios emergentes a resultados iminentes. Curitiba: Íthala, 2016. p. 42-55.

VALENTE, J. A. A sala de aula invertida e a possibilidade do ensino personalizado: uma experiência com a graduação em midialogia. In: MORAN, J. M.; BACICHI, L. (org.). Metodologias ativas para uma construção inovadora: uma abordagem teórico-prática. Porto Alegre: Penso, 2018. p. 26-45.

VEIGA, I. P. A. A aventura de formar professores. Campinas: Papirus, 2009.

YUS, R. Educação integral: uma educação holística para o século XXI. Porto Alegre: Artmed, 2002.

ZABALA, A. Enfoque globalizador e pensamento complexo: uma proposta para o currículo escolar. Porto Alegre: Artmed, 2002.

Publicado

2021-02-20

Como Citar

BLASZKO, C. E.; CLARO, A. L. de A.; UJIIE, N. T. A contribuição das metodologias ativas para a prática pedagógica dos professores universitários. Educação & Formação, [S. l.], v. 6, n. 2, p. e3908, 2021. DOI: 10.25053/redufor.v6i2.3908. Disponível em: https://revistas.uece.br/index.php/redufor/article/view/3908. Acesso em: 12 maio. 2021.