O corpo é voz, mas na educação física não: compreensões sobre corpo na formação docente

Autores

DOI:

https://doi.org/10.25053/redufor.v6i2.4091

Palavras-chave:

Formação de Professores, corpo, Educação Física

Resumo

O trânsito de sentidos e significados que emergem dos entendimentos de estudantes de Educação de Física sobre o corpo e, mais especificamente, sobre o corpo no campo de atuação e formação na Educação Física é o que move a tessitura deste artigo. Trata-se de uma investigação qualitativa reconstrutiva que intencionou delinear os significados do corpo e, mais especificamente, sobre o corpo no campo da Educação Física dialogando com a Fenomenologia Social. Para a reunião de dados optou-se pela Entrevista Narrativa e para a análise o Método Documentário. Os sujeitos da pesquisa foram estudantes, de uma universidade pública do município de Belém/Pa. Os resultados denotam uma disputa de concepções sobre o corpo que se delineiam a partir da natureza biológica e de marcadores sociais e culturais indicando fragilidades sobre o objeto de estudo da Educação Física, o corpo.   

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Daniella Rocha Bittencourt, Prefeitura Municipal de Ananindeua

Mestre em Educação pela Universidade do Estado do Pará. Especialista em Pedagogia da Cultura Corporal. Graduada em Licenciatura Plena em Educação Física. Professora Efetiva da Rede Básica de Ensino do Município de Ananindeua, Pará. 

Lucelia de Moraes Braga Bassalo, Universidade do Estado do Pará

Doutora em Educação pela Universidade de Brasília. Mestre em Educação Brasileira pela Universidade Federal do Ceará. Licenciatura Plena em Pedagogia pela União das Escolas Superiores do Pará. Profa do Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade do Estado do Pará e vinculada ao Departamento de Filosofia e Ciências Sociais.

Referências

ABREU, S. M. B.; SABÓIA, W. N.; NÓBREGA-THERRIEN, S. M. Formação docente em Educação Física: perspectivas de uma racionalidade pedagógica do corpo em movimento. Educação e Formação, Fortaleza, v. 4, n. 12, p. 191-206, 2019. Disponível em: https://revistas.uece.br/index.php/redufor/article/view/897/1317. Acesso em: 12 jun. 2021.

BOHNSACK, R. Pesquisa social reconstrutiva: introdução aos métodos qualitativos. Petrópolis: Vozes, 2020.

BOHNSACK, R.; WELLER, W. O método documentário na análise de grupos de discussão. In: WELLER, W.; PFAFF, N. (org.). Metodologias da pesquisa qualitativa. 3. ed. Petrópolis: Vozes, 2013. p. 67-86.

FOUCAULT, M. Vigiar e punir: nascimento da prisão. 42. ed. Petrópolis: Vozes, 2014.

GOELLNER, S. A produção cultural do corpo. In: LOURO, G.; FELIPE, J.; GOELLNER, S. (org.). Corpo, gênero e sexualidade: um debate contemporâneo. 9. ed. Petrópolis: Vozes, 2013.

LOURO, G. Gênero, sexualidade e educação: uma perspectiva pós-estruturalista. 16. ed. Petrópolis: Vozes, 2014.

LOURO, G. Um corpo estranho: ensaios sobre sexualidade e teoria queer. 3. rev. Belo Horizonte: Autêntica, 2018.

LOURO, G.; FELIPE, J.; GOELLNER, S. (org.). Corpo, gênero e sexualidade: um debate contemporâneo. 9. ed. Petrópolis: Vozes, 2013.

LUDORF, S. M. Corpo e formação de professores de Educação Física. Interface: Comunicação, Saúde, Educação, Botucatu, v. 13, n. 28, p. 99-110, 2009. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1414-32832009000100009&lng=en&nrm=iso . Acesso em: 25 maio 2020.

RODRIGUES, R. B.; COUTO, H. R. F. Corporeidade e prática docente na Educação do Campo na Amazônia Paraense. Educação e Formação, Fortaleza, v. 5, n. 13, p. 113-131, 2020. Disponível em: https://revistas.uece.br/index.php/redufor/article/view/1439/1908. Acesso em: 16 jan. 2021.

SCHÜTZ, A. Fenomenologia e relações sociais. Rio de Janeiro: Zahar, 1970.

SCHÜTZE, F. Pesquisa biográfica e entrevista narrativa. In: WELLER, V.; PLAFF, N. (org.). Metodologia da pesquisa qualitativa em educação: teoria e prática. 3. ed. Petrópolis: Vozes, 2013. p. 210-223.

SILVA, C. M. Jovens homens que “saíram pelo meio do mundo”: sentidos do trabalho para cortadores de cana. PerCursos, Florianópolis, v. 20, n. 43, p. 143-166, 2019. Disponível em: https://revistas.udesc.br/index.php/percursos/article/view/1984724620422019143. Acesso em: 18 jun. 2020.

SILVA, E. C.; MOREIRA, E. C. O plano de trabalho de professores de Educação Física ex-participantes do Pibid/FEF/UFMT. Educação e Formação, Fortaleza, v. 6, n. 1, e2081, 2021. Disponível em: https://revistas.uece.br/index.php/redufor/article/view/2081/3548. Acesso em: 18 jan. 2021.

SOARES, C. L. Educação Física: raízes europeias e Brasil. 5. ed. Campinas: Autores Associados, 2012.

WELLER, W. A contribuição de Karl Mannheim para a pesquisa qualitativa: aspectos teóricos e metodológicos. Sociologias, Porto Alegre, v. 7, n. 13, p. 260-300, 2005.

WELLER, W. et al. Karl Mannheim e o método documentário de interpretação: uma forma de análise das visões de mundo. Sociedade e Estado, Brasília, DF, v. 17, n. 2, p. 375-396, 2002.

WELLER, W.; OTTE, J. Análise de narrativas segundo o método documentário: exemplificação a partir de um estudo com gestoras de instituições públicas. Civitas: Revista de Ciências Sociais, Porto Alegre, v. 14, n. 2, p. 325-340, 2014.

WELLER, W.; ZARDO, S. Entrevista narrativa com especialistas: aportes metodológicos e exemplificação. Revista Faeeba, Educação e Contemporaneidade, Salvador, v. 22, n. 40, p. 131-143, 2013.

Publicado

2021-03-29

Como Citar

BITTENCOURT, D. R.; BASSALO, L. de M. B. O corpo é voz, mas na educação física não: compreensões sobre corpo na formação docente. Educação & Formação, [S. l.], v. 6, n. 2, p. e4091, 2021. DOI: 10.25053/redufor.v6i2.4091. Disponível em: https://revistas.uece.br/index.php/redufor/article/view/4091. Acesso em: 12 maio. 2021.