Corporeidade e prática docente na educação do campo na Amazônia paraense

Autores

DOI:

https://doi.org/10.25053/redufor.v5i13.1439

Palavras-chave:

Amazônia, Educação do Campo, Vivências de Corporeidade

Resumo

Este trabalho teve como objetivo investigar, a partir dos fundamentos da Corporeidade e Educação do Campo, os sentidos que os professores atribuem ao corpo na prática docente nos territórios rurais de Santarém, localizados na Amazônia Paraense. Metodologicamente, é um estudo qualitativo com abordagem fenomenológica, organizado em duas etapas: pesquisa bibliográfica e de campo. Para a produção e análise dos dados, utilizou-se da Técnica de Elaboração e Análise de Unidades de Significado, desenvolvida por Moreira, Simões e Porto (2005). Os desdobramentos teóricos imputam um diálogo entre Corporeidade e Educação do Campo, sustentando-se em autores que evocam sobre as temáticas. Os dados de campo centraram-se no discurso dos sujeitos, por meio do qual, constatou-se que eles compreendem o corpo em sua totalidade, com múltiplas possibilidades de saberes e interação social. Bem como, verificou-se que há vivências de corporeidade na prática docente com valorização dos saberes camponeses.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Rosenilma Branco Rodrigues, Universidade Federal do Oeste do Pará

Mestre em Educação, foi professora de Filosofia e Sociologia da Secretaria Estadual de Educação do Pará. Licenciada em Filosofia pela Faculdade Pan Americana (2012), Graduada em Turismo pelo Instituto Esperança de Ensino Superior (2008), Curso de Aperfeiçoamento " A escola e a Cidade: politicas públicas  educacionais" pela Universidade Federal do Oeste do Pará, Especialização em Direitos Humanos e Políticas Públicas pela Universidade Federal do Oeste do Pará, Mestrado em Educação pela Universidade Federal do Oeste do Pará (2018). Tem experiência na área de Educação, atuando principalmente nos seguintes temas: formação de professores, política educacional, prática pedagógica, prática docente, Corporeidade e Educação do Campo. É integrante do Grupo de Pesquisa Cognições e Práticas Formativas Educacionais em Espaços Escolares e Não-Escolares/UFOPA.

Hergos Ritor Fróes de Couto, Universidade Federal do Oeste do Pará

Doutor em Educação, professor efetivo da Universidade Federal do Oeste do Pará (UFOPA), na categoria Adjunto IV, atua principalmente nos campos de educação e corporeidade e educação e esporte. Tem graduação em Pedagogia pela Universidade Nove de Julho (2009), Licenciatura e Bacharelado em Educação Física pela Universidade Nove de Julho (2004), Bacharelado em Administração de Empresas pelas Faculdades Integradas SantAnna e São Paulo (1995), Mestrado em Educação Física pela Universidade Metodista de Piracicaba (2008) e Doutorado em Educação pela Universidade Nove de Julho (2012). Pós-doutor em Desporto pela Faculdade de Desporto da Universidade do Porto/Portugal (2016). Com ampla experiência no ensino, atualmente, ministra disciplinas pedagógicas dos cursos de graduação e integra o corpo docente do Mestrado em Educação da Universidade Federal do Oeste do Pará/UFOPA. Tem experiência na área da Educação Escolar e Educação Física, atuando principalmente com os seguintes temas: educação física escolar, corporeidade, esporte e manifestações lúdicas. Em 2016 concluiu pós-doutorado em Desporto, na Faculdade de Desporto da Universidade do Porto - Portugal, desenvolvendo pesquisa na temática que envolve a conciliação da formação desportiva com a formação escolar de jovens jogadores de futebol das categorias de base do Futebol Clube do Porto.

Referências

CALDART, R. S. Sobre Educação do Campo. In: SANTOS, C. A. (Org.). Educação do Campo: campo-políticas públicas-educação. Brasília, DF: Incra: MDA. 2008. p. 67-86.

COUTO, H. R. F. A criança e as manifestações lúdicas de rua e suas relações com a educação física escolar. Piracicaba, 2008. 131 f. Dissertação (Mestrado em Educação Física) – Programa de Pós-Graduação em Educação Física, Universidade Metodista de Piracicaba, Piracicaba, 2008.

FERNANDES, B.; CERIOLI, P. R.; CALDART, R. S. Primeira Conferência Nacional “Por Uma Educação Básica do Campo”. In: ARROYO, M. G.; CALDART, R. S.; MOLINA, M. C. (Org.). Por uma educação do campo. 5. ed. Petrópolis: Vozes, 2011. p. 19-62.

FOUCAULT, M. Vigiar e punir: nascimento da prisão. Petrópolis: Vozes, 2014.

FREIRE, J. B. De corpo e alma: o discurso da motricidade. São Paulo: Summus, 1991.

FREIRE, P. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. 54. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2016.

GERONE JUNIOR, A.; HAGE, S. A. M. Ser professor ribeirinho: os desafios que emergem da educação e da ação pedagógica em escolas ribeirinhas da Amazônia. In: ABREU, W. F.; OLIVEIRA, D. B.; SILVA, É. S. (Org.). Educação ribeirinha: saberes, vivencias e formação no campo. 2. ed. Belém: UFPA, 2013. p. 19-41.

GONÇALVES, M. A. S. Sentir, pensar, agir: corporeidade e educação. 15. ed. Campinas: Papirus, 2012.

INEP – Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Censo escolar da educação básica 2016: notas estatísticas. Brasília-DF: Inep, 2017.

INSTITUTO AYRTON SENNA. Programa Se Liga. 2018. Disponível em: http://www.institutoayrtonsenna.org.br/pt-br/instituto.html. Acesso em: 10 jan. 2018.

MERLEAU-PONTY, M. Fenomenologia da percepção. 4. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2011.

MINAYO, M. Pesquisa social: teoria, método e criatividade. Petrópolis: Vozes, 1994.

MORIN, E. Os sete saberes necessários à educação do futuro. São Paulo: Cortez; Brasília, DF: Unesco, 2011.

MOREIRA, W. W. Do corpo à corporeidade na educação formal: mudança paradigmática. In: FABRIN, F. C. S.; NÓBREGA, M. L. S.; TODARO, M. Á. (Org.). Corpo e educação: desafios e possibilidades. Jundiaí: Paco, 2014. p. 149-166.

MOREIRA, W. W.; SIMÕES, R.; PORTO, E. Análise de conteúdo: técnica de elaboração e análise de unidades de significado. Revista Brasileira de Ciência e Movimento, Taguatinga, v. 13, n. 4, p. 107-114, 2005.

NÓBREGA, T. P. Corporeidade e Educação Física: do corpo-objeto ao corpo-sujeito. 2. ed. Natal: UFRN, 2005.

NÓBREGA, T. P. Uma fenomenologia do corpo. São Paulo: Física, 2010.

RIBEIRO, M. Educação Rural. In: CALDART, R. S. et al. (Org.). Dicionário da Educação do Campo. Rio de Janeiro: Escola Politécnica de Saúde Joaquim Venâncio; São Paulo: Expressão Popular, 2012.

SIANI, S. R.; CORREA, D. A.; CASAS, A. L. Fenomenologia, método fenomenológico e pesquisa empírica: o instigante universo da construção de conhecimento esquadrinhada na experiência de vida. Revista de Administração da Unimep, Piracicaba, v. 14, n. 1, p. 116-219, 2016.

Publicado

2019-12-09

Como Citar

RODRIGUES, R. B.; COUTO, H. R. F. de. Corporeidade e prática docente na educação do campo na Amazônia paraense. Educ. Form., [S. l.], v. 5, n. 13, p. 113–131, 2019. DOI: 10.25053/redufor.v5i13.1439. Disponível em: https://revistas.uece.br/index.php/redufor/article/view/1439. Acesso em: 11 ago. 2022.