A racionalidade coletiva como paradigma organizativo do MST

Palavras-chave: Burocracia. Capitalismo. MST. Racionalidade coletiva

Resumo

Este artigo originou-se de um recorte de uma tese de doutorado, a qual teve como objetivo principal analisar a gestão educacional do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra, sob o enfoque da burocracia estatal capitalista, como elemento de contradição, tendo em vista que esse Movimento social luta por um paradigma de sociedade que diverge do Estado. Fundamentada no materialismo histórico dialético, a metodologia utilizada para coleta de dados se deu por meio de revisão bibliográfica, análise documental, questionário de perguntas fechadas e entrevistas semiestruturadas. Conclui-se que a organicidade e a sistematização do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra não se encaixam no que se define teoricamente como burocracia, nos clássicos da literatura. Por isso, a autora criou o termo de Racionalidade Coletiva, ao analisar que o referido Movimento em todos os setores encontrou uma nova forma de se estruturar. O propósito é o de que esse conceito sirva para designar tal forma de organização nesse Movimento social.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2017-05-02
Como Citar
SANTOS, A. A racionalidade coletiva como paradigma organizativo do MST. Educação & Formação, v. 2, n. 2, p. 111-130, 2 maio 2017.