Processo de institucionalização da política nacional e estadual de formação docente: Proposições e resistências no Paraná

Palavras-chave: políticas curriculares;, licenciaturas;, formação docente, Progrades

Resumo

Para tratar do processo de institucionalização da política de formação inicial e continuada de professores da Educação Básica e Superior, a partir da gestão e das políticas curriculares nas licenciaturas, o artigo problematiza sociologicamente as tensões e os marcos curriculares da trajetória histórico- contextual que configura o período de 1996 a 2018 no Brasil, perpassando pela análise de documentos educacionais referenciais que materializam expressões de currículo. Na sequência, debate proposições, tensões e resistências percebidas no processo de constituição da política estadual de formação docente no Paraná, tomando como recorte histórico-curricular a Resolução CNE/CP nº 02/2015, interfacetada pelas alternativas coletivas de gestão pedagógica apresentadas pelo Progrades (Fórum Permanente dos Pró-reitores de Graduação das IEES/PR). Como um dos resultados do estágio pós-doutoral, esta pesquisa qualitativa, de cunho bibliográfico e documental, parte das reflexões de currículo como campo de disputa, embasando-se nas contribuições de Pierre Bourdieu.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Angela Maria de Sousa Lima, Universidade Estadual de Londrina

Pós-doutora pelo Programa de Pós-Graduação em Educação, da Universidade Estadual de Maringá (UEM), na Linha de Pesquisa: Políticas e Gestão em Educação (2019). Doutora em Ciências Sociais (2009) pela Universidade Estadual de Campinas; Mestre em Sociologia Política pela Universidade Federal do Paraná (2002) e Graduada em Ciências Sociais pela Universidade Estadual de Londrina (1997).

Mário Luiz Neves Azevedo, Universidade Estadual de Maringá
Professor Titular da Universidade Estadual de Maringá (UEM). Mestre em Educação pela Universidade Federal de São Carlos (UFSCar). Doutor em Educação pela Faculdade de Educação da USP, com estágio de pesquisa, apoiado pela CAPES, no Institut National de Recherche Pédagogique (INRP-França). Pós-doutorado na Universidade de Bristol (UoB-Inglaterra). Pesquisador visitante na Universidade de Cambridge (Wolfson College - 2018/2019) com apoio da CAPES (Edital PVE nº 45/2017). Pesquisador do CNPq.  

Referências

ANDIFES–Associação Nacional dos Dirigentes das Instituições Federais de Ensino Superior.Ofício Circular n. 15/2016. Brasília,DF: Andifes, 2016.

BARRETTO, E.S. S. Políticas de formação docente para a Educação Básica no Brasil: embates contemporâneos. Revista Brasileira de Educação, Rio de Janeiro, v. 20, n. 62,p. 679-701, 2015.

BOURDIEU, P. Os usos sociais da ciência: por uma sociologia clínica do campo científico. São Paulo: Unesp, 2004.

BRASIL. Decreto n.2.208, de 17 de abril de 1997. Regulamenta o § 2º do art. 36 e os arts. 39 a 42 da Lei n.9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, DF, 18 abr. 1997.

BRASIL. Decreto n.5.154, de 23 de julho de 2004. Regulamenta o § 2º do art. 36 e os arts. 39 a 41 da Lei n.9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as Diretrizes e Bases da Educação Nacional, e dá outras providências. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, DF, 26 jul. 2004a.

BRASIL. Decreto n.6.755, de 29 de janeiro de 2009. Institui a Política Nacional de Formação de Profissionais do Magistério da Educação Básica, disciplina a atuação da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior -Capes no fomento a programas de formação inicial e continuada, e dá outras providências. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, DF, 30 jan. 2009a.

BRASIL. Decreto n. 8.752, de 9 de maio de 2016. Dispõe sobre a Política Nacional de Formação dos Profissionais da Educação Básica, considerando as Metas 15-16 do PNE (2014-2024). Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, DF, 10 maio 2016a.

BRASIL. Lei n.9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, DF, 21 dez. 1996a.

BRASIL. Lei n.12.796, de 4 de abril de 2013. Altera a Lei n.9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, para dispor sobre a formação dos profissionais da educação e dar outras providências. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, DF, 5 abr. 2013.

BRASIL. Lei n.13.415, de 16 de fevereiro de 2017. Altera as Leis nos 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as Diretrizes e Bases da Educação Nacional, e 11.494, de 20 de junho 2007, que regulamenta o Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação, a Consolidação das Leis do Trabalho -CLT, aprovada pelo Decreto-Lei n.5.452, de 1º de maio de 1943, e o Decreto-Lei n.236, de 28 de fevereiro de 1967; revoga a Lei n.11.161, de 5 de agosto de 2005; e institui a Política de Fomento à Implementação de Escolas de Ensino Médio em Tempo Integral. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, DF, 17 fev. 2017a.

BRASIL. Medida Provisória n.746, de 22 de setembro de 2016. Institui a Política de Fomento à Implementação de Escolas de Ensino Médio em Tempo Integral, altera a Lei n.9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as Diretrizes e Bases da Educação Nacional, e a Lei n.11.494 de 20 de junho 2007, que regulamenta o Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação, e dá outras providências. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, DF, 23 set. 2016b.

BRASIL. Parecer CNE/CEB n. 3, de 8 de novembro de 2018. Atualização das Diretrizes Curriculares Nacionais para o Ensino Médio, observadas as alterações introduzidas na LDB pela Lei n. 13.415/17. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, DF, 9 nov. 2018.

BRASIL. Parecer CNE/CEB n. 5, de 10 de março de 2010. Consulta sobre a aplicabilidade do Art. 62 da Lei n. 9.394/96 (LDB). Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, DF, 11 mar. 2010.

BRASIL. Parecer CNE/CES n. 15, de 2 de fevereiro de 2005. Solicitação de esclarecimento sobre as Resoluções CNE/CP n. 1/2002 e n. 2/2002. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, DF, 13 maio 2005a.

BRASIL. Parecer CNE/CES n. 197, de 7 de julho de 2004. Consulta, tendo em vista o art. 11 da Resolução CNE/CP n. 1/02, referente às DCNs para a Formação de Professores da Educação Básica em nível superior, curso de licenciatura, de graduação plena. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, DF, 8 jun. 2004b.

BRASIL.Parecer CNE/CES n. 228, de 4de agosto de 2004. Consulta sobre reformulação curricular dos cursos de graduação. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, DF,5 ago. 2004c.

BRASIL. Parecer CNE/CP n. 4, de 6 de julho de 2004.Adiamento do prazo previsto no art. 15 da Resolução CNE/CP n. 1/02, que institui Diretrizes Curriculares Nacionais para a Formação de Professores da Educação Básica, em nível superior, curso de licenciatura, de graduação plena. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, DF,7 jun. 2004d.

BRASIL. Parecer CNE/CP n. 8, de 2junho de 2009. Consulta sobre o conceito da figura de “formados por treinamento em serviço” constante do parágrafo 4º do artigo 87 da LDB. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, DF, 3 jun. 2009b.

BRASIL. Parecer CNE/CP n. 9, de 5 de dezembro de 2007. Reorganização da carga horária mínima dos cursos de Formação de Professores, em nível superior, para a Educação Básica e Educação Profissional no nível da Educação Básica. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, DF, 6 dez. 2007.

BRASIL. Parecer CNE/CP n.9, de 8 de maio de 2001. Diretrizes Curriculares Nacionais para a Formação de Professores da Educação Básica, em nível superior, curso de licenciatura, de graduação plena. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, DF, 18 jan. 2002a.

BRASIL. Parecer CNE/CP n. 15, de 4 de agosto de 2009. Consulta sobre a categoria profissional do professor de curso livre e de Educação Profissional Técnica de Nível Médio, com base no PNE. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, DF,5 ago. 2009c.

BRASIL. Parecer CNE/CP n. 21, de 6 de agosto de 2001. Duração e carga horária dos cursos de Formação de Professores da Educação Básica, em nível superior, curso de licenciatura, de graduação plena. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, DF,7 ago. 2001.BRASIL. Parecer CNE/CP n. 27, de 2 de outubro de 2001. Dá nova redação ao item 3.6, alínea c, do Parecer CNE/CP 9/2001, que dispõe sobre as Diretrizes Curriculares Nacionais para a Formação de Professores da Educação Básica, em nível superior, curso de licenciatura, de graduação plena. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, 18 jan. 2002b.

BRASIL. Parecer CNE/CP n. 28, de 2 de outubro de 2001. Dá nova redação ao Parecer CNE/CP n. 21/2001, que estabelece a duração e a carga horária dos cursos de Formação de Professores da Educação Básica, em nível superior, curso de licenciatura, de graduação plena. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, DF, 18 jan. 2002c.BRASIL. Portaria Capes n. 158, de 10 de agosto de 2017. Dispõe sobre a participação das Instituições de Ensino Superior nos programas de fomento da Diretoria de Formação de Professores da Educação Básica. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil,Poder Executivo, Brasília, DF, 11 ago. 2017b.

BRASIL. Portaria n. 883, de 16 de setembro de 2009. Estabelece as diretrizes nacionais para o funcionamento dos Fóruns Estaduais Permanentes de Apoio à Formação Docente, criados pelo Decreto n.6.755, de 29 de janeiro de 2009. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, DF,17 set. 2009d.

BRASIL. Portaria Normativa n. 9, de 30 de junho de 2009. Institui o Plano Nacional de Formação dos Professores da Educação Básica no âmbito do Ministério da Educação. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, DF, 10 jun. 2009e.

BRASIL. Resolução CNE/CEB n.2, de 1º de julho de 2015. Define as Diretrizes Curriculares Nacionais para a formação inicial em nível superior (cursos de licenciatura, cursos de formação pedagógica para graduados e cursos de segunda licenciatura) e para a formação continuada. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, DF, 2 jul. 2015a.

BRASIL. Resolução CNE/CEBn. 2,de 26 de junho de 1997. Dispõe sobre os programas especiais de formação pedagógica de docentes para as disciplinas do currículo do Ensino Fundamental, do Ensino Médio e da Educação Profissional em nível médio. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, DF, 27 jun. 1997.

BRASIL. Resolução CNE/CP n.1, de 11 de fevereiro de 2009. Estabelece Diretrizes Operacionais para a implantação do Programa Emergencial de Segunda Licenciatura para Professores em exercício na Educação Básica Pública a ser coordenado pelo MEC em regime de colaboração com os sistemas de ensino e realizado por instituições públicas de Educação Superior. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, DF, 2 fev. 2009f.

BRASIL. Resolução CNE/CP n. 1, de 17 de novembro de 2005. Altera a Resolução CNE/CP n. 1/02, que institui DCNs para a Formação de Professores da Educação Básica, em nível superior, curso de Licenciatura de graduação plena. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, DF,18 nov. 2005b.

BRASIL.Resolução CNE/CP n. 1, de18 de fevereiro 2002. Institui DCNs para a Formação de Professores da Educação Básica, em nível superior, curso de licenciatura, de graduação plena. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, DF,19 fev. 2002d.

BRASIL. Resolução CNE/CP n. 1,de 7de janeiro de 2015. Institui DCNs para a Formação de Professores Indígenas em cursos de Educação Superior e de Ensino Médio e dá outras providências. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, DF, 8 jan. 2015b.

BRASIL. Resolução CNE/CP n. 1, de 9 de agosto de 2017. Altera o artigo 22 da Resolução n. CNE/CP n. 2/15, que define as DCNs para a formação inicial em nível superior (cursos de licenciatura, cursos de formação pedagógica para graduados e cursos de segunda licenciatura) e para a formação continuada. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, DF,10 ago. 2017c.

BRASIL. Resolução CNE/CP n. 2, de 19 de fevereiro de 2002. Institui a duração e a carga horária dos cursos de licenciatura, de graduação plena, de formação de professores da Educação Básica em nível superior. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, DF, 4 mar. 2002e. BRASIL. Resolução CNE/CP n. 2, de 27 de agosto de 2004. Adia o prazo previsto no artigo 15 da Resolução CNE/CP 1/2002, que institui DCNs para a Formação de Professores da Educação Básica, em nível superior, curso de licenciatura, de graduação plena. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, DF, 28 ago. 2004e.

BRASIL. Resolução CNE/CP n. 3, de 7 de dezembro de 2012. Altera a redação do art. 1º da Resolução CNE/CP n. 1/09, que estabelece Diretrizes Operacionais para a implantação do Programa Emergencial de Segunda Licenciatura para Professores em exercício na Educação Básica Pública a ser coordenado pelo MEC. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, DF,8 dez. 2012.

CAPES –Coordenadoria Nacional de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior. Relatório de Gestão 2009/2013 -Programa Life. Brasília, DF: Capes, 2014.

LIMA, A. M. S.;BROCHADO, A.P.B. C.Indissociabilidade entre teoria e prática: desafios curriculares contemporâneos para as licenciaturas. In: EDUCERE, 13., 2017,Curitiba. Anais...Curitiba: PUC, 2017.p.17978-17994.

LIMA, A. M. S. et al. Políticas públicas de graduação na perspectiva da gestão democrática: as lições do Progrades. In: EDUCERE, 13., 2017,Curitiba. Anais...Curitiba: PUC,2017.p. 11974-11990.

LIMA, A. M. S. et al. Inovações e desafios curriculares na gestão das licenciaturas: alguns resultados do trabalho coletivo e do Progrades. In: SIMPÓSIO DE EDUCAÇÃO E INOVAÇÃO, 2., 2018, Jacarezinho. Anais...Jacarezinho: IFPR, 2018.p. 1-8.

MANCHOPE, E.; LIMA, A. M. S.; OBARA, A.P. Desafios para a gestão coletiva do Ensino superior nas IEES/PR: em defesa da democratização das políticas curriculares nas licenciaturas.In: SIMPÓSIO DE EDUCAÇÃO E INOVAÇÃO, 2., 2018, Jacarezinho. Anais...Jacarezinho: IFPR, 2018.p. 1-12.

PARANÁ. Ofício Circular CES/GAB n. 28/2015.Curitiba: Secretaria de Ciência, Tecnologia e Ensino Superior do Paraná, 2015.

PROGRADES. Carta ao Fórum Permanente de Apoio à Formação Docente -Londrina. Ponta Grossa/PR, dezembro de 2015.

PROGRADES. Ofício n.10/2016.Ponta Grossa/PR, 18de maio de 2016a.

PROGRADES. Relatório. I Fórum Estadual das Licenciaturas do Paraná. Ponta Grossa/PR, abril de 2016b.

UEL–Universidade Estadual de Londrina. Resolução CEPE/CA n. 70, de 6 de junho de 2018. Cria o Colegiado Gestor da Política Institucional de Formação Inicial e Continuada de Professores (Cogepp) no âmbito da Universidade Estadual de Londrina. Londrina: UEL, 2018.

UEM –Universidade Estadual de Maringá. Resolução COU n.1, de 30 de janeiro de 2018. Institui a Política Institucional da Universidade Estadual de Maringá (UEM) para Formação Inicial e Continuada de Professores da Educação Básica. Maringá: UEM, 2018a.

UEM –Universidade Estadual de Maringá. Resolução COU n.2, de 30 de janeiro de 2018. Aprova o Regulamento do Comitê Gestor da Universidade Estadual de Maringá de Formação Inicial e Continuada de Professores da Educação Básica. Maringá: UEM, 2018b.

UNIOESTE–Universidade Estadual do Oeste do Paraná. Resolução COU n. 152, de 14 de dezembro de 2017. Altera, parcialmente, o Regulamento do Núcleo de Formação Docente e Prática de Ensino –Nufope, da Unioeste. Cascavel: Unioeste, 2017.

UENP–Universidade Estadual do Norte do Paraná. Resolução CEPE n. 008,de 2 de outubro de 2017. Estabelece a Política Institucional de Formação de Professores para a Educação Básica da UENP. Jacarezinho: UENP, 2017.

Publicado
2019-09-02
Como Citar
LIMA, A.; AZEVEDO, M. L. Processo de institucionalização da política nacional e estadual de formação docente: Proposições e resistências no Paraná. Educação & Formação, v. 4, n. 3, p. 124-147, 2 set. 2019.