O Modelo de Professora Primária na Trajetória Docente de Maria Salete van der Poel

Autores

DOI:

https://doi.org/10.25053/redufor.v8.e10244

Palavras-chave:

Gênero, Professora Primária, Trajetória Docente, Maria Salete Van Poel

Resumo

Este artigo trata de um estudo sobre o processo de feminização do magistério primário no Brasil, que incorporou na formação docente oriunda da Escola Normal a docência como característica e atribuição do gênero feminino. Dessa forma, esta investigação buscou analisar o modelo de professora idealizado pela Escola Normal nas décadas de 1940 e 1950 por meio da trajetória docente da professora Maria Salete van der Poel, que atuou no Ensino Primário na década de 1950. Metodologicamente, é uma pesquisa documental realizada a partir da legislação educacional e de produções biográficas e (auto)biográficas da professora que foram analisadas e interpretadas à luz do referencial teórico deste estudo. O estudo constatou que Maria Salete van der Poel tinha em sua
trajetória docente no Ensino Primário marcas do modelo de docente idealizado na década de 1950 pela Escola Normal, visto que a professora era mulher, solteira e atuava com os métodos da Escola Nova.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Luziel Augusto da Silva, Universidade Federal da Paraíba

Mestre em Educação na linha de História da Educação do PPGE da UFPB. Colaborador no grupo
Pedagogia Griô: Cultura, Gênero e Etnias, vinculado ao Conselho Nacional de Desenvolvimento
Científico e Tecnológico (CNPq). Pesquisa temas na área da História da Profissão Docente; Currículo
e Diversidades; e Educação das Relações Étnico-Raciais.

Jean Carlo de Carvalho Costa, Universidade Federal da Paraíba

Doutor em Sociologia pela Universidade Federal de Pernambuco (2003). Estágio Pós-Doutoral Sênior no Instituto de Educação, na área de História da Educação, na Universidade de Lisboa, no biênio 2015/2016, subsidiado pela fundação CAPES (Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior). Professor Associado IV, na área de Sociologia da Educação, no Departamento de Fundamentação da Educação (Centro de Educação).

Ana Paula Romão de Souza Ferreira, Centro de Educação/Universidade Federal da Paraíba

Licenciada em História, mestra e doutora em Educação. Professora Associada (UFPB). Lider do Grupo "Pedagogia Griô: cultura, gênero e etnias" (CNPq). Pesquisa temas na area de História e memória de mulheres; Educação do/no campo e Relações Étnico-raciais.

Referências

ALMEIDA, Jane Soares de. Mulheres na Educação: Missão, vocação e destino? A feminização do magistério ao longo do século XX. In: SAVIANI, D. (org.). O legado educacional do século XX no Brasil. Campinas: Autores Associados, 2004.

ARAÚJO, R. M. S. A implantação da Escola Normal da Parahyba do Norte oitocentista: entre o real e o ideal de progresso social. In: PINHEIRO, A. C. F.; CURY, C. E. (org.). Histórias da educação da Paraíba: rememorar e comemorar. João Pessoa: UFPB, 2012.

BENCOSTTA, M. L. A. Grupos escolares no Brasil: um novo modelo de Escola Primária. In: BASTOS, M. H. C.; STEPHANOU, M. (org.). Histórias e memórias da educação no Brasil: vol. III – século XX. 4. ed. Petrópolis: Vozes, 2011. p. 68-76.

BRASIL. Constituição dos Estados Unidos do Brasil. Diário Oficial da União, Rio de Janeiro, DF, 10 nov. 1937.

BRASIL. Decreto-Lei nº 4.244, de 9 de abril de 1942. Lei orgânica do ensino secundário. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Rio de Janeiro, DF, 10 abr. 1942.

BRASIL. Decreto-Lei nº 8.529, de 2 de janeiro de 1946. Lei Orgânica do Ensino Primário. Diário Oficial da União, Poder Executivo, Rio de Janeiro, DF, 4 jan. 1946a.

BRASIL. Decreto-lei nº 8.530, de 2 de janeiro de 1946. Lei Orgânica do Ensino Normal. Diário Oficial da União, Poder Executivo, Rio de Janeiro, DF, 4 jan. 1946b.

BRASIL. Lei nº 4.024, de 20 de dezembro de 1961. Fixa as Diretrizes e as Bases para o Ensino de 1º e 2º graus, e dá outras providências. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, DF, 27 dez. 1961.

BURKE, P. A escrita da História: novas perspectivas. Tradução de Magda Lopes. São Paulo: Unesp, 1992.

CARVALHO, M. E. P. Mulheres na Física: experiências de docentes e discentes na educação superior. Cadernos Pagu, Campinas, n. 62, e216214, 2020. DOI: https://doi.org/10.1590/18094449202100620014

COSTA, F. J. M.; MOTA, B. G. N.; SANTANA, J. R. História das mulheres: formação docente, lutas e conquistas. Educação & Formação, Fortaleza, v. 7, e8015, 2022. DOI: https://doi.org/10.25053/redufor.v7.e8015. Disponível em: https://revistas.uece.br/index.php/redufor/article/view/8015. Acesso em: 3 mar. 2023. DOI: https://doi.org/10.25053/redufor.v7.e8015

GHIRALDELLI JUNIOR, P. História da educação brasileira. 5. ed. São Paulo: Cortez, 2015.

KULESZA, W. A. Formação histórica da escola normal da Paraíba. In: FREITAS, A. G. B. et al. (org.). As escolas normais no Brasil: do Império à República. Campinas: Alínea, 2008. p. 263-278.

LOURO, G. L. Gênero, sexualidade e educação: uma perspectiva pós-estruturalista. 16. ed. Petrópolis: Vozes, 2014.

PINHEIRO, A. C. F. De Escola Normal Rural para Escola Normal Regional de Souza-PB: a formação de professoras(es) para o meio rural (1943-1961). Revista Cadernos de Pesquisa em Educação, Vitória, v. 22, n. 52, p. 96-114, 2020.

ROMANELLI, O. O. História da educação no Brasil (1930/1973). 40. ed. Petrópolis: Vozes, 2014.

SAVIANI, D. Escola e democracia. 43. ed. Campinas: Autores Associados, 2018.

SAVIANI, D. História das ideias pedagógicas no Brasil. 5. ed. Campinas: Autores Associados, 2019.

SCOTT, J. Gênero: uma categoria útil de análise histórica. Educação e Realidade, Porto Alegre, v. 20, n. 2, p. 5-22, 1995.

SILVA, L. A. Educação libertadora como bússola educativa: história e memórias de vida professoral de Maria Salete van der Poel (1960-1969). 2022. Dissertação (Mestrado em Educação) – Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade Federal da

Paraíba, João Pessoa, 2022.

SOUZA (BRASIL), J. E. A pesquisa sobre o ensino primário no Brasil: um modo de compreender o significado social do ensino. Revista História da Educação, [S.l.], v. 23, p. 1-19, 2019. DOI: https://doi.org/10.1590/2236-3459/93910

VAN DER POEL, M. S.; VAN DER POEL, C. J. Trajetória de uma militância educacional: do sistema freireano ao letramento sócio-histórico. São Leopoldo: Oikos; João Pessoa: UFPB, 2007.

VILLELA, H. O. S. O mestre-escola e a professora. In: FARIAS FILHO, L. M.; LOPES, E. M. T.; VEIGA, C. G. (org.). 500 nos de educação no Brasil. 5ª ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2016. p. 95-134.

Publicado

2023-06-26

Como Citar

SILVA, L. A. da; COSTA, J. C. de C.; FERREIRA, A. P. R. de S. O Modelo de Professora Primária na Trajetória Docente de Maria Salete van der Poel. Educ. Form., [S. l.], v. 8, p. e10244, 2023. DOI: 10.25053/redufor.v8.e10244. Disponível em: https://revistas.uece.br/index.php/redufor/article/view/10244. Acesso em: 13 jun. 2024.