Políticas públicas e formação de professores sob a perspectiva da racionalidade comunicativa: da ingerência tecnocrata à construção da autonomia profissional

  • Amadeu Moura Bego
Palavras-chave: Políticas públicas em educação.Formação de professores.Racionalidade comunicativa.Autonomia escolar.Autonomia docente.

Resumo

A partir dos conceitos de racionalidade comunicativa e de ação educativa, o presente trabalho apresenta uma discussão crítica acerca da exacerbada ingerência tecnocrata nas unidades escolares de Educação Básica em nosso país, o que tem culminado em sua desinstitucionalização e também na perda da autonomia do trabalho do professor. Apresentam-se as potencialidades da racionalidade comunicativa como meio possível para a restauração do espaço público e do resgate tanto da autonomia profissional docente como da autonomia institucional das unidades escolares, a fim de que, para além de meras executoras de projetos hegemônicos concebidos por especialistas externos, possam conceber e desenvolver seu trabalho escolar buscando a consonância entre as Diretrizes e Bases da Educação Nacional, as demandas regionais e as decisões coletivas da comunidade.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2016-05-02
Como Citar
BEGO, A. Políticas públicas e formação de professores sob a perspectiva da racionalidade comunicativa: da ingerência tecnocrata à construção da autonomia profissional. Educação & Formação, v. 1, n. 2, p. 3-24, 2 maio 2016.