CONCEPÇÕES DE GÊNERO E SEXUALIDADE D@S DOCENTES DO CURSO DE LICENCIATURA EM PEDAGOGIA

POR UM CURRÍCULO QUEER

  • Pedro Paulo Souza Rios
  • Helma de Melo Cardoso
  • Alfrancio Ferreira Dias
Palavras-chave: Currículo. Gênero. Sexualidades. Formação docente.

Resumo

O presente estudo tem por objetivo refletir acerca da concepção d@s docentes do curso de licenciatura em Pedagogia da Universidade Federal de Sergipe, campusde Itabaiana, sobre as temáticas: gênero, corpo e sexualidade. Utilizou-se a perspectiva teórica pós-crítica. Os sujeitos da pesquisa foram docentes do referido curso, com @s quais foram aplicadas entrevistas semiestruturadas. O estudo sinalizou que, nas últimas décadas, são perceptíveis alguns avanços em relação às temáticas abordadas. Contudo, as mesmas estão no campo da implicação epistemológica individual d@ docente, fato que sinaliza para a necessidade de uma mudança na estrutura curricular, incorporando posturas da pedagogia queer e propõe uma nova postura política, novas estratégias, atitudes, procedimentos pedagógicos subversivos, que demarcam as possibilidades de negociação na universidade.

Referências

BRASIL. Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, DF, 23 de dezembro de 1996.

BUTLER, J. Corpos que ainda importam.Sapere Aude, Belo Horizonte, v. 6, n.11, p.12-16, 2015.

CANDAU, V. M. Sociedade multicultural e Educação: tensões e desafios. In: CANDAU, V. M.(Org.). Cultura(s) e Educação: entre o crítico e o pós-crítico. DP&A, 2005.p. 13-37.

DENZIN, N. K.; LINCOLN, Y. S. Introdução: a disciplina e a prática da pesquisa qualitativa. In: DENZIN, N. K.; LINCOLN, Y. S. (Org.).Planejamento da pesquisa qualitativa:teorias e abordagens. Porto Alegre: Artmed, 2006. p. 15-42.

DIAS, A. F. Como as escolas educam corpos nas práticas pedagógicas? Revista Tempos e Espaços em Educação, Sergipe, v. 7, p. 103-112, 2014a.

DIAS, A. F. Representações sociais de gênero no trabalho docente:sentidos e significados atribuídos ao trabalho e a qualificação. Vitória da Conquista: UESB, 2014b.

FREIRE, J. B. Educação de corpo inteiro:teoria e prática da Educação Física. São Paulo: Scipione, 1992.

GIDDENS, A. As consequências da modernidade. São Paulo: Unesp, 1990.

HALL, S. A identidade cultural na pós-modernidade. 11. ed. Rio de Janeiro: DP&A, 2011.

LOURO, G. L. Gênero e magistério: identidade, história, representação. In: CATANI, D. et al. (Org.). Docência, memória e gênero: estudos sobre formação. São Paulo: Escrituras, 2000. p. 77-84.

LOURO, G. L. Gênero, sexualidade e Educação: uma perspectiva pós-estruturalista. 6. ed. Petrópolis: Vozes, 1997.

LOURO, G. L. Mulheres na sala de aula. In: DEL PRIORE, M. (Org.).História das mulheres no Brasil. São Paulo: Contexto, 2004. p. 443-481.

LOURO, G. L. (Org.). O corpo educado. Belo Horizonte: Autêntica, 2010.

LOURO, G. L. (Org.). Teoria queer:uma política pós-identitária para a Educação. Estudos Feministas, Florianópolis,v. 9, n. 2, p. 541-553, 2011.

LOURO, G. L. Um corpo estranho: ensaios sobre sexualidade e teoria queer. Belo Horizonte: Autêntica, 2007.

MELLO, J.C.; LEITE, E. Discursos velados: memória e cotidianidade feminina. In: LEMOS, M. T.T.B.; MORAES, N.A. (Org.).Memória, identidade e representações. Rio de Janeiro: 7 Letras, 2000. p. 38-42.

MEYER, D. E. Gênero e Educação: teoria e prática. In: LOURO, G. L.; NECKEL, J.F.;GOELLNER,S. V. (Org.).Corpo, gênero e sexualidade:um debate contemporâneo na Educação. Petrópolis: Vozes, 2003.p.9-27.

MEYER, D. E.; SOARES, R. F. R. Corpo, gênero e sexualidade nas práticas escolares: um início de reflexão. In: MEYER, D. E.; SOARES, R. F. R. (Org.). Corpo, gênero e sexualidade. Porto Alegre: Mediação, 2004. p. 5-16.

MIGUEZ, E. M. Sexualidade: fundamentos antropológicos e o papel da Educação. In: CERQUEIRA, E. K. (Org.). Sexualidade, gênero e desafios bioéticos. São Caetano do Sul: Difusão, 2011.p. 133-169.

SABAT, R. Pedagogia cultural, gênero e sexualidade. Revista Estudos Feministas, Florianópolis,v. 9, n. 12, 2007.

SANT’ANNA, D. B. É possível realizar uma história do corpo? In: SOARES, C. L. (Org.). Corpo e história. Campinas: Autores Associados, 2006. p. 3-23.

SCOTT, W. J. Gênero: uma categoria útil para análise histórica.Educação e Realidade, Porto Alegre, v. 20, n. 2, p. 71-99,1995.

SCOZ, B. J. L. Identidade e subjetividade de professores: sentidos do aprender e do ensinar. Petrópolis: Vozes, 2011.

SILVA, F. F. Lições de sexualidade na escola. In: SILVA, F. F.; MELLO, E. M. B. (Org.). Corpos, gêneros, sexualidades e relações étnico-raciais na Educação. Uruguaiana: Unipampa, 2011.p. 146-157.

SILVA, T. T. Currículo e identidade social: territórios contestados. In: SILVA, T. T. (Org.).Alienígenas na sala de aula: uma introdução aos estudos culturais em Educação. Petrópolis: Vozes, 1995.p. 190-207.

SILVA, T. T. Documentos de identidade: uma introdução às teorias do currículo. Belo Horizonte: Autêntica, 2003.

SILVA, T. T. O currículo como fetiche: a poética e a política do texto curricular.Belo Horizonte: Autêntica, 2010.

TRUJILLO, G. Pensar desde otro lugar, pensar lo impensable: hacia una pedagogía queer. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 41, n. esp., p. 1527-1540, 2015.

VAYER, P. A criança diante do mundo: na idade da aprendizagem escolar. Porto Alegre: Artes Médicas, 1986.
Publicado
2018-09-05