Evasão na EJA

um desafio histórico

Autores

DOI:

https://doi.org/10.25053/redufor.v5i13.990

Palavras-chave:

Educação de Jovens e Adultos, Evasão, Educação, Práticas Pedagógicas

Resumo

Este artigo objetiva analisar quais possíveis fatores estão contribuindo para a evasão da Educação de Jovens e Adultos em uma Escola Estadual no município de Santa Maria do Pará. Busca-se responder: quais os possíveis fatores que contribuem para a evasão da EJA na escola Estadual de Santa Maria do Pará? Os resultados foram: ausência de um Currículo que leve em consideração a especificidade do público da EJA; falta de segurança no ambiente de ensino e em sua localidade; falta de projetos que sirvam como atrativo para os discentes; professores mais comprometidos com a educação; há maior matrícula do público feminino; entre outros.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ana Paula Cunha dos Santos Fernandes, Universidade do Estado do Pará

Professora doutora na Universidade do Estado do Pará com atuação na graduação e na Pós-Graduação em Educação. Coordeno o Grupo de Estudos e Pesquisas em Educação Especial na Amazônia - GEPEEAm.

Iranildo da Silva Oliveira, Universidade do Estado do Pará

Mestrando no Programa de Pós-Graduação em Educação na Universidade do Estado do Pará, na Linha de Formação de Professores e Práticas Pedagógicas. Graduado em Pedagogia. Especialista em Atendimento Educacional Especializado. Atuante no Grupo de Estudos e Pesquisas em Educação Especial na Amazônia.

Referências

ARROYO, M. G. O direito do trabalhador à educação. In: GOMES, C. M. et al. (Org.). Trabalho e conhecimento: dilemas na educação do trabalhador. São Paulo: Cortez, 2002. p. 75-92.

BRASIL. Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, DF, 21 dez. 1996.

BRASIL. Parecer CNE/CEB n. 6/2010. Reexame do Parecer CNE/CEB, que institui Diretrizes Operacionais para a Educação de Jovens e Adultos – EJA, nos aspectos relativos à duração dos cursos e idade mínima para ingresso nos cursos de EJA; idade mínima e certificação nos exames de EJA; e Educação de Jovens e Adultos desenvolvida por meio da Educação a Distância. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, DF, 7 abr. 2010.

BRASIL. Proposta Curricular para a educação de jovens e adultos: segundo segmento do ensino fundamental: 5ª a 8ª série: introdução. Brasília, DF: Ministério da Educação, 2002.

FERNANDES, A. P. C. S.; GONÇALVES, T. G. Alunos com deficiência na Educação de Jovens e Adultos: e a formação para os professores? In: RESENDE DA COSTA, M. P. (Org.). Educação especial: sugestões de recursos para os ambientes educacionais inclusivos. São Carlos: Pedro & João, 2013. p. 29-50.

FONSECA, J. J. S. Metodologia da pesquisa científica. Fortaleza: UEC, 2002. Apostila.

FREIRE, P. Educação como prática da liberdade. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1967.

FREIRE, P. Pedagogia da esperança: um reencontro com a pedagogia do oprimido. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1992.

FREIRE, P. Pedagogia da indignação: cartas pedagógicas e outros escritos. São Paulo: Unesp, 2000.

FREIRE, P. Pedagogia do oprimido. 17. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1987.

GADOTTI, M. Educação de adultos como direito humano. São Paulo: Paulo Freire, 2009.

IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Censo 2010. Rio de Janeiro: IBGE, 2011.

LARA, P. J. Educação de Jovens e Adultos: perspectivas e evasão no município de Cáceres-MT. 2011. 98 f. Dissertação (Mestrado Acadêmico em Educação) – Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade do Oeste Paulista, Presidente Prudente, 2011.

MACHADO, M. M. (Org.). Formação de educadores de jovens e adultos. Brasília, DF: Secadi: Unesco, 2008.

MACHADO, M. M. Processos de formação de educadores de jovens e adultos: os desafios políticos e pedagógicos da formação de educadores de EJA no Brasil. In: DALBEN, Â. I. L. F. et al. (Org.). Convergências e tensões no campo da formação e do trabalho docente. Belo Horizonte: Autêntica, 2010. p. 100-121.

NOGUEIRA, A. A. S. Educação de Jovens e Adultos na cidade de Natal: uma reflexão sobre insucesso e sucesso. 2012. 68 f. Dissertação (Mestrado Acadêmico em Educação) – Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, 2012.

ROCHA, W. M. Educação de Jovens e Adultos e a evasão escolar: o caso do Instituto Federal do Ceará, campus de Fortaleza. 2011. 157 f. Dissertação (Mestrado Acadêmico em Educação) – Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, 2011.

SANTA MARIA DO PARÁ. Projeto Político-Pedagógico. 2012.

SANTOS, V. P. Educação de Jovens e Adultos: um estudo sobre trajetórias escolares interrompidas. 2012. 167 f. Dissertação (Mestrado Acadêmico em Educação) – Programa de Pós-Graduação em Educação, Pontifícia Universidade Católica de Goiás, Goiânia, 2012.

TODOS PELA EDUCAÇÃO. Anuário Brasileiro da Educação Básica. São Paulo, Moderna, 2014.

UNESCO – Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura. Declaração de Hamburgo: agenda para o futuro. Brasília, DF: Sesi/Unesco, 1999.

UNESCO – Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura. Alfabetização de jovens e adultos no Brasil: lições da prática. Brasília, DF: Unesco, 2008.

Publicado

2019-12-09

Como Citar

FERNANDES, A. P. C. dos S.; OLIVEIRA, I. da S. Evasão na EJA: um desafio histórico. Educ. Form., [S. l.], v. 5, n. 13, p. 79–94, 2019. DOI: 10.25053/redufor.v5i13.990. Disponível em: https://revistas.uece.br/index.php/redufor/article/view/990. Acesso em: 16 maio. 2022.