A justiça social por meio das cotas na Universidade Federal de Rondônia

Palavras-chave: Lei de Cotas; Justiça Social; Medicina. Direito. UNIR.

Resumo

O problema que orientou essa pesquisa foi se a Lei nº 12.711/2012 (Lei de Cotas), enquanto política pública de ação afirmativa, é favorável ao atendimento da justiça social. Para traçar o perfil dos estudantes que ingressaram na Universidade Federal de Rondônia (UNIR - Porto Velho), por meio das Cotas tomou como base documental os registros acadêmicos da Instituição. O aporte teórico epistemológico respaldou-se nas concepções de Paulo Freire em seu método dialético crítico. Sobre a escolha dos cursos analisados, Medicina e Direito, levou-se em consideração a maior concorrência nos processos seletivos da UNIR (2013-2018), apontando: Medicina, em primeiro lugar; Direito, em segundo; a tradição destes na formação da classe elitizada brasileira, o status que ambos os cursos pressupõem dar aos concluintes. Os resultados assinalaram que as cotas hoje, apesar de uma série de críticas, oposições e erros de aplicação, têm sido a possibilidade de ingresso no ensino superior público.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Aparecida Luzia Alzira Zuin, Universidade Federal de Rondônia

Doutora em Comunicação e Semiótica pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo e vice-coordenadora do Mestrado em Educação da Universidade Federal de Rondônia.

Eliane Bastos, Universidade Federal de Rondônia

Mestre em Educação, pelo Programa de Pós-Graduação Mestrado Acadêmico em Educação. Universidade Federal de Rondônia. Graduada em Sociologia.

Referências

BANIWA, Gersem. A Lei das Cotas e os Povos Indígenas: Mais um desafio para a diversidade. Cadernos do Pensamento Crítico Latino-Americano. Clacso/Flacso Brasil, nº 34, janeiro, 2013.

BERTÚLIO, Dora Lúcia de Lima. Racismo e Desigualdade Racial no Brasil. In: DUARTE, Evandro C. Piza (coord.) – Cotas Raciais no Ensino Superior: entre o jurídico e o político. Curitiba: Juruá, 2012.

BRANDÃO, Carlos da Fonseca. As Cotas na Universidade Pública Brasileira: Será esse o caminho? Campinas: Autores Associados, 2005.

BRASIL. Presidência da República – Casa Civil - Subchefia para Assuntos Jurídicos. Lei nº 12.711 de 29 de agosto de 2012. Cotas. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2012/lei/l12711.htm>. Acesso em: jul. 2017.

BRITO FILHO, José Cláudio Monteiro de. Ações Afirmativas. São Paulo: LTr, 2016.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da Indignação: cartas pedagógicas e outros escritos. São Paulo: Paz e Terra, 2014.

GOMES, Joaquim B. Barbosa. Ação afirmativa & princípio constitucional da igualdade: O direito como instrumento de transformação social. Rio de Janeiro: Editora Renovar, 2007.

GOMES, Nilma Lino. Alguns termos e conceitos presentes no debate sobre relações raciais no Brasil: uma breve discussão. Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade, 2005.

IBGE. População chega a 205,5 milhões, com menos brancos e mais pardos e pretos. Disponível em: < https://agenciadenoticias.ibge.gov.br/agencia-noticias/2010-agencia-de-noticias/noticias/18282-pnad-c-moradores.html> Acesso em: abr. 2018.

IKAWA, Daniela. As ações afirmativas em universidades. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2008.

KAUFMANN, Roberta Fragoso Menezes. A Desconstrução ao Mito da Raça e a Inconstitucionalidade de Cotas Raciais no Brasil. Assunto Especial – Doutrina. DPU Nº 36, nov.dez/ 2010.

PINTO, José Marcelino de Rezende. O Acesso à educação Superior no Brasil. Educ. Soc., Campinas, vol. 25, n. 88, p. 727-756, Especial – Out. 2004. Disponível em: <http://www.cedes.unicamp.br>. Acesso em: 5 jun. 2017.

PIOVESAN, Flavia. Ações Afirmativas Sob a Perspectiva dos Direitos Humanos. In: DUARTE, Evandro C. Piza (coord). Cotas Raciais no Ensino Superior. Curitiba: Juruá, 2012.

RISTOFF, Dilvo Ilvo. O novo perfil do campus brasileiro: uma análise do perfil sócio-econômico do estudante de graduação. Avaliação, Campinas, SP, v. 19, 2014, p. 723-747.

SANTOS, Sales Augusto dos (Org.). Ações Afirmativas e Combate ao Racismo nas Américas. Brasília: Ministério da Educação: UNESCO, 2005. p. 45-79.

UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA. Processo Seletivo. Disponível em: http://www.unir.br/. Acesso em: 9 jun. 2018.

UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA. Diretoria de Controle e Registro Acadêmico. Dirca. Unir. Disponível em http://www.processoseletivo.unir.br. Acesso em: 23 jun. 2018.

UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA. Departamento de Ciências Jurídicas. Unir. Disponível em: http://www.dcj.unir.br/pages/npj.php. Acesso em: 12 abr. 2018.

UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA. Departamento de Medicina. Disponível em http://www.depmed.unir.br/. Acesso em: 10 jun. 2018.

UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA. Vestibular Unir. Disponível em: http://www.vestibular.unir.br/. Acesso em: 23 maio 2018.

Publicado
2019-06-18
Como Citar
ZUIN, A. L.; BASTOS, E. A justiça social por meio das cotas na Universidade Federal de Rondônia. Educação & Formação, v. 4, n. 12 set/dez, p. 104-123, 18 jun. 2019.