Formação docente em educação física: Perspectivas de uma racionalidade pedagógica do corpo em movimento

Palavras-chave: Formação Docente em Educação Física, Racionalidade pedagógica, Cultura corporal de movimento.

Resumo

É tecido como objetivo deste trabalho discutir as clivagens histórico-críticas na formação docente em Educação Física (EF), como caminho que aponta perspectivas de uma racionalidade pedagógica do corpo em movimento. Constitui-se o escrito como ensaio teórico-reflexivo ancorado nos fundamentos do Paradigma Crítico da EF significado pela práxis, na qual os (des)caminhos da formação e desenvolvimento profissional reverberam no pensamento reflexivo-crítico como modo de agir cultural e epistemologicamente. A leitura histórico-crítica da realidade na profissão docente em EF aponta como emergente a (re)construção de traços identitários na EF sobre o ser-fazer imperativo, em oposição às forças hegemônicas neoliberais, como significação das relações de empoderamento que encenam o palco das transformações didáticas, vislumbrando o processo de redemocratização das ideias pedagógicas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Samara Moura Barreto de Abreu, Universidade Estadual do Ceará

Mestra em Educação pela Universidade Estadual do Ceará, Brasil. Coordenadora de área do PIBID Educação Física do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia - IFCE Campus Canindé.

Wilson Nóbrega Sabóia, Universidade de Fortaleza

Mestre em Educação pela Universidade Estadual do Ceará, Brasil. Técnico de Equipe da Universidade de Fortaleza.

Silvia Maria Nobrega-Therrien, Universidade Estadual do Ceará

Doutora em Sociologia em Educação pela Universidade de Salamanca, Espanha. Coordenadora do Laboratório de Educação e Saú da Universidade Estadual do Ceará.

Referências

ADORNO,T.W. Educação e emancipação. Rio de Janeiro: Paz e Terra,1995.

ALVES,F.S.;CARVALHO,Y.M. A Educação Física no plano da experiência: implicações na pesquisa e na intervenção profissional e docente. Pensar a Prática, Goiânia,v.18,n.1,p.1-12,2015.

ARROYO, M. Ofício de mestre: imagens e autoimagens. Petrópolis: Vozes,2000.

AZEVEDO,Â.C.B. ;MALINA, A. Memória do currículo de formação profissional em Educação Física no Brasil. Revista Brasileira de Ciências e Esportes, Campinas, v.25, n.2, p.129-142,2004.

BENITES,L.C.; SOUZANETO,S.; HUNGER,D.A.C.F. O processo de constituição histórica das diretrizes curriculares na formação de professores de Educação Física. Educação e Pesquisa, São Paulo, v.34, p.343-360,2008.

BETTI,M.;RANGEL-BETTI,I.C.A.R. Novas perspectivas na formação profissional em Educação Física. Revista Motriz, Rio Claro, v.2,n.1, p.10-15, 1996.

BRACHT,V. A constituição das teorias pedagógicas da Educação Física. Cadernos Cedes, Campinas,v.19,n.48, p.69-88,1999.

BRACHT,V. Educação Física: a busca da autonomia pedagógica. Revistada Fundação de Esporte e Turismo, Curitiba,v.1,n.2,p.12-19,1989.

BRACHT,V. Educação Física e aprendizagem social. Porto Alegre: Magister, 1992.

BRASIL. Lei n. 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, DF, 21dez. 1996.

CASTELLANI FILHO, L. Educação Física no Brasil: a história que não se conta. Campinas: Papirus,1988.

DEMO,P. Pesquisa e construção de conhecimento: metodologia científica no caminho de Habermas. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1994.

DUCA,G.F.etal. Grupos de pesquisa em cursos de Educação Física com pós-graduação“stricto sensu” no Brasil: análise temporal de 2000 a 2008. Revista Brasileira de Educação Física e Esporte, São Paulo, v.25, n.4 ,p.607-617,2011.

FENSTERSEIFER, P.E. Corporeidade e formação do profissional na área da Saúde. Revista Brasileira de Ciências do Esporte,Campinas,v.27,n.3,p.93-102,2006.

FOUCAULT, M. Vigiar e punir: nascimento da prisão.Petrópolis:Vozes,1977.

FREIRE,P. A ação cultural para a liberdade e outros escritos. Rio de Janeiro: Paz e Terra,1978.

FREIRE,P. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra,1996.

FREIRE,P.;SHOR,I. Medo e ousadia: o cotidiano do professor. 13.ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2011.

HARVEY,D. O corpo como estratégia de acumulação. In: HARVEY,D. Espaços de esperança. São Paulo: Loyola, 2000. p.135-160.

PIMENTA,S.G. Docência no ensino superior. 2.ed. São Paulo: Cortez,2005.

SACRISTÁN, J.G. Poderes instáveis em educação. Porto Alegre: Artes Médicas,1999.

SAVIANI, D. História das ideias pedagógicas no Brasil. Campinas: Autores Associados, 2007.

SAVIANI,D. Transformações do capitalismo, do mundo do trabalho e da educação. In: LOMBARDI ,J.C.,SAVIANI,D.; SANFELICE, J.L.(Org.). Capitalismo, trabalho e educação. Campinas: Autores Associados, 2002.p.13-24.

SILVA,R.V.S. Pesquisa em Educação Física: determinações históricas e implicações epistemológicas. 1997. 279f. Tese(Doutorado em Educação) –Programa de Pós--Graduação em Educação, Universidade de Campinas,Campinas,1997.

TARDIF,M.; LESSARD,C. O trabalho docente: elementos para uma teoria da docência como profissão de interações humanas. Petrópolis: Vozes, 2005.

THERRIEN, J. Os saberes da racionalidade pedagógica na sociedade contemporânea. Revista Educativa, Goiânia, v.9, n.1,p.67-81, 2006.

VARGAS,C.P.; MOREIRA, A.F.B. A crise epistemológica na Educação Física: implicações no trabalho docente. Caderno de Pesquisa, São Paulo, v.42, n.146, p.408-427, 2012.

Publicado
2019-01-25
Como Citar
ABREU, S.; SABÓIA, W.; NOBREGA-THERRIEN, S. Formação docente em educação física: Perspectivas de uma racionalidade pedagógica do corpo em movimento. Educação & Formação, v. 4, n. 12 set/dez, p. 191-206, 25 jan. 2019.