IMPACTO COGNITIVO DO USO INTENSIVO DA INTERNET

A AUTONOMIA DOS ESTUDOSCOM DISPOSITIVOS NA ADOLESCÊNCIA

Palavras-chave: cognição, Internet, autonomia, estudos, adolescência.

Resumo

Alguns teóricos atuais assinalam que alterações cognitivas mediadas por tecnologias da informação e comunicação estão ocorrendo. Ao mesmo tempo, acredita-se em senso comum, que estudantes com acesso aos recursos da Internet desde cedo se tornam mais independentes ou autônomos na construção do conhecimento, mesmo o científico. Na perspectiva de Vygotsky, esses conceitos derivam da formação de um sistema de interrelações consistentes adquiridas por meio da educação formal, quase sempre com a ajuda de adultos. Nessa perspectiva, a análise envolveu a compreensão da autonomização pelo uso da Internet nas principais TDIC: computadores, celulares, tablets, etc. Partiu-se da hipótese de que essa influência só pode ser percebida a partir da intensificação do uso da Internet. A metodologia é descritiva commétodo qualitativo e quantitativo. Os dados mostraram não haver forte relação entre uso da Internet e autonomização do aluno. Contudo, os resultados com diferenças estatísticas na contraposição de grupos de uso intensivo ou não apontaram sempre porcentagens ligeiramente maiores para o primeiro grupo. Ao mesmo tempo, o uso da Internet para pesquisa escolar e estudo configura-se prática evidentemente disseminada. Conclui-se que a intensificação do uso da Internet manifesta-se mais fortemente enquanto agente de mudança nas práticas sociais em educação do que na cognição.

Referências

BOGDAN, R. C.; BIKLEN, S. K. Características da investigação qualitativa. Investigação qualitativa em educação. Uma introdução à teoria e aos métodos. Porto, Portugal: Porto Editora, 1994.
BRASIL. Secretaria de Comunicação. Pesquisa Brasileira de Mídia, Brasília: SECOM,2014.
CHARLOT, Bernard. Da relação com o saber às práticas educativas. Cortez Editora, 2014. 288 p. Versão Kindle.
FIGUEIRA, A. P. C. Metacognição e seus contornos. Revista Iberoamericana deEducación, jun. 2003. Disponível mídiaem: .Acesso em: 20 ago 2014.
FLAVELL, J. H. The development of children’s knowledge about the mind: From cognitive connections to mental representations. Developing theories of mind, 1988, p. 244-267.
FLAVELL, J. H.; WELLMAN, H. M. Metamemory. Eric, ago. a set., 1977. Disponível em: Acesso em: ago. 2015.
GIACOMETTI-ROCHA, E. Análise das Tecnologias Digitais de Informaçãoe Comunicação como mediadoras de relações e da construção do conhecimento de adolescentes. Dissertação (Mestrado em Ciência, Tecnologia e Sociedade) – Programa de Pós-Graduação em Ciência, Tecnologia e Sociedade, Universidade Federal de São Carlos, São Carlos, 2015.
GRANGEAT, M. (coord.). A metacognição, um apoio ao trabalho dos alunos. Porto, Portugal: Porto Editora, v. 1, 1999.
GREENFIELD, D. propriedades de dependência do uso de Internet, As. In: YOUNG, K. S.; ABREU, C. N. de. Dependência de Internet: manual e guia de avaliação e tratamento. Artmed, 2011.
KERCKHOVE, D. A pele da cultura: uma investigação sobre a nova realidade eletrônica. Lisboa: Relógio d'água, 1995.
PIAGET, J. A tomada de consciência. São Paulo: Edusp/Melhoramentos, 1977.
PRENSKY, M. Digital natives, digital immigrants part 1. On the horizon, v. 9, n. 5, p. 1-6, 2001. Disponível em: http://www.emeraldinsight.com/doi/abs/10.1108/10748120110424816 Acesso em: Ago. 2015.
PRENSKY, M. R. From digital natives to digital wisdom: Hopeful essays for 21st century learning. Corwin Press, 2012. Versão Kindle.
PRENSKY, M. R.; BERRY, B. D. Do they really think differently. On the horizon, v. 9, n. 6, p. 1-9, 2001.
RIBEIRO, C. Metacognição: um apoio ao processo de aprendizagem. Psicologia: reflexão e crítica, v. 16, n. 1, p. 109-116, 2003.
VYGOTSKY, L. Formação Social da Mente. São Paulo: Martins Fontes, 1987.
Publicado
2018-12-31