LIBERDADE, IGUALDADE E DEMOCRACIA

O IDEÁRIO REPUBLICANO E A EDUCAÇÃO DAS MULHERES NO INÍCIO DO SÉCULO XX NO BRASIL

Palavras-chave: Mulheres. Liberalismo. Educação. Primeira República.

Resumo

O presente artigo tem como objetivo apresentar uma reflexão acerca da influência dos ideais liberais na educação das mulheres no contexto da Primeira República brasileira (1889-1930). A pesquisa, de caráter bibliográfica, fundamenta-se em livros, artigos e publicações científicas que apresentam reflexões diante do tema proposto neste estudo. A discussão aqui apresentada prioriza a relação da educação com os fatores econômicos, políticos e sociais, já que se compreende que o objeto de pesquisa não pode ser entendido como uma situação isolada. Constatou-se que os ideais liberais influenciaram o discurso de que a educação seria para todos, entretanto, a entrada das mulheres nesse campo, se deu de forma lenta e distinta. A República não visava a emancipação econômica, política e nem o pleno desenvolvimento feminino.

Referências

ALMEIDA, Jane Soares de. Mulher e Educação: a paixão pelo possível. São Paulo: EDUNESP, 1998.

_____. Ler as letras: por que educar as mulheres? Campinas: Autores Associados, 2007.

_____. Mulheres na educação: missão, vocação e destino? In: SAVIANI, Dermeval et al.O legado educacional do século XX no Brasil. Campinas,SP: Autores Associados, 2014. p. 55-96.
BERLOFFA, Viviane de Oliveira. MACHADO, Maria Cristina Gomes. A constituição dos grupos escolares no período republicano: perspectivas de modernização da sociedade brasileira. Disponível em: Acesso em: 10 de jan/2017.

BOBBIO, Norberto. Liberalismo e democracia. São Paulo: Brasiliense, 1997.

BRASIL. Constituição Federal 1988. Rio de Janeiro: Ministério da Educação – Fundação de Assistência ao Estudante – FAE, 1989.

BRASIL. Decreto Lei n° 8.025, de 16 de março de 1881.

BRUSCHINI, Cristina; AMADO, Tina. Estudos sobre mulher e educação: algumas questões sobre o magistério. Cad. Pesq., São Paulo (64): 4-13, fev. 1988.

CHAUÍ, Marilena. Ideologia e educação. Revista Educação e Sociedade, São Paulo, n.5, p. 24-40, 1980.

CHAVES, Eduardo O. C. O liberalismo na política, economia e sociedade e suas implicações para a educação. In: Liberalismo e educação em debate. José Claudinei Lombardi e José Luis Sanfelice (Orgs.). Campinas – SP: Autores Associados, HISTEDBR, 2007.

COSTA, Emília Viotti da. Da monarquia à república: momentos decisivos. 6.ed. São Paulo: Fundação Editora da UNESP, 1999.

CUNHA, Luiz Antônio.Educação e desenvolvimento social no Brasil. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1991.

CURY, Carlos Roberto Jamil. Cidadania republicana e educação: Governo Provisório do Marechal Deodoro e Congresso Constituinte de 1890-1891. Rio de Janeiro: DP&A, 2001.

LOCKE, John. Segundo tratado sobre o governo civil: ensaio sobre a origem, os limites e os fins verdadeiros do governo civil. Tradução de Magda Lopes e Marisa Lobo da Costa. – Petrópolis, RJ: Vozes, 1994.

MACHADO, Maria Cristina Gomes. O decreto de Leôncio de Carvalho e os pareceres de Rui Barbosa em debate. A criação da escola para o povo no século XIX. In STEPHANOU, Maria; BASTOS, Maria Helena Camara(orgs.). Histórias e memórias da educação no Brasil, vol II: séculos XIX. Petrópolis, RJ: vozes, 2005. p. 91 -103.

MARTINIAK, Vera Lucia. A Escola Normal dos Campos Gerais: a atuação do diretor segundo as diretrizes do Estado. Dissertação (Mestrado) – Universidade Estadual de Ponta Grossa, Ponta Grossa, 2003.

MARX, Karl. O Capital, Livro 1 vol, I e II, Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1968.

_____. O manifesto do Partido Comunista. 11. ed. Petrópolis: Vozes, 2001.

NAGLE, Jorge. Educação e Sociedade na Primeira República. São Paulo: EPU/MEC;Edusp, 1974.

NORONHA, Olinda Maria. Ideologia, trabalho e educação. Campinas: Editora Alínea, 2004.

PRADO JÚNIOR, Caio. História econômica do Brasil. São Paulo: Brasiliense, 2008.

RABELO, Amanda Oliveira; MARTINS, António Maria. A mulher no magistério brasileiro: um histórico sobre a feminização do Magistério. In: Anais do Congresso Luso-Brasileiro de História da Educação, 4. 2010, Uberlândia: Aveiro - FCT, 2010. p. 6167-6176. Disponível em: http://www2.faced.ufu.br/colubhe06/anais/arquivos/556AmandaO.Rabelo.pdf.Acesso em: 09/01/2017.

ROUSSEAU, J. J. Do contrato social. São Paulo: Abril Cultural, 1978. (Os pensadores)

SAFFIOTI, Heleieth Iara Bongiovani. A mulher na sociedade de classes: mito e realidade. 3ª ed. São Paulo: Expessão Popular, 2013.

SANTOS, Aline Tosta dos. A construção do papel social da mulher na Primeira República. Em Debate (PUCRJ. Online), v. 8, 2009.

SANTOS, Wanderley Guilherme dos. Reflexões sobre a questão do liberalismo: um argumento provisório. In: LAMOUNIER, Bolivar; WEFFORT, Francisco; BENEVIDES, Victoria (Orgs.). Direito, cidadania e participação. São Paulo: T. A. Queiroz, 1981.

SAVIANI, Dermeval et al. O legado educacional do século XX no Brasil. Campinas,SP: Autores Associados, 2014.

SCHUELER, Alessandra Frota Martinez de; MAGALDI, Ana Maria Bandeira de Mello. Educação escolar na primeira república: memória, história e perspectivas de pesquisa. Tempo, Niterói, v. 13, n. 26, p. 32-55, 2009.

SILVA, João Carlos da. O amor por princípio, a ordem por base, o progresso por fim: as propostas do apostolado positivista para a educação brasileira (1870-1930). Tese (Doutorado) - Universidade Estadual de Campinas, São Paulo, 2008. 214 p.

SILVA, Sergio. Expansão cafeeira e origens da indústria no Brasil. São Paulo: Alfa-Ômega, 1980.

TANURI, Leonor Maria. História da formação de professores. Rev. Brasileira de Educação, nº 14, Mai/Jun/Jul/Ago, 2000.

VIANNA, Claudia Pereira. A feminização do magistério na educação básica e os desafios para a prática e a identidade coletiva docente. In: YANNOULAS, Silvia Cristina (Org.). Trabalhadoras: análise da feminização das profissões e ocupações. Brasília: Abaré, 2013.
Publicado
2018-12-31