A INCLUSÃO ESCOLAR E O ALUNO COM SÍNDROME DE DOWN

AS ADAPTAÇÕES CURRICULARES E A AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM

  • Neide Maria Fernandes Rodrigues Sousa
  • Deisiane Aviz Nascimento
Palavras-chave: Inclusão escolar. Síndrome de Down. Adaptações Curriculares., Avaliação da aprendizagem.

Resumo

A pesquisa tem o objetivo de compreender a percepção dos professores sobre a inclusão escolar de alunos com Síndrome de Down no que se refere às adaptações curriculares e o processo avaliativo. Adotou-se uma abordagem qualitativa do tipo estudo de caso. Participaram da pesquisa nove professores da sala regular com aluno com SD e uma professora da sala de recurso multifuncional (S.R.M.). A pesquisa foi realizada em uma Escola Municipal de Ensino Fundamental do 6º ao 9º ano. Nos resultados, cinco professores indicaram fazer adaptações de conteúdo e atividades, e quatro indicaram não fazer adaptações; quanto à avaliação, quatro professores indicaram fazer provas adaptadas, três avaliam as atividades cotidianas da aluna e dois não desenvolvem avaliação. Conclui-se que a inclusão, na realidade educacional, é um processo com avanços e retrocessos, precisando de uma política com ações mais direcionadas às situações do contexto escolar.

Referências

BARDIN, Laurence. Análise de Conteúdo. São Paulo: Edições 70, 2011.

BLANCO, Rosa. A atenção à diversidade na sala de aula e as adaptações do currículo. In: COLL, César; MARCHESI, Álvaro; PALÁCIOS, Jesús (Org.). Desenvolvimento psicológico e educação: transtornos do desenvolvimento e necessidades educativas especiais. 2. ed. Porto Alegre: Artmed, 2004, v. 3, p. 290-308.

BRASIL. Conselho Nacional de Educação. Câmara de Educação Básica. Resolução CNE/CEB nº 4, de 02 de outubro de 2009. Brasília: CNE/CEB, 2009. Disponível em: http://peei.mec.gov.br/arquivos/política nacional educação especial.pdf. Acesso: 18 de julho de 2017.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Especial. Política Nacional de Educação Especial na perspectiva da Educação Inclusiva. Brasília, DF, 2008.

BRASIL. Conselho Nacional de Educação. Câmara de Educação Básica. Resolução CNE/CEBnº 2, de 11 de setembro de 2001. Brasília: CNE/CEB, 2001. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/cne/arquivos/pdf/CEB0201.pdf. Acesso: 12 de Julho de 2017.

BRASIL. Declaração de Salamanca e linha de ação sobre necessidades educativas especiais. 2. ed. Brasília, DF: Corde, 1997.

BRASIL. Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da Educação Nacional. Brasília, 1996. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/CCIVIL_03/Leis/L9394.htm. Acesso em: 28 de março 2018.

BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília: Imprensa Oficial, 1988.

CASTRO, Antonilma; PIMENTEL, Susana. Atendimento educacional específico Síndrome de Down: desafios e perspectivas na inclusão escolar. In: DÍAZ, F., et al., (org.). Educação inclusiva, deficiência e contexto social:questões contemporâneas [online]. Salvador: EDUFBA, 2009, p. 303-312.

COLL, César; MARTÍN, Elena; ONRUBIA, Javier. A avaliação da aprendizagem escolar: dimensões psicológicas, pedagógicas e sociais. In: COLL, César; MARCHESI, Álvaro; PALACIOS, Jesús (org.): Desenvolvimento psicológico e educação:psicologia da educação escolar. 2. ed. Porto Alegre: Artmed, 2004. p. 370-385.

DENARI, Fátima. Um (novo) olhar sobre a formação do professor de educação especial: da segregação à inclusão. In: RODRIGUES, D (org.). Inclusão e educação: Doze olhares sobre a educação inclusiva. São Paulo: Summus, 2006, p. 35-63.

DINIZ, Debora. O que é deficiência. São Paulo: Brasiliense, 2007.

HEREDERO, Eládio Sebastian. A escola inclusiva e estratégias para fazer frente a ela: as adaptações curriculares. Acta Scientiarum Education, Maringá, v. 32, n. 2, p. 193-208, 2010. Disponível em http://periodicos.uem.br/ojs/index.php/ActaSciEduc/article/view/9772/9772. Acesso em: 05 de agosto de 2017.

HOFFMANN, Jussara Maria Lerch. Avaliação mediadora: uma relação dialógica na construção do conhecimento. Porto Alegre: Mediação, 2009.

FONSECA, Vítor. Educação especial: programa de estimulação precoce- uma introdução às ideias de Freuerstein. 2. ed. Porto Alegre: Artes Médicas, 1995.

FERRAZ, Clara; ARAÚJO, Marcos; CARREIRO, Luiz. Inclusão de crianças com Síndrome de Down e paralisia cerebral no ensino fundamental: comparação dos relatos de mães e professores. Revista Brasileira de Educação Especial, Marília, v.16, n.3, p.397- 414, dez. 2010.

FREITAS, Soraia Napoleão. A formação de professores na educação inclusiva: construindo a base de todo o processo. In: RODRIGUES, David (Org.). Inclusão e educação: doze olhares sobre a educação inclusiva. São Paulo: Summus, 2006, p. 161-181.

LUCKESI, Cipriano Carlos. Avaliação da aprendizagem escolar: estudos e proposições. São Paulo: Cortez, 2008.

MANTOAN. Maria Teresa Eglér. Inclusão escolar: o que é? Por quê? Como fazer? São Paulo: Moderna, 2004.
MARCHESI, Álvaro. A prática das escolas inclusivas. In: COLL, César; MARCHESI, Álvaro; PALACIOS, Jesús; (Org.). Desenvolvimento psicológico e educação:transtornos de desenvolvimento e necessidades educativas especiais; 3. ed. Porto Alegre: Artmed, 2004. p. 31- 48.

MENDES, Enicéia Gonçalves. A radicalização do debate sobre inclusão escolar no Brasil. Revista Brasileira de Educação, Rio de Janeiro, v. 11, n. 33, p. 387-405, Dec. 2006.

______________. Construindo um “lócus” de pesquisas sobre inclusão escolar. In: MENDES, Enicéia Goncalves; ALMEIDA, Maria Amélia; WILLIAMS, LuciaCavalcante de. Temas em educação especial: avanços recentes. São Carlos: EdUFSCAR, 2004. p.221-230.

MITTLER, Peter. Educação inclusiva: contextos sociais. Porto Alegre: Artmed, 2003.

NUNES, Clarisse; MADUREIRA, Isabel. Desenho Universal para a Aprendizagem: Construindo práticas pedagógicas inclusivas. Revista da investigação ás práticas, Lisboa, v. 5, n. 2, p. 126-143, junh./julh. 2015.

OLIVEIRA, Ana; CAMPOS, Thaís. Avaliação em Educação Especial: o ponto de vista do professor de alunos com deficiência. Revista Estudos em Avaliação Educacional, São Paulo, vol. 16, n. 31, p. 51-78, jan./jun. 2005.

OLIVEIRA, Marinalva; SILVA, Maria. Inclusão escolar de crianças com síndrome de Down: uma análise a luz da teoria sócio-histórica. PRACS: Revista de Humanidades do Curso de Ciências Sociais da UNIFAP, Macapá, vol. 3, n. 3, p. 93-108, jan./junh. 2010.

OLIVEIRA, Mariana; PLETSCH, Márcia. A avaliação da aprendizagem de alunos com deficiência intelectual em tempos de educação inclusiva. In: I SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE INCLUSÃO ESCOLAR: Práticas em diálogo, 2014. AnaisI Seminário Internacional de Inclusão Escolar. Rio de Janeiro: UERJ, 2014. Disponível: http://www.cap.uerj.br/site/images/stories/noticias/1-oliveira_e_pletsch.pdf. Acesso: 22 de maio de 2017.

OLIVEIRA, Mariana; PLETSCH, Márcia; OLIVEIRA, Anna A. Contribuições da avaliação mediada para a escolarização de alunos com deficiência intelectual. Revista Teias, vol. 17, n. 46, p. 72-79, jul./set. 2016.

PACHECO, Wellem; OLIVEIRA, Marinalva. Aprendizagem e desenvolvimento da criança com síndrome de Down: representações sociais de mães e professoras. Revista Ciências & Cognição, Rio de Janeiro, vol. 16, n. 3, p.002- 014, dez. 2011.
.
PALACIOS, Jesús. Introdução à Psicologia Evolutiva: História, Conceitos Básicos e Metodologia. In: COLL, César; PALACIOS, Jesús; MARCHESI, Álvaro (Org.). Desenvolvimento Psicológico e Educação. Porto Alegre: Artes Médicas, 1995. p. 9-26.

PIMENTEL, Susana Couto. Conviver com a Síndrome de Down em escola inclusiva: mediação pedagógica e formação de conceitos. Petrópolis: Vozes, 2012.

PLETSCH, Marcia Denise. A dialética da inclusão/exclusão nas políticas educacionais para pessoas com deficiências: um balanço do governo Lula (2003-2010). Revista teias, Rio de Janeiro, v. 12, n. 24, p. 39-55, jan./abr. 2011.

ROPOLI, Edilene et al. A educação especial na perspectiva da inclusão escolar: a escola comum inclusiva. Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Especial; Fortaleza: Universidade Federal do Ceará, v. 1, 2010.

SOUSA, Neide Maria Fernandes Rodrigues. A Pessoa com deficiência física: representações sociais de alunos usuários de cadeira de rodas sobre a escolarização e as implicações no processo formativo. Tese (Doutorado em Educação) - Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade Federal do Pará, Belém, 2015.
.
SEVERINO, Antônio. Metodologia do Trabalho Científico. São Paulo: Cortez, 2007.

TARDIF, Maurice. Saberes Docentes e Formação Profissional. Petrópolis: Vozes, 2002.

UNESCO. Declaração Mundial sobre Educação para Todos: satisfação das necessidades básicas de aprendizagem. 1990. Disponível em http://unesdoc.unesco.org/images/0008/000862/086291por.pdf . Acesso em 10/08/2018.

VALENTIM, Fernanda, Oscar Dourado. Inclusão de alunos com deficiência intelectual: considerações sobre avaliação da aprendizagem escolar. 2011. 143 f. Dissertação (Mestrado em Educação) - Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade Estadual Paulista, 2011.

VALENTIM, Fernanda; OLIVEIRA, Anna. Avaliação da aprendizagem e deficiência intelectual na perspectiva de professores do ensino comum. Revista Diálogo Educacional, Curitiba, v. 13, n. 40, p. 851-871, set./dez. 2013.

VOIVODIC, Maria Antonieta. Inclusão escolar de crianças com Síndrome de Down. Petrópolis: Vozes, 2005.
Publicado
2018-12-31