SEQUÊNCIAS DIDÁTICAS, TECNOLOGIAS E APRENDIZAGEM DE LÍNGUA PORTUGUESA NA ESCOLA DE ENSINO MÉDIO

  • Edna Maria de Oliveira Ferreira
  • Dinéa Maria Sobral Muniz
  • Osvaldo Barreto Oliveira Júnior
Palavras-chave: ensino, aprendizagem, linguagem, sequência didática.

Resumo

Este trabalho resulta de experiência em que, a partir da leitura do conto Felicidade Clandestina, de Clarice Lispector, na educação profissionalizante integrada ao ensino médio,buscou-se viabilizar a enunciação de discursos e potencializar outros usos sociais da linguagem, ampliando os espaços de aprendizagem. Para tanto, elegeu-se a Sequência Didática (SD), conforme propõem Dolz e Schneuwly (2004) para debater sobre o enredo do conto, a narrativa, impressões pessoais e valores morais, como forma de colaborar na formação humanística de cada discente, e como mote para a produção do gênero textual resenha crítica. Os alunos dos primeiros anos do ensino médio tiveram acesso ao texto e iniciaram um debate que se seguiu com mais intensidade via grupo de leitura, criado no Facebook para essa finalidade. Observou-seintensa participação e envolvimento dos alunos nesse tipo de atividade, uma vez que ela assegura espaços de participação ativa, dando voz aos alunos, além de oportunizar, posteriormente, discussões coletivas em sala de aula.

Referências

BAKHTIN, M. Os gêneros do discurso. In: –––. Estética da criação verbal. 3ª ed. São Paulo: Martins Fontes, 2000, p. 277-326.

BIERHALZ, C. D. K; FELCHER, C. D.; DIAS, L. F. Os fóruns como estratégias didáticas para a construção do conhecimento. Revista Edufor. Fortaleza, v. 2, n. 5, p. 75-94, maio/ago. 2016.

BRONCKART, J. P. Atividades de linguagem, textos e discursos: Por um interacionismosócio-discursivo. Trad.: A. R. Machado e P. Cunha. São Paulo: EDUC, 1999.

CÂNDIDO, A. O direito à literatura: vários escritos. São Paulo: Duas Cidades, 1995.

CASTELLS, M. A Sociedade em Rede. Tradução Roneide Venâncio Majer. Atualização para a 6ª ed.: Jussara Simões – (A era da informação: economia, sociedade e cultura; v.1). São Paulo: Paz e Terra, 1999.

DOLZ J.; NOVERRAZ, M.; SCHNEUWLY, B. Sequências didáticas para o oral e escrita: apresentação de um procedimento. In: Gêneros orais e escritos na escola. Trad. e (Org.) de Roxane Rojo e Glaís Sales Cordeiro. Campinas, SP: Mercado das Letras, 2004, p. 95-128.

KLEIMAN, A. Texto e leitor: aspectos cognitivos da leitura. 7ed. Campinas, SP: Pontes, 2000.

MARCUSCHI, L. A. Produção Textual, Análise de Gêneros e Compreensão. São Paulo: Parábola Editorial, 2008.

MORICONI, Í. (Org.). Os Cem Melhores Contos Brasileiros do Século. Rio de Janeiro: Objetiva, 2000.

PIAGET, J. A epistemologia genética. São Paulo: Abril Cultural, 1983.

SIBILIA, Paula. Redes ou paredes: a escola em tempos de dispersão. Tradução de Vera Ribeiro. Rio de Janeiro: Contraponto, 2012. 2

VIGOTSKY, L. S. A formação social da mente: o desenvolvimento dos processos psicológicos superiores. 4 ed. São Paulo: Martins Fontes, 1991. Disponível em :http//www.4shared.com/get/5IvJw-dL/Vygostky. Acesso em 25/09/2017.
Publicado
2018-12-31