A PRODUÇÃO DA MULHER IDEAL NO FILME ELA

QUESTÕES SOBRE GÊNERO E PERFORMATIVIDADE NO CINEMA

Palavras-chave: Gênero;Mulher; Educação.

Resumo

O objetivo do presente estudo é problematizar os discursos relacionados ao perfil da “mulher ideal” no filme Ela (Her). A produçãoapresenta o drama vivido por Theodore, um homem cuja rotina se divide entre trabalho, lembranças de seu casamento, incursões na internet e encontros com seus poucos amigos. Theodore adquire em seus computadores um Sistema Operacional de Inteligência Artificial, que é capaz de interagir com o usuário por meio da fala e da compreensãode sentimentos diversos. Assim, ele conhece Samantha, ou seja, uma voz feminina capaz de interagir com o usuário. Partindo disto, no texto é problematizada a produção e reprodução de discursos relacionados ao perfil da “mulher ideal”,  tomando como pressupostos teóricos os estudos de gênero na perspectiva pós-estruturalista e suas ressonâncias no campo da Educação.Para a problematização dos discursos a respeito da mulher ideal representado apresentada na figura de Samantha, foram utilizadas as ferramentas foucaultianas de análise discursiva. Destaca-se que, apesar de o filme nos mostrar promessas relacionadas ao uso da tecnologia, como forma de contornar a solidão é na significação de uma postura de mulher atenciosa e compreensiva que a trama educasobre a “melhor” maneira de ser mulher. A relevância do tema centra-se na necessidade de colocar em discussão as características fixas, inferiorizantes e excludentes que delineiam a feminilidade ideal, sobretudo em um contexto social e político no qual estas discussões correm o risco de serem silenciadas.

Referências

BUTLER, Judith. Cuerpos que importan. Sobre loslímitesmateriales y discursivos del
«sexo». Buenos Aires: Paidós. 2002.

BUTLER, Judith. Frames of War: when is life grievable? New York: Verso, 2010.

BUTLER, Judith. Problemas de gênero: feminismo e subversão da identidade. Editora Record, 2003.

COLLING, Ana. A construção histórica do feminino e do masculino. Gênero e cultura: questões contemporâneas, v. 1, p. 13, 2004.

COSTA, Tailson Pires; DIÓGENES, Thais. A possibilidade jurídica de estupro na união estável. Revista do Curso de Direito, v. 1, n. 1, p. 381-402, 2009. Disponível em: . Acesso em: 13 ago. 2016.

DÍAZ, Elvira Burgos. Desconstrução e subversão: Judith Butler. SapereAude-Revista de Filosofia, v. 4, n. 7, p. 441-464, 2013. Disponível em: . Acesso em: 9 out. 2016.

FOUCAULT, Michel. História da Sexualidade I: Vontade de Saber. Rio de Janeiro: Edições Garaal, 1977.

FOUCAULT, Michel. A arqueologia do saber. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1986.

KEHL, M. R. Deslocamentos do feminino: a mulher freudiana na passagem para a modernidade. Rio de Janeiro. IMAGO, 1998.

LAQUEUR, Thomas Walter. Making sex: Body and gender from the Greeks to Freud. Harvard University Press, 1990.

LEITE, Lucimara. Christine de Pizan: uma resistência na aprendizagem da moral da resignação. 2008. Tese de Doutorado. Universidade de São Paulo.

LOURO, Guacira Lopes. Teoria queer-uma política pós-identitária para a educação. Red Revista Estudos Feministas, 2000. Disponível em: . Acesso em: 11 out. 2016.


PEDRO, Joana Maria. Traduzindo o debate: o uso da categoria gênero na pesquisa histórica. História, v. 24, n. 1, p. 77-98, 2005. Disponível em: . Acesso em: 3 out. 2016.

PEREIRA, Pedro Paulo Gomes. Queer nos trópicos. Revista Semestral do Departamento e do Programa de Pós-Graduação em Sociologia da UFSCar, v. 2, n. 2, p. 371, 2012. Disponível em: . Acesso em: 12 out. 2016.

PINTO, Joana Plaza. Conexões teóricas entre performatividade, corpo e identidades. DELTA, São Paulo, v. 23, n. 1, p. 1-26, 2007. Disponível em: . Acessoem: 9 out. 2016.

SCOTT, Joan Wallach. Gender: A Useful Category of Historical Analysis. American HistoricalReview. 91(5):1053–75, 1986. Disponível em: . Acesso em: 3 out. 2016.
Publicado
2018-12-31