A mimese da formação continuada

configuração e refiguração da identidade narrativa docente em grupos-referência

Autores

DOI:

https://doi.org/10.25053/redufor.v7.e7248

Palavras-chave:

Formação continuada, Narrativa autobiográfica, Reconhecimento, Identidade docente

Resumo

Nesse artigo tenho como objetivo apresentar as influências dos grupos-referência na formação e atuação docente. Realizei a pesquisa-formação com professoras da educação básica no Norte do país. A discussão estará centrada na mimese da formação continuada, metodologia originada do trabalho fundamentado na abordagem (auto) biográfica, tendo como referencial teóricos: Pineau, Nóvoa, Josso, Passeggi dentre outros e na hermenêutica de Paul Ricoeur. A narrativa autobiográfica e o relato de experiências bem-sucedidas possibilitaram a configuração e refiguração da identidade docente, ao propiciar o reconhecimento da prática educativa em diferentes espaços e tempos, demonstrou que a re-narração de si oportuniza reafirmar/reconhecer os saberes da docência, a construção de sentido em cada atividade, a elaboração de conhecimentos, identificar os fatores intervenientes do próprio sistema escolar que limitam ou favorecem o alcance dos objetivos pedagógicos e, sobretudo, ressignificar os momentos vividos nos diferentes níveis de ensino da trajetória pessoal/profissional.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Gilvete de Lima Gabriel, Universidade Federal de Roraima

Pós-doutoranda do Programa de Sociologia da UFPB. Possui Pós-Doutorado, Doutorado e Mestrado em Educação, Especialização em Metodologia de Pesquisa e graduação em Pedagogia. Líder do GEPAIIRR. Experiência em narrativa autobiográfica de formação de professores.

Referências

ALARCÃO, I. (org.). Formação reflexiva de professores:estratégias de supervisão. Portugal: Porto, 1996.

ALHEIT, P.;DAUSIEN, B. Processo de formação e aprendizagem ao longo da vida. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 32, n. 1, p. 177-197, 2006.

BARBOSA, T.M.N. Im.per.feições de um auto.retrato:pesquisa-formação e representações de gênero nas autobiografias de mulheres-professoras. 2005. Tese (Doutorado em Educação)–Programa de Pós-Graduação em Educação,Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, 2005.

BRASIL. Convenção sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência.Brasília, DF: Secretaria Especial dos Direitos Humanos, 2007.

BRUNER, J.A cultura da educação.Porto Alegre: Artmed, 2001.CONTRERAS, J. Autonomia de professores.São Paulo: Cortez, 2002.

DOMINICÉ, P. A formação de adultos confrontada pelo imperativo biográfico. Educação e Pesquisa,São Paulo, v. 32, n. 2, p. 345-358, 2006.

FREIRE, P. Pedagogia do oprimido.Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2005.

GABRIEL, G. L. Narrativa autobiográfica como prática de formação continuada e de atualização de si. Os grupos-referência e o grupo reflexivo na mediação da constituição identitária docente. 2008. Tese (Doutorado em Educação) –Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, 2008.

GIDDENS, A. As consequências da modernidade. São Paulo: Unesp, 2002.

HALBWACHS, M. A memória coletiva.São Paulo: Centauro, 2006.

IBGE. Contagem da população. Rio de Janeiro: IBGE, 2019.

JOSSO, C. Experiências de vida e formação. SãoPaulo: Cortez, 2004.

JOSSO, C. Histórias de vida e formação: suas funcionalidades em pesquisa, formação e práticas sociais.Revista Brasileira de Pesquisa (Auto)Biográfica, Salvador, v. 5, n. 13, p.40-54, 2020.

JOSSO, C. Os relatos de histórias de vida como desvelamento dos desafios existenciais da formação e do conhecimento: destinos sócio-educativos e projetos de vida programados na invenção de si. In: SOUZA, E. C.; ABRAHÃO, M. H. M. B. (org.). Tempos, narrativas e ficções: a invenção de si. Porto Alegre: PUCRS, 2006. p. 21-40.

NÓVOA, A. A formação tem de passar por aqui: as histórias de vida no Projeto Prosalus. In: NÓVOA, A.;FINGER, M.(org.). O método (auto)biográfico e a formação.Lisboa: Ministério da Saúde,1988. p. 107-129.

PASSEGGI, M.C. Unidade de implicação:“uma humanidade partilhada”. Natal: UFRN, 2006.

PINEAU, G. A autoformação no decurso da vida: entre a hetero e a ecoformação. In: NÓVOA, A.; FINGER, M. (org.). O método (auto)biográfico e a formação. Lisboa. Ministério da Saúde,1988. p. 189-216.

PINEAU, G.Temporalidades na formação.São Paulo: Triom, 2004. RICOEUR, P. Del texto a la acción:ensaios de hermenéutica II. México: Fondo de Cutura Económica, 2002a.

RICOEUR, P. Paul Ricoeur: o único e o singular. São Paulo: Unesp, 2002b.

RICOEUR, P. Percurso do reconhecimento. São Paulo: Loyola, 2006.

RICOEUR, P. Tempo e narrativa.Tomo I. Campinas: Papirus, 1994.

RICOEUR, P. Tempo e narrativa.Tomo III. Campinas: Papirus, 1997.

SCHÖN, D. A. Educando o profissional reflexivo: um novo designpara o ensino e a aprendizagem. Porto Alegre: Artmed, 2000.

SZYMANSKI, H.(org.).A entrevista na pesquisa em educação:aprática reflexiva.Brasília, DF: Liber, 2004.

TARDIF, M. Saberes docentes e formação profissional. Petrópolis: Vozes, 2002.

VYGOTSKY, L.S. Pensamento e linguagem. São Paulo: Martins Fontes, 2005.

WELLER, W. A entrevista narrativa e o método analítico de narrações segundo Fritz Schütze.Brasília, DF: UnB, 2007

Publicado

2022-04-27

Como Citar

GABRIEL, G. de L. A mimese da formação continuada: configuração e refiguração da identidade narrativa docente em grupos-referência. Educ. Form., [S. l.], v. 7, p. e7248, 2022. DOI: 10.25053/redufor.v7.e7248. Disponível em: https://revistas.uece.br/index.php/redufor/article/view/7248. Acesso em: 16 maio. 2022.