Diálogos entre educação, cidade e patrimônio

investigando produções científicas brasileiras

Autores

DOI:

https://doi.org/10.25053/redufor.v7i1.6779

Palavras-chave:

Educação, Cidade, Patrimônio, Estado do Conhecimento

Resumo

Este artigo apresenta resultados de uma pesquisa cujo propósito foi compreender com quais concepções as metodologias educativas têm operado para lidar com o sujeito em sua relação com a cidade e o patrimônio. Para isso, construímos o estado do conhecimento partindo dos descritores “educação”, “cidade” e “patrimônio”, em busca das produções científicas brasileiras disponíveis no Banco de Teses e Dissertações da Capes e publicadas entre os anos de 1997 até 2018. O estudo apontou um forte descompasso entre teoria e prática no que tange a questão do patrimônio e a necessidade de atualização e revisão de práticas educativas relacionadas com a cidade e o patrimônio cultural quando se pensa no sujeito.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Raquel Salazar Ribeiro e Souza, Universidade Federal de São Carlos

Doutoranda no Programa de Pós-Graduação em Educação pela Universidade Federal de São Carlos (UFSCAR), e Mestra pelo Programa de Pós-Graduação em Educação pela Universidade Federal de Ouro Preto (UFOP). Membro do grupo de pesquisa Caleidoscópio (UFOP/CNPQ). Atuou como Coordenadora Pedagógica no Programa Sentidos Urbanos: Patrimônio e Cidadania durante o ano de 2019, e ainda como Mediadora Cultural no mesmo Programa nos anos de 2016 e 2017. 

Margareth Diniz, Universidade Federal de Ouro Preto

Psicóloga, Psicanalista, Mestre, Doutorda e Pós-Doutora em Educação. Professora  Associada de Psicologia da Universidade Federal de Ouro Preto. Programa de Pós-graduação - Mestrado e Doutorado em Educação/UFOP. Programa de Pós-graduação em Direito - Mestrado/UFOP. RUEPSY- Rede Universitária Internacional de Pesquisa em Psicanálise e Educação. RIPPEP- Rede Internacional de Pesquisa em Psicanálise, Educação e Política.

Referências

ABBAGNANO, N. Dicionário de filosofia. São Paulo: Martins Fontes, 2007.

BRASIL. Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional. Portaria nº 137, de 28 de abril de 2016. Estabelece diretrizes de Educação Patrimonial no âmbito do Iphan e das Casas do Patrimônio. Diário Oficial da União, 29 abr. 2016.

BRASIL. Lei n.º 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, DF, 21 dez. 1996.

CASTRIOTA, L. B. Patrimônio cultural: conceitos, políticas, instrumentos. São Paulo: Annablume; Belo Horizonte: IEDS, 2009.

COUTINHO, R. G. O educador, o pesquisador e o mediador: questões e vieses. Revista do Programa de Pós-Graduação em Artes da Escola de Belas Artes da UFMG, Belo Horizonte, v. 3, n. 5, p. 44-54, 2013.

DEMARCHI, J. L. O que é, afinal, a educação patrimonial?. Revista CPC 13, São Paulo, n. 25, p. 140-162, 2018.

FEDATTO, C. P. Poesia na cidade: como a memória se inscreve na história. Revista Palimpsesto, Rio de Janeiro, v. 7, n. 7, p. 1-17, 2009.

FLORÊNCIO, S. R. R. Educação patrimonial: um processo de mediação. In: TOLENTINO, Á. B. Educação patrimonial: reflexões e práticas. João Pessoa: Superintendência do Iphan na Paraíba, 2012. p. 30-37.

FONSECA, M. C. L. O patrimônio cultural na formação de novas gerações: algumas considerações. In: TOLENTINO, Á. B. Educação patrimonial: reflexões e práticas. João Pessoa: Superintendência do Iphan na Paraíba, 2012. p. 14-21.

FRANCO, F. C. Educação, patrimônio e cultura local: concepções e perspectivas pedagógicas. Curitiba: CRV, 2019.

GONÇALVES, J. R. S. O patrimônio como categoria de pensamento. In: REUNIÃO ANUAL DA ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS SOCIAIS, 264., 2002, Caxambu. Comunicação [...]. Caxambu: DP&A, 2002.

HORTA, M. L.; GRUNBERG, E.; MONTEIRO, A. Guia Básico de Educação Patrimonial. Brasília, DF: Iphan, 1999.

MIRANDA, S. R.; ALMEIDA, F. R. Bagagens possíveis, entre alfenins, fitas e monumentos: o tema do patrimônio no livro didático de história. In: SIMAN, L. M. C.; MIRANDA, S. R. (org.). Patrimônio no plural: educação, cidades e mediações. Belo Horizonte: Fino Traço, 2017. p. 147-170.

ROMANOWSKI, J. P.; ENS, R. T. As pesquisas denominadas do tipo “estado da arte” em educação. Diálogo Educacional, Curitiba, v. 6, n. 19, p. 37-50, 2006.

SCIFONI, S. Desafios para uma nova educação patrimonial. Revista Teia, Rio de Janeiro, v. 18, n. 48, p. 1-15, 2017.

SEVERO, J. L. R. L.; MOURÃO, A. R. T. A cidade como espaço educativo: contribuições da Pedagogia Social. Educação e Cultura Contemporânea, Rio de Janeiro, v. 15, n. 38, p. 248-264, 2018.

TOLENTINO, Á. O que não é educação patrimonial: cinco falácias sobre seu conceito e sua prática. In: TOLENTINO, Á.; BRAGA, E. (org.). Educação patrimonial: políticas, relações de poder e ações afirmativas. Caderno Temático 5. João Pessoa: Iphan-PB; Casa do Patrimônio da Paraíba, 2016. p. 38-48.

Publicado

2022-01-01

Como Citar

SOUZA, R. S. R. e; DINIZ, M. . Diálogos entre educação, cidade e patrimônio: investigando produções científicas brasileiras. Educ. Form., [S. l.], v. 7, p. e6779, 2022. DOI: 10.25053/redufor.v7i1.6779. Disponível em: https://revistas.uece.br/index.php/redufor/article/view/6779. Acesso em: 26 jan. 2022.