A califasia e a formação de professores na escola normal de São Paulo

Autores

DOI:

https://doi.org/10.25053/redufor.v4i10.520

Palavras-chave:

História da Educação, Curso e currículo, Educação escolar

Resumo

No contexto da implantação da Escola Nova em São Paulo, e de novas exigências para a formação dos professores, Francisco Silveira Bueno (1898 -1989) foi aprovado em concurso, em 1929, na Escola Normal, para ministrar aulas de Português e Califasia. A preocupação com a arte da dicção expressiva na interpretação de textos fez com que o professor se dedicasse à produção de um manual específico para o ensino da Califasia.. O objetivo deste estudo é analisar a legislação do período e o manual a fim de compreender as contribuições do autor e da disciplina para os futuros professores. A pesquisa fundamenta-se nos pressupostos teóricos e metodológicos da história cultural e dialoga com a produção da história das disciplinas escolares. Aborda as questões relacionadas com a autoria-didática, representações e apropriações de conteúdos e saberes para o exercício do magistério, no contexto das primeiras décadas do século XX.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ARAÚJO, J.C.S.; FREITAS, A.G.B.; LOPES, A.P.C. As Escolas Normais no Brasil:do Império à República. Campinas: Alínea, 2008.

BONTEMPI JÚNIOR, B. A cadeira de História e Filosofia da Educação da USP entre os anos de 40 e 60:um estudo das relações entre a vida acadêmica e a grande imprensa. 2001. Tese (Doutorado em História e Filosofia da Educação) –Programa de Pós--Graduação em História e Filosofia da Educação, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2001.

BUENO, F.S. Manual de Califasia e Arte de Dizer:para uso das Escolas Normais e cursos de declamação. 2. ed. São Paulo: Livraria Acadêmica:Saraiva & Cia, 1939.

BUENO, F.S.Manual de Califasia, Califonia, Calirritmia e Arte de Dizer.5. ed. São Paulo: Saraiva,1958.BUENO, F.S. Manual de Calliphasia e Arte de Dizer. São Paulo: São Paulo, 1930.

BUENO, F.S. Na tormenta da vida: memórias de um batalhador. São Paulo: Lisa, 1996.

BUENO, F. S. Questões de Português. São Paulo: Livraria Acadêmica:Saraiva & Cia, 1938.

CARVALHO, M.M.C. A escola e a república. São Paulo: Brasiliense, 1989.

CATANI, D.B. Os escritos dos professores no campo educacional brasileiro (1890-1970). In: CONGRESSO LUSO-BRASILEIRO DE HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO, 7., 2008, Porto. Anais...Porto: Universidade do Porto, 2008.

GOODSON, I. A construção social do currículo.Lisboa: Educa, 1997.

SÃO PAULO. 74ª Sessão Especial, realizada em 10 de maio de 1962. Diário Oficial do Estado de São Paulo, Câmara Municipal de São Paulo, São Paulo. 13 maio 1962.

SÃO PAULO. Atas de Concurso (1894-1937). São Paulo: Instituto Caetano de Campos, 1937.

SÃO PAULO. Decreto n. 3.858, de 11 de junho de 1925. São Paulo:Imprensa Oficial,1925.

SÃO PAULO. Decreto n. 5.884, de 21 de abril de 1933. Código de Educação do Estado de São Paulo. São Paulo: Imprensa Oficial, 1933.

SÃO PAULO. Lei n. 1.750, de 8 de dezembro de 1920.Reforma a Instrução Pública do Estado. São Paulo: Imprensa Oficial,1920.

SÃO PAULO.Lei n. 2.269, de 31 de dezembro de1927. Reforma a Instrução Pública do Estado.São Paulo: Imprensa Oficial,1927.

SÃO PAULO. Livro de Compromisso (1921-1930).São Paulo: Instituto Caetano de Campos, 1930.

SOUZA, R.F. Alicerces da pátria: história da escola primária no estado de São Paulo (1890-1976). Campinas: Mercado de Letras, 2009.

TANURI, L.M. História da formação de professores. Revista Brasileira de Educação,São Paulo, n.14, p.61-88, 2000.

TANURI, L.M. O ensino normal em São Paulo. São Paulo: USP, 1979.

VALDEMARIN, V.T.; ROCHA, H.H.P. Métodos de ensino e renovação educacional na produção em História da Educação. In: SOUZA, R.F.; PINHEIRO, A.C.F.; LOPES, A.P.C. (Org.).História da educação primária no Brasil: investigação em perspectiva comparada em âmbito nacional. Aracaju: Edise, 2015. p. 331-358.

Downloads

Publicado

2019-01-09

Como Citar

FREITAS, A. G. B. de. A califasia e a formação de professores na escola normal de São Paulo. Educ. Form., [S. l.], v. 4, n. 10, p. 81–94, 2019. DOI: 10.25053/redufor.v4i10.520. Disponível em: https://revistas.uece.br/index.php/redufor/article/view/520. Acesso em: 17 maio. 2022.