Pedagogias da masculinidade: reflexões acerca de processos de subjetivação de homens professores da EJA

Autores

DOI:

https://doi.org/10.25053/redufor.v6i2.4378

Palavras-chave:

Masculinidade. Docência. Subjetividade. Educação de Jovens e Adultos.

Resumo

O objetivo deste artigo é compreender, por meio dos discursos de três homens professores da Educação de Jovens e Adultos, os modos como a masculinidade hegemônica atuou em seus processos de subjetivação. Pretende-se revelar a negação da sensibilidade como dimensão essencial da pedagogia da masculinidade, apontar as ambiguidades das experiências corporais no processo de tornar-se homem e, por fim, desvelar os enfrentamentos vividos pelos participantes, relativamente à masculinidade no processo de construção da identidade docente. A pesquisa é qualitativa, com enfoque exploratório. Adotam-se entrevistas semiestruturadas para a construção dos dados. Os resultados apontam para uma tensão constante entre o inatingível ideal da masculinidade hegemônica e a ruptura criativa com esse parâmetro.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Avelino Aldo de Lima Neto, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Norte

Doutor em Educação pela Université Paul Valéry - Montpellier III e pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte. Professor do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Norte e dos Programas de Pós-Graduação em Educação Profissional (PPGEP/IFRN) e em Educação (PPGED/UFRN). Pesquisador do Observatório da Diversidade (IFRN/CNPq). 

Rita de Cássia Ângelo da Silva, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Norte

Especialista em Educação de Jovens e Adultos pelo Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Norte.

Robério Nunes Maia, Universidade Federal do Rio Grande do Norte

Mestrando no Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN).

Referências

AGAMBEN, G. O que é um dispositivo?. Outra Travessia, Florianópolis, v. 5, p. 9-16, 2005.

ALMEIDA, S. L. Racismo estrutural. São Paulo: Sueli Carneiro: Pólen, 2019.

ALBUQUERQUE JÚNIOR, D. M. Nordestino: invenção do “falo”. Uma história do gênero masculino (1920 – 1940). São Paulo: Intermédios, 2013.

ANTÔNIO. Entrevista. Canguaretama, 14 out. 2019.

BAUBÉROT, A. Não se nasce viril, torna-se viril. In: COURTINE, J.-J. (org.). História da virilidade 3: a virilidade em crise? Séculos XX-XXI. Petrópolis: Vozes, 2013. p. 190-220.

BENTO, B. Homem não tece a dor: queixas e perplexidades masculinas. Natal: UFRN, 2012.

BOLTANSKI, L. Les usages sociaux du corps. Annales: Economies, sociétés, civilisations, Paris, n. 1, p. 205-233, 1971.

BOURDIEU, P. A dominação masculina. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2009.

BRAGA, A. História da beleza negra no Brasil: histórias, discursos e práticas. São Carlos: UFSCar, 2015.

BUTLER, J. Problemas de gênero: feminismo e subversão da identidade. 17. ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2019.

CAMPOMAR, G. C. et al. “Você não... nessa posição, sim ou sim, um homem”: representações em torno do gênero e intervenção docente na formação. Educação e Formação, Fortaleza, v. 5, n. 14, p. 17-35, 2020.

CONNEL, R. Gênero em termos reais. São Paulo: nVersos, 2016.

CORAZZA, S. O docente da diferença. Periferia, Rio de Janeiro, v. 1, n. 1, p. 91-110, 2009.

FOUCAULT, M. Ética, sexualidade, política. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2006.

FOUCAULT, M. História da sexualidade 1: a vontade de saber. Rio de Janeiro: Graal, 1988.

FOUCAULT, M. Vigiar e punir: nascimento da prisão. Petrópolis: Vozes, 2010.

GOFFMAN, E. Estigma: notas sobre a manipulação da identidade deteriorada. Rio de Janeiro: LTC, 2013.

HAROCHE, C. Antropologias da virilidade: o medo da impotência. In: COURTINE, J.-J. (org.). História da virilidade 3: a virilidade em crise? Séculos XX-XXI. Petrópolis: Vozes, 2013. p. 15-34.

IFRN. Curso de Pós-Graduação Lato Sensu em Educação de Jovens e Adultos no Contexto da Diversidade, na modalidade presencial. Natal: IFRN, 2015.

JUNQUEIRA, R. D. Pedagogia do armário: a normatividade em ação. Revista Retratos da Escola, Brasília, DF, v. 7, n. 13, p. 481-498, 2013.

LOURO, G. L. Pedagogias da sexualidade. In: LOURO, G. L. O corpo educado: pedagogias da sexualidade. Belo Horizonte: Autêntica, 2000. p. 7-34.

MAUSS, M. Sociologia e Antropologia. São Paulo: Cosac & Naify, 2003.

MEZZAROBA, C.; CARRIQUIRIBORDE, N. Teoria e prática: questões imprescindíveis à prática educativa. Educação & Formação, Fortaleza, v. 5, n. 3, p. e2807, 2020.

MISKOLCI, R. (org.). Marcas da diferença no ensino escolar. São Carlos: UFSCar, 2010.

MOOJEN, S. M. P.; BASSOA, A.; GONÇALVES, H. A. Características da dislexia de desenvolvimento e sua manifestação na idade adulta. Revista Psicopedagogia, São Paulo, v. 33, n. 100, p. 50-59, 2016.

MORAES, R.; GALIAZZI, M. C. Análise Textual Discursiva: processo reconstrutivo de múltiplas faces. Ciência & Educação, Bauru, v. 12, n. 1, p. 117-128, 2006.

ROBERTO. Entrevista. 23 out. 2019.

SAMUEL. Entrevista. 18 out. 2019.

SANDÍN ESTEBAN, M. P. Pesquisa qualitativa em educação: fundamentos e tradições. Porto Alegre: AMGH, 2010.

SILVA, L. A. N. A experiência do corpo como fenômeno educativo no Taekwondo. São Paulo: LiberArs, 2020.

SILVA, I.; DIAS, A.; RIOS, P. Os estudos de Gênero na Revista Tempos e Espaços em Educação: uma revisão sistematizada. Educação & Formação, Fortaleza, v. 5, n. 2, p. 150-175, 2020.

Publicado

2021-03-18

Como Citar

LIMA NETO, A. A. de; SILVA, R. de C. Ângelo da; MAIA, R. N. Pedagogias da masculinidade: reflexões acerca de processos de subjetivação de homens professores da EJA. Educação & Formação, [S. l.], v. 6, n. 2, p. e4378, 2021. DOI: 10.25053/redufor.v6i2.4378. Disponível em: https://revistas.uece.br/index.php/redufor/article/view/4378. Acesso em: 12 maio. 2021.