Educação ambiental e cidadania em ambiente prisional

resultados de um estudo com reclusos em Portugal.

Autores

DOI:

https://doi.org/10.25053/redufor.v6i3.4180

Palavras-chave:

Educação a Distância, Cidadania e Educação, Educação Ambiental, Educação na Prisão, Dinâmica de Grupo

Resumo

Inspirado no Conselho da Europa que defende que a população carcerária tenha acesso a programas de educação e formação, integrado no modelo pedagógico adaptado por Moreira (2017) e testado por Dias-Trindade e Moreira (2019) em estabelecimentos prisionais portugueses e procurando dar resposta à necessidade de atender uma população habitualmente excluída e crescente, este estudo apresenta os resultados de um projeto que explorou, através de um ambiente híbrido de aprendizagem, a relação entre ambiente e cidadania entre os reclusos de um Estabelecimento Prisional na região do Porto (Portugal), no início de 2020. Os resultados, de teor qualitativo, permitiram definir alguns balizadores de imagens mentais e posicionamentos pessoais, fundamentados em metodologias anteriormente testadas por Doménech e colegas (2011) e Moreira e Dias-Trindade (2020). Conclui-se que dinâmicas complementares, desenvolvidas nestes ambientes de aprendizagem podem contribuir tanto na aquisição de conhecimentos, como de competências cidadãs associadas à relação Homem-Natureza.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Jesus Manuel Delgado-Mendez, Universidade Federal do Recôncavo da Bahia

Graduado em Engenharia Agronômica na UFSM-RS/ Brasil (1975), com Mestrado em Política e Planejamento de Recursos em Cornell University-NY/USA (1981), Doutoramento em Conservação Florestal na ESALQ-USP/Brasil (2008) e Pós-Doutorado em Uso de Tecnologias da Informação e Comunicação na Universidade de Coimbra/ Universidade Aberta/ Portugal (2020).

Sara Dias-Trindade, Universidade de Coimbra

Doutora em História - Didática da História e pós-doutora em Tecnologias da Educação e da Comunicação pela Universidade de Coimbra. É docente no Departamento de História, Estudos Europeus, Arqueologia e Artes da Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra. Investigadora no Centro de Estudos Interdisciplinares do Século XX (CEIS20-UC) da Universidade de Coimbra, integrando, atualmente, a equipa de coordenação do referido Centro. É também investigadora colaboradora na Unidade Móvel de Investigação em Estudos do Local (ELO) da Universidade Aberta de Portugal.

Jose Antonio Moreira, Universidade Aberta de Portugal

Doutor em Ciências da Educação pela Universidade de Coimbra e pós-doutor em Tecnologias Educacionais e da Comunicação também pela Universidade de Coimbra. É professor no Departamento de Educação e Ensino a Distância (DEED) da Universidade Aberta (UAb). Atualmente é diretor da Delegação Regional do Porto da UAb e coordenador da Unidade de Desenvolvimento dos Centros Locais de Aprendizagem (UMCLA) da mesma universidade. É coordenador científico da Unidade Móvel de Investigação em Estudos do Local (ELO), investigador integrado no Centro de Estudos Interdisciplinares do Século XX (CEIS20) da Universidade de Coimbra e investigador colaborador no Laboratório de Educação a Distância e eLearning (LE@d) da UAb.

Referências

BARDIN, L. L´analyse de contenu. Paris: PUF, 1977.

BOLÍVAR, A. Justicia social y equidad escolar: una revisión actual. Revista Internacional de Educación para la Justicia Social, Madrid, v. 1, n. 1, p. 9-45, 2012.

CAMPOS, S. M. C. S. Sistemas prisionais europeus. 2015. Dissertação (Mestrado em Direito e Segurança) – Pós-Graduação em Direito, Universidade Nova de Lisboa, Lisboa, 2015.

CONSELHO DA EUROPA. Recomendação (89) de 12 de outubro de 2013. Dispõe sobre as regras das prisões europeias. 2013.

DIAS-TRINDADE, S.; MOREIRA, J. A. Pedagogical scenarios enriched with audiovisual technologies and their impact on the promotion of the learning skills of inmate students in Portugal. Digital Education Review, Barcelona, n. 35, p. 97-110, 2019.

DÍAZ-TORRES, J. M. Exclusión social y educación superior: la respuesta pedagógica. Educação & Formação, Fortaleza, v. 2, n. 6, p. 3-16, 2017.

DOMÉNECH S. J. M.; LÓPEZ, E.; VELASCO, A. E. Manual para obtener la estructura de una red semântica. Ciudad de México, DF: Universidad Nacional Autónoma de México, 2011.

DORES, A. P. Presos são eles; presos estamos nós. Revista Eletrônica da Faculdade de Direito da Universidade Federal de Pelotas, Pelotas, v. 4, n. 1, p.13-46, 2018.

GAROFALO, S. J.; GALAGOVSKY, L. R.; ALONSO, M. Redes semánticas poblacionales: un instrumento metodológico para la investigación educativa. Ciência & Educação, Bauru, v. 21, n. 2, p. 361-375, 2015.

KONDRASHOVA, L. V. et al. Desenvolvimento do potencial criativo de futuros professores: estratégia para melhorar a qualidade do ensino superior pedagógico. Educação & Formação, Fortaleza, v. 5, n. 3, p. 1-15, 2020.

MAINARDES, J.; CARVALHO, I. C. M. Autodeclaração de princípios e de procedimentos éticos na pesquisa em Educação. In: ANPED (org.). Ética e pesquisa em educação: subsídios. Rio de Janeiro: ANPEd, 2019. p. 129-132.

MOREIRA, J. A. A pedagogical model to deconstruct moving pictures in virtual learning environments and its impact on the self-concept of postgraduate students. Journal of e-Learning and Knowledge Society, v. 13, n. 1, p. 77-90, 2017.

MOREIRA, J. A. et al. Sistemas prisionais: história e desafios educacionais da era digital. Santo Tirso: Whitebooks, 2016.

MOREIRA, J. A.; DIAS-TRINDADE, S. Online learning environments enriched with audiovisual technologies and its impact on the construction of virtual communities in Higher Education in prison context. Journal of e-Learning and Knowledge Society, v. 16, n. 2, p. 9-16, 2020.

MOREIRA, J. A.; MACHADO, A.; DIAS-TRINDADE, S. Educação a distância no ensino superior em contexto de reclusão enquanto política de formação humana em Portugal. Education Policy Analysis Archives, Arizona, v. 26, n. 118, p. 1-22, 2018.

MURILLO TORRECILLA, F. J.; HERNÁNDEZ CASTILLA, R. Hacia un concepto de justicia social. Revista Iberoamericana sobre Calidad, Eficacia y Cambio en Educación, Madrid, v. 9, n. 4, p. 8-23, 2011.

PAGE, M. A primeira aldeia global: como Portugal mudou o mundo. Alfragide: Casa das Letras, 2018.

SARMIENTO SILVA, C. et al. Hacia una reconceptualización del “modelo de redes semánticas naturales”. Revista Mexicana de Psicología, Ciudad de México, DF, v. 2, p. 165-174, 1992.

SPCE. Carta Ética: instrumento de regulação ético-deontológica. Porto: SPCE, 2014. THERRIEN, J.; AZEVEDO, M. R. C.; LACERDA, C. R. A racionalidade pedagógica nos processos de mediação à produção de sentidos e de aprendizagem aos saberes. Educação & Formação, Fortaleza, v. 2, n. 6, p. 186-199, 2017.

UNESCO. Relatório global sobre aprendizagem e educação de adultos. Brasília, DF: Instituto da Unesco para a Aprendizagem ao Longo da Vida, 2010.

VALDEZ MEDINA, J. L. Las redes semánticas naturales, usos y aplicaciones en Psicología Social. Ciudad de México, DF: Universidad Autónoma del Estado de México, 1998.

WANG, F.; HANNAFIN, M. Design-based research and technology-enhanced learning environments. Educational Technology Research and Development, v. 53, n. 4, p. 5-23, 2005.

WARSCHAWER, M. Technology and Social Inclusion. Rethinking the digital divide. Cambridge: MIT, 2004.

Publicado

2021-06-28

Como Citar

DELGADO-MENDEZ, J. M.; DIAS-TRINDADE, S.; MOREIRA, J. A. Educação ambiental e cidadania em ambiente prisional: resultados de um estudo com reclusos em Portugal. Educ. Form., [S. l.], v. 6, n. 3, p. e4180, 2021. DOI: 10.25053/redufor.v6i3.4180. Disponível em: https://revistas.uece.br/index.php/redufor/article/view/4180. Acesso em: 19 out. 2021.