Saberes tradicionais, etnobotânica e o ensino de ciências: estudo em escolas públicas do Maciço de Baturité, Ceará, Brasil

Autores

DOI:

https://doi.org/10.25053/redufor.v4i11mai/ago.3355

Palavras-chave:

Saberes tradicionais, Etnobotânica, Ensino de Ciências, Plantas medicinais

Resumo

O presente estudo objetivou compreender como os saberes tradicionais da Etnobotânica podem contribuir para o ensino-aprendizagem de Ciências. O estudo foi desenvolvido em duas escolas públicas de ensino fundamental II do Ceará. Caracteriza-se como uma pesquisa-ação de abordagem qualitativa. Os dados foram coletados no início do primeiro semestre de 2016, através da aplicação de um questionário com 50 discentes do 7º ano de duas escolas públicas. Após a interpretação dos dados, realizou-se uma oficina nas duas escolas, o que permitiu a troca de conhecimento e experiências entre os discentes. O estudo revelou que os estudantes possuem um amplo nível de informações acerca das plantas medicinais, porém esse conhecimento não é disseminado dentro do ambiente escolar, demonstrando a necessidade de valorização do conhecimento empírico dos discentes para promover uma aprendizagem contextualizada, fomentando a elaboração significativa do conhecimento.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Antônio Roberto Xavier, Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro-brasileira - UNILAB

Pós-doutor em Educação pela Universidade Federal da Paraíba (UFPB) e Pós-doutor em Educação (PNPD-2017-2018) pela Universidade Federal do Ceará (UFC); Doutor em Educação pela Universidade Federal do Ceará (UFC); Mestre em Sociologia pela Universidade Estadual do Ceará (UECE); Mestre em Planejamento e Políticas Públicas pela Universidade Estadual do Ceará (UECE); Especialista em História e Sociologia pela Universidade Regional do Cariri (URCA); Graduação em Licenciatura Plena em História pela Universidade Estadual do Ceará (UECE); Graduação em Licenciatura Plena em Pedagogia pela Faculdades Kurius (FAK). Professor Permanente do Mestrado Acadêmico em Sociobiodiversidade e Tecnologias Sustentáveis (MASTS) e Professor do Curso de Graduação em Administração Pública presencial, ambos da UNILAB; Professor-Pesquisador no Programa de Pós-graduação Mestrado e Doutorado (PPGE) da Universidade Federal do Ceará (UFC). Atua nas seguintes Linhas de Pesquisa: 1) Políticas Públicas, Estado e Sociedade; 3) Etnociência, Saberes Populares e Sustentabilidade; 3) Culturas, História, Memória e Educação. Desenvolve também pesquisas em História e Cultura Afro-brasileira e Africana; Biografias; Temáticas étnico-raciais; Segurança Pública e Crime Organizado; Direitos Humanos e Sistema Penitenciário; Cultura Digital; Família, Gênero e Geração; Museologia; Patrimônios; Gestão Ambiental; Teoria e Metodologia da História; Micro-História; Ensino de Ciências; Fundamentos Históricos, Filosóficos, Sociológicos e Antropológicos da Educação. É Líder do Grupo de Pesquisa GPS (Gestão de Políticas Sociais) da UNILAB/ICSA/CNPq e Pesquisador integrante do Núcleo de História e Memória da Educação - NHIME da UFC/CNPq.

Luana Mateus de Sousa, Universidade Federal do Ceará

Doutoranda em Ecologia e Recursos Naturais pela UFC, mestra em Sociobiodiversidade e Tecnologias Sustentáveis pela Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro-Brasileira (Unilab), especialista em Gestão Escolar pela Faculdade do Maciço de Baturité (FMB) e em Gestão de Recursos Hídricos, Ambientais e Energéticos pela Unilab e graduada em Ciências da Natureza e Matemática, com habilitação em Biologia, pela Unilab. Na graduação, atuou como bolsista do Programa Institucional de Bolsas de Iniciação à Docência (Pibid) e do Programa Institucional de Bolsas de Iniciação Científica (Pibic), vinculado ao Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq). Integrante do grupo de pesquisa e extensão Educação e Cooperação Sul-Sul (Eloss) da Unilab, cadastrado no diretório de grupos de pesquisas do CNPq. Tem experiência na área de Educação, atuando nos seguintes temas: Ensino de Ciências, Ensino de Matemática, Práticas Educativas de Biologia, Estágio Supervisionado em Biologia, Educação de Jovens e Adultos (EJA), Medição de Conflitos Escolares e Cultura de Paz e como professora diretora de turma. Atuou como professora formadora de Matemática na Coordenadoria Regional de Desenvolvimento da Educação 8 (Crede 8), da Secretaria Estadual da Educação do Ceará (Seduc-CE). Possui experiência ainda como colaboradora do curso Ciências da Natureza e Matemática em Diálogo com a Diversidade Étnico-             -Racial da Unilab/Seduc.

José Lucas Martins Melo, Universidade Federal do Ceará

Mestrando em Ciência do Solo (Manejo do Solo e da Água) pela UFC e graduado em Agronomia pela Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro-Brasileira (Unilab). Possui experiência sobre o impacto do manejo do solo na pedofauna; fitotecnia e entomologia agrícola; levantamento e identificação das pragas florestais da subfamília Scolytinae e Platypodinae.

Referências

ALENCAR, N. L. Farmacopéias tradicionais: o papel das plantas medicinais na sua constituição, formação e manutenção em comunidades da caatinga. 2012. 129 f. Tese (Doutorado em Botânica) – Programa de Pós-Graduação em Botânica, Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2012.

BAPTISTA, G. C. S. A contribuição da Etnobiologia para o ensino e a aprendizagem de Ciências: estudo de caso em uma escola pública do estado da Bahia. 2007. 188 f. Dissertação (Mestrado em Ensino, Filosofia e História das Ciências) – Programa de Pós--Graduação em Ensino, Filosofia e História das Ciências, Universidade Estadual de Feira de Santana, Feira de Santana, 2007.

BAPTISTA, G. C. S. Importância da demarcação de saberes no ensino de Ciências para sociedades tradicionais. Ciência & Educação, Bauru, v. 16, n. 3, p. 679-694, 2010. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1516-73132010000300012. Acesso em: 20 abr. 2020.

BORDA, O. F. Aspectos teóricos da pesquisa participante: considerações sobre o significado e o papel da ciência na participação popular. In: BRANDÃO, C. R. (Org.). Pesquisa participante. 4. ed. São Paulo: Brasiliense, 1984. p. 42-62.

BRASIL. Base Nacional Comum Curricular (BNCC). Brasília, DF: MEC, 2015.

BRASIL. Lei nº 4.024, de 20 de dezembro de 1961. Fixa as Diretrizes e as Bases para o Ensino de 1º e 2º graus, e dá outras providências. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, DF, 27 dez. 1961.

BRASIL. Lei nº 5.692, de 11 de agosto de 1971. Fixa Diretrizes e Bases para o Ensino de 1º e 2º Graus, e dá outras providências. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, DF, 12 ago. 1971.

BRASIL. Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, DF, 21 dez. 1996.

BRASIL. Parâmetros Curriculares Nacionais: Ciências Naturais. Brasília, DF: MEC/SEF, 1997.

CAVAGLIER, M. C. S. Plantas medicinais na Educação de Jovens e Adultos: uma proposta interdisciplinar para Biologia e Química. 2011. 98 f. Dissertação (Mestrado Profissional em Ensino de Ciências) – Programa de Pós-Graduação em Ensino de Ciências, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2011.

COBERN, W. W.; LOVING, C. C. Defining science in a multicultural world: implications for science education. Science Education, Salem, v. 85, n. 1, p. 50-67, 2001.

COSTA, E. A. Nutrição e fitoterapia: tratamento alternativo através das plantas. Petrópolis: Vozes, 2012.

DIEGUES, A. C. et al. (Org.). Os saberes tradicionais e a biodiversidade no Brasil. São Paulo: MMA, 2000.

ELISABETSKY, E. Etnofarmacologia de algumas tribos brasileiras. In: RIBEIRO, B. (Org.). Suma etnológica brasileira. São Paulo: Vozes: Finep, 1987. p. 135-148.

FRANCO, L. G.; MUNFORD, D. Reflexões sobre a Base Nacional Comum Curricular: um olhar da área de Ciências da Natureza. Horizontes, Itatiba, v. 36, n. 1, p. 158-170, 2018. Disponível em: https://revistahorizontes.usf.edu.br/horizontes/article/view/582/267. Acesso em: 20 abr. 2020.

HAMILTON, A. C. et al. The purposes and teaching of applied ethnobotany. People and Plants Working Paper, Godalming, v. 11, p. 1-71, 2003. Disponível em: http://unesdoc.unesco.org/images/0014/001458/145847e.pdf. Acesso em: 22 nov. 2015.

KRASILCHIK, M. Reformas e realidade: o caso do ensino de ciências. São Paulo em Perspectiva, São Paulo, v. 14, n. 1, p. 85-93, 2000. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/spp/v14n1/9805.pdf. Acesso em: 20 abr. 2020.

MACHADO, A. H.; MORTIMER, E. F. Química para o ensino médio: fundamentos, pressupostos e o fazer cotidiano. In: ZANON, L. B.; MALDANER, O. A. (Org.). Fundamentos e propostas de ensino de Química para a educação básica no Brasil. Ijuí: Unijuí, 2007. p. 21-41.

MARCONI, M. A.; LAKATOS, E. M. Fundamentos de metodologia científica. 5. ed. São Paulo: Atlas, 2003.

MOREIRA, E. Conhecimento tradicional e a proteção. T&C Amazônia, [S.l.], v. 5, n. 11, p. 33-41, 2007.

MORTIMER, E. F. Sobre chamas e cristais: a linguagem cotidiana, a linguagem científica e o ensino de Ciências. In: CHASSOT, A.; OLIVEIRA, R. J. (Org.). Ciência, ética e cultura na educação. São Leopoldo: Unisinos, 1998. p. 99-118.

OLIVEIRA, L. S. T. et al. Uso de plantas medicinais no tratamento de animais. Centro Científico Conhecer: Enciclopédia Biosfera, Goiânia, v. 5, n. 8, p. 1-8, 2009. Disponível em: http://www.conhecer.org.br/enciclop/2015E/uso%20de%20plantas.pdf. Acesso em: 20 abr. 2020.

RIBEIRO, M. T. D.; MELLO, I. C. Ensino de Química na Educação Básica – EJA: algumas dificuldades. In: ENEQ, 15., 2010. Brasília, DF. Anais. Brasília, DF: UNB, 2010. Disponível em: http://www.sbq.org.br/eneq/xv/listaresumos.htm. Acesso em: 19 jan. 2016.

SILVA, T. S. S.; MARISCO, G. Conhecimento etnobotânico dos alunos de uma escola pública no município de Vitória da Conquista/BA sobre plantas medicinais. Revista Brasileira de Farmácia, São Paulo, v. 9, n. 2, p. 62-73, 2013.

SIQUEIRA, A. B.; PEREIRA, S. M. Abordagem etnobotânica no ensino de Biologia. Revista Eletrônica do Mestrado em Educação Ambiental, Rio Grande, v. 31, n. 2, p. 247-260, 2014. Disponível em: https://periodicos.furg.br/remea/article/view/4711/3092. Acesso em: 20 abr. 2020.

SOARES, M. A. A. et al. Levantamento etnobotânico das plantas medicinais utilizadas pela população do município de Gurinhém – Paraíba. Revista Homem, Espaço e Tempo, Acaraú, v. 3, n. 2, p. 36-47, 2009. Disponível em: https://rhet.uvanet.br/index.php/rhet/article/view/72/59. Acesso em: 20 abr. 2020.

Downloads

Publicado

2019-05-01

Como Citar

XAVIER, A. R.; SOUSA, L. M. de; MELO, J. L. M. Saberes tradicionais, etnobotânica e o ensino de ciências: estudo em escolas públicas do Maciço de Baturité, Ceará, Brasil. Educ. Form., [S. l.], v. 4, n. 11, p. 215–233, 2019. DOI: 10.25053/redufor.v4i11mai/ago.3355. Disponível em: https://revistas.uece.br/index.php/redufor/article/view/3355. Acesso em: 17 jul. 2024.