A Prática como componente curricular na disciplina pesquisa e processos educativos do curso de pedagogia: Um diferencial na relação entre pesquisa, teoria e prática

Palavras-chave: Formação inicial de professores. Prática de Ensino. Pesquisa.

Resumo

Este artigo discute o papel da Prática como Componente Curricular (PCC) nos processos iniciais de formação de professores, tem como objetivo central analisar a proposta de formação dos licenciandos de um curso mediante exame das disciplinas de Pesquisa e Processos Educativos, as quais consubstanciam a PCC. Nesta pesquisa qualitativa, o tratamento dos dados baseou-se na análise de conteúdo proposta por Bardin (2009); por André (2012, 2017) e Gatti e Barreto (2009) acerca do papel da pesquisa na formação dos professores; e pelas contribuições de Marcelo García (1999, 2009) acerca do desenvolvimento profissional. Os resultados indicaram que a Prática como Componente Curricular, associada aos aprendizados das práticas formativas da docência, tendo a pesquisa como eixo de verticalização da formação de professores, é fundamental para o desenvolvimento profissional dos futuros professores, tornando-se elemento essencial para o desenvolvimento da habilidade investigativa contribuindo para a sua formação profissional, artística, científica e política.

 

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ANDRÉ, M. (Org.). O papel da pesquisa na formação e na prática dos professores. Campinas: Papirus, 2012.

BARBOSA, A.T.; CASSIANI, S. A Prática como Componente Curricular em um curso de formação de professores de Biologia: sentidos e possibilidades. In: MOHR, A.; WIELEWICKI, H.G.(Org.).Prática como Componente Curricular: que novidade é essa 15 anos depois? Florianópolis: NUP/CED, 2017.p. 171-192.

BARDIN, L. Análise de conteúdo.Lisboa: 70, 2009.

BRASIL. Conselho Nacional de Educação. Resolução n.2, de 1º de julho de 2015. Define as Diretrizes Curriculares Nacionais para a formação inicial em nível superior (cursos de licenciatura, cursos de formação pedagógica para graduados e cursos de segunda licenciatura) e para a formação continuada. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, DF, 2 jul. 2015.

BRASIL. Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação. Parecer CNE/CP n.9, de 8 de maio de 2001. Diretrizes Curriculares Nacionais para a Formação de Professores da Educação Básica, em nível superior, curso de licenciatura, de graduação plena. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, DF, 18 jan. 2002a.

BRASIL. Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação. Parecer CNE/CP n.28, de 2 de outubro de 2001. Dá nova redação ao Parecer CNE/CP n. 21/2001, que estabelece a duração e a carga horária dos cursos de Formação de Professores da Educação Básica, em nível superior, curso de licenciatura, de graduação plena. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, DF, 18 jan. 2002b.

BRASIL. Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação. Parecer CNE/CP n.1, de 18 de fevereiro de 2002. Institui Diretrizes Curriculares Nacionais para a Formação de Professores de Educação Básica, em nível superior, curso de licenciatura, de graduação plena. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, DF, 9 abr. 2002c.

BRASIL. Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação. Resolução CNE/CP n. 2, de 19 de fevereiro de 2002. Institui a duração e a carga horária dos cursos de licenciatura, de graduação plena, de formação de professores da Educação Básica em nível superior. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, DF, 4 mar. 2002d.

BRASIL. Resolução CNE/CP n.1, de 15 de maio de 2006. Institui Diretrizes Curriculares Nacionais para o curso de graduação em Pedagogia, licenciatura. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, DF, 16 maio 2006.

GARCÍA, C. M. Desenvolvimento profissional: passado e futuro. Sísifo:Revista das Ciências da Educação, Lisboa, n. 8, p.7-22, 2009.

GATTI, B. A. O curso de licenciatura em Pedagogia: dilemas e convergências. EntreVer, Florianópolis, v. 2, n. 3, p. 151-169, 2012.

GATTI, B. A.; BARRETTO, E. S. S. Professores do Brasil: impasses e desafios. Brasília, DF: Unesco, 2009.

IFC –Instituto Federal Catarinense.Campus Camboriú. Normatização da Prática como Componente Curricular (2011). Camboriú: IFC, 2017a. Mimeografado.

IFC –Instituto Federal Catarinense. CampusCamboriú. Projeto pedagógico do curso de licenciatura em Pedagogia. Camboriú: IFC, 2017b. Mimeografado.

IFC –Instituto Federal Catarinense. CampusCamboriú. Regulamento da disciplina de Pesquisa e Processos Educativos e Trabalho de Curso –TC(2017). Camboriú: IFC, 2017c. Mimeografado.

IMBERNÓN, F. Formação docente e profissional. São Paulo: Cortez, 2011.MORAES, M. C. M. Recuo da teoria: dilemas na pesquisa em educação. RevistaPortuguesa de Educação, Braga, v. 14, n. 1, p. 7-25, 2001.

OLIVEIRA, M.C.A.; BRITO, L.D. Por entre as palmas desse lugar... A Prática como Componente Curricular dos cursos de licenciatura em Ciências Biológicas de duas universidades estaduais do Nordeste.In: MOHR, A.; WIELEWICKI, H.G.(Org.).Prática como componente curricular: que novidade é essa 15 anos depois? Florianópolis: NUP/CED, 2017.p. 87-106.

PEREIRA, B.;MOHR, A. A Prática como Componente Curricularna perspectiva de professores universitários de Ciências Biológicas da Universidade Federal de Santa Catarina. In: MOHR, A.; WIELEWICKI, H.G.(Org.).Prática como componente curricular: que novidade é essa 15 anos depois? Florianópolis: NUP/CED, 2017.p. 193-210.

POPKEWITZ, T. Lutando em defesa da alma: a política do ensino e a construção do professor. Porto Alegre: Artmed, 2001.

SCHEIBE, L. Formação de professores e pedagogos na perspectiva da LDB. In: BARBOSA, R. L. L. (Org.). Formação de educadores: desafios e perspectivas. São Paulo: Unesp, 2003. p. 171-183.

SEVERINO, A. J. Metodologia do trabalho científico. 23.ed. São Paulo: Cortez, 2007.

SILVÉRIO, L.E.R. Prática como componentecurricular: desafios e possibilidades da integração da formação acadêmica com ocampo profissional da docência. In: MOHR, A.; WIELEWICKI, H.G.(Org.).Prática como componente curricular: que novidade é essa 15 anos depois? Florianópolis: NUP/CED, 2017.p.151-170.

SOARES, M. As pesquisas nas áreas específicas influenciando o curso de formação de professores. In: ANDRÉ, M.(Org.).O papel da pesquisa na formação e na prática dos professores. Campinas: Papirus, 2012. p.91-105.

TORRES, J. R.; SILVÉRIO, L. E. R.;MAESTRELLI, S.R.P. A Prática como Componente Curricular no curso de graduação de Ciências Biológicas da UFSC: um diagnóstico inicial.In: MOHR, A.; WIELEWICKI, H.G.(Org.).Prática como componente curricular: que novidade é essa 15 anos depois? Florianópolis: NUP/CED, 2017.p. 211-242.

Publicado
2019-05-01
Como Citar
BRANDT, A.; HOBOLD, M. A Prática como componente curricular na disciplina pesquisa e processos educativos do curso de pedagogia: Um diferencial na relação entre pesquisa, teoria e prática. Educação & Formação, v. 4, n. 2, p. 142-160, 1 maio 2019.