PALCO E RESILIÊNCIA

NARRATIVAS DE ARTISTAS DE TEATRO DE MOSSORÓ-RN

  • Francisco das Chagas Silva Souza
  • Joriana de Freitas Pontes
  • Glaudênia Alves de Moura
Palavras-chave: Teatro. Resiliência. Autoformação. Desenvolvimento humano.

Resumo

Considerando-se que o teatro pode proporcionar resiliência, ou seja, permitir que sujeitos apresentem um desenvolvimento positivo, mesmo após vivenciar desafios e circunstâncias desfavoráveis, realizamos entrevistas abertas com cinco atores de teatro de Mossoró com o objetivo de verificar o significado do teatro para as suas vidas. As entrevistas foram autorizadas, gravadas em áudio e transcritas para análise de conteúdo. Os entrevistados tiveram suas primeiras experiências com o teatro em instituições de educação formal em níveis diferentes. Seus relatos evidenciam a arte teatral como atividade potencializadora do ser humano, ao possibilitar uma auto formação e a construção de novos modos de ser e estar no mundo. O contato com o teatro permitiu aos artistas um processo de resiliência, visto que desenvolveu habilidades interpessoais e trouxe para eles, o amadurecimento dessas habilidades, levando-os à autoanálise e à capacidade criativa de solucionar ou conviver com os seus conflitos interiores.

Referências

ARENDT, H. Entre o passado e o futuro. São Paulo: Perspectiva, 2000.

ASSIS, S. G.; PESCE, R. P.; AVANCI, J. Q. Resiliência: enfatizando a produção dos adolescentes. Porto Alegre: Artmed, 2006.

AZEVEDO, E. C. Teatro e psicanálise. São Paulo: Biblioteca 24 Horas, 2010.

BARBOSA, G. S. Resiliência em professores do ensino fundamental de 5ª a 8ª série:validação e aplicação do questionário do índice de resiliência: adultos Reivich-Shatté. 2006. 330f. Tese (Doutorado em Psicologia Clínica) – Programa de Pós-Graduação em Psicologia Clínica, Pontifícia Universidade Católica, São Paulo, 2006.

BRASIL. Parâmetros Curriculares Nacionais (PCNs): Arte. Ensino Fundamental. 1º e 2º ciclos. Brasília: MEC/SEF, 1998.

CYRULNIK, B. Autobiografia de um espantalho: histórias de resiliência: o retorno à vida. São Paulo: Martins Fontes, 2009.

CYRULNIK, B. O murmúrio dos fantasmas. São Paulo: Martins Fontes, 2005.

CYRULNIK, B. Os patinhos feios. São Paulo: Martins Fontes, 2004.

FONTES, R. C. C.; BRANDÃO, M. R. F. A resiliência no âmbito esportivo: uma perspectiva bioecológica do desenvolvimento humano. Motriz, Rio Claro, v. 19, n. 1, p.151-159, 2013.

GROTBERG, E. H. Introdução: novas tendências em resiliência. In: MELILLO, A.; OJEDA, E. N. S. (Org.). Resiliência: descobrindo as próprias fortalezas. Porto Alegre: Artmed, 2005. p. 15-22.

INFANTE, F. A resiliência como processo: uma revisão da literatura recente.In: MELILLO, A.; OJEDA, E. N. S. (Org.). Resiliência: descobrindo as próprias fortalezas. Porto Alegre: Artmed, 2005. p. 23-38.

MELILLO, A. Resiliência e educação. In: MELILLO, A.; OJEDA, E. N. S. (Org.). Resiliência: descobrindo as próprias fortalezas. Porto Alegre: Artmed, 2005. p. 87-101.

POLETTI, R.; DOBSS, B. A resiliência:a arte de dar a volta por cima. Petrópolis: Vozes, 2007.

SANCHES, S. M. A prática esportiva como uma atividade potencialmente promotora de resiliência. Revista Brasileira de Psicologia do Esporte, São Paulo, v. 1 n. 1, p. 1-15, 2007.

TAVARES, J. A resiliência na sociedade emergente. In: TAVARES, J. (Org.) Resiliência e educação.3. ed. São Paulo: Cortez, 2002. p. 43-75.

YUNES, A. A. M.; SZYMANSKI, H. Resiliência: noção, conceitos afins e considerações críticas. In: TAVARES, J. (Org.). Resiliência e educação.3. ed. São Paulo: Cortez, 2002. p. 13-42.
Publicado
2018-09-05