NARRATIVAS DE SI NA INICIAÇÃO À DOCÊNCIA

O PIBID COMO ESPAÇO E TEMPO FORMATIVOS

  • Fabrício Oliveira da Silva
  • Jane Adriana Vasconcelos Pacheco Rios
Palavras-chave: Pibid. Formação. Práticas educativas. Ensino. Narrativas.

Resumo

Analisou-se a trajetória de iniciação à docência de uma bolsista do Programa Institucional de Bolsas de Iniciação à Docência na Universidade do Estado da Bahia, objetivando compreender como o programa faculta a inserção do licenciando em Letras na dinâmica das práticas educativas. Apresentaram-se os objetivos do programa, a organização e as experiências da iniciação à docência narradas pela bolsista, refletindo-se sobre a sua trajetória formativa, as experiências vividas numa dupla dimensão do referido programa: a de se constituir como uma categoria de tempo formativo, bem como de lócus em que a iniciação à docência produz sentidos do ser professor pela complexidade e dinâmica da realidade escolar. Optou-se pela abordagem (auto)biográfica com base em autores que estudam a temática. O estudo mostrou que o mencionado programa favoreceu a inserção da licencianda no contexto do cotidiano da escola, o que possibilita desenvolvimento de experiências para o ensino de Língua Portuguesa.

 

Referências

BRASIL. Decreto nº 7.219, de 24 de junho de 2010. Dispõe sobre o Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência - PIBID e dá outras providências. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, DF, 25 jun. 2010.

BRASIL. Lei nº 11.502, de 11 de julho de 2007. Modifica as competências e a estrutura organizacional da fundação Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior - CAPES, de que trata a Lei nº 8.405, de 9 de janeiro de 1992; e altera as Leis nº 8.405, de 9 de janeiro de 1992, e 11.273, de 6 de fevereiro de 2006, que autoriza a concessão de bolsas de estudo e de pesquisa a participantes de programas de formação inicial e continuada de professores para a educação básica. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, DF, 12 jul. 2007.

BRASIL. Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação / Câmara de Educação Superior. Resolução CNE/CES nº 18, 13 de março de 2002. Estabelece as Diretrizes Curriculares para os Cursos de Letras. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, DF, 9 abr. 2002.

BRASIL. Portaria Normativa do Ministério da Educação nº 38, de 13 de dezembro de 2007. Dispõe sobre o Programa de Bolsa Institucional à Docência - PIBID. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, DF, 13 dez. 2007.

CHARLOT, B. Relação com o saber, formação de professores e globalização: questões para a educação hoje. Porto Alegre: Artmed, 2005.

DELORY-MOMBERGER, C. A condição biográfica:ensaios sobre a narrativa de si na modernidade avançada. Natal: UFRN, 2012.

EREBEN, M. Biografía y autobiografía:el significado del método autobiográfico.Milano: Angelo Guerini e Associati, 1996.

JOSSO, M.C. Experiências de vida e formação. São Paulo: Cortez, 2004.
MIRANDA, N. S. Uma proposta curricular para a formação de professores de português. Boletim da Associação Brasileira de Linguística, Fortaleza, v. 25. p. 203-209, 2000.
LISPECTOR, C. A hora da estrela. São Paulo: Record/Altaya, 1998.

NÓVOA, A.; FINGER, M. (Org.). O método (auto)biográfico e a formação. Natal: UFRN; São Paulo: Paulos, 2014.

OLIVEIRA, M. B. F. Discutindo a formação inicial de professores de língua materna: o processo de disciplinarização dos saberes de referência. In: CBLA, 6., 2004, São Paulo. Anais... São Paulo: PUC, 2004.

OLIVEIRA, M. B. F. Sala de Aula de língua e práticas cidadãs.Trabalhos de Linguística Aplicada, Campinas, v. 41, p. 65-74, 2003.

POSSENTI, S. Por que (não) ensinar gramática na escola. Campinas: Mercado de Letras, 2000.

RAMALHO, B. L. Estudo, caracterização e constituição de novas práticas formativas para a formação e profissionalização do (a) professor (a) do Ensino Fundamental. 1998. Projeto de Pesquisa Integrada – Programa de Pós-Graduação em Educação, Núcleo de Estudos e Pesquisas em Educação Básica, Natal, 1998.

REINALDO, M. A. G. M. Diversidade textual e ensino de leitura: atuação na formação do professor. Boletim da Associação Brasileira de Linguística, Fortaleza, v. 25, p.157-171, 2000.

SILVA, F. O. Formação docente no Pibid: temporalidades, trajetórias e constituição identitária. 2017. 220 f. Tese (Doutorado em Educação) – Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade do Estado da Bahia, Salvador, 2017.

SOARES, M. O livro didático como fonte para a história da leitura e da formação do professor- -leitor. In: MARINHO, M. (Org.).Ler e navegar:espaços e percursos da leitura. Campinas: Mercado de Letras: Associação de Leitura do Brasil, 2002. p. 31-76.

SOUZA, E. C. (Org.). Tempos, narrativas e ficções:a invenção de si. Porto Alegre: PUCRS; Salvador: UNEB, 2006.

TARDIF, M.; LESSARD, C.; LAHAYE, L. Os professores face ao saber: esboço de uma problemática do saber docente. Teoria & Educação, Porto Alegre, n. 4, p. 215-233, 1991.

ZEICHNER, K.; LISTON, D. Teaching student teachers to reflect. Harvard Educational Review,Cambridge, v. 57, n. 1, p. 23-46, 1987.
Publicado
2018-09-05