Protagonismo estudantil em feiras de ciências

Autores

DOI:

https://doi.org/10.25053/redufor.v5i15set/dez.2151

Palavras-chave:

Feira de ciências, Protagonismo estudantil, Escola

Resumo

A Feira de ciências promove o protagonismo do estudante na medida em que favorece sua autononia e desperta o gosto pela prática da ciência. Esse artigo tem como objetivo analisar a feira de ciência como espaço para a promoção de uma postura protagônica no aluno, enquanto construtor e promotor de conhecimento. O cenário de investigação foi a Feira de Ciências do Oeste Potiguar, sob o olhar do aluno participante, destacando o desenvolvimento do gosto pela prática da ciência e de como é estimulado para utilização do método científico na vida social da escola, capaz de revelar o protagonismo estudantil. Dos resultados obtidos, concluímos que a feira de ciências possibilita a produção de conhecimentos, sob condições de permanente aprendizagem, promovendo a interação entre professor e aluno, de modo que estejam dispostos a aprender juntos: o aluno que aprende com o professor e o professor que aprende com o aluno. 

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Simone Cabral Marinho dos Santos, Universidade do Estado do Rio Grande do Norte/Campus de Pau dos Ferros

Doutora em Ciências Sociais pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN). Docente do Departamento de Educação e dos Programa de Pós-Graduação em Ensino (PPGE) e Planejamento e Dinâmicas Territoriais no Semiárido (PLANDITES), do Campus Avançado Profª.  Maria Elisa de Albuquerque Maia (CAMEAM), da Universidade do Estado do Rio Grande do Norte (UERN). Líder do Núcleo de Estudos em Educação (NEEd) e membro do Grupo de Estudos e Pesquisas em Planejamento do Processo Ensino-Aprendizagem (GEPPE). Membro da Rede Interdisciplinar Interinstitucional Êxito Escolar, Empoderamento e Ascensão Social (RIEAS) e Vice-presidente da  Rede Internacional Interdisciplinar de Pesquisadores em Desenvolvimento de Territórios (Rede-TER)

José Raul de Sousa, Universidade do Estado do Rio Grande do Norte/Campus de Pau dos Ferros

Graduado em Pedagogia pela Universidade do Estado do Rio Grande do Norte – UERN/Campus Pau dos Ferros. Especialista em Literatura e Ensino pelo Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Norte (IFRN). Mestrando do Programa de Pós-Graduação em Ensino (PPGE/UERN/Campus Pau dos Ferros). Membro do Núcleo de Estudos em Educação (NEEd). Atualmente é docente do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Norte/Campus Pau dos Ferros.

Alvanisa Lopes de Lima Fontes, Universidade do Estado do Rio Grande do Norte/Campus de Pau dos Ferros

Graduada em Pedagogia pela Universidade do Estado do Rio Grande do Norte – UERN/Campus Pau dos Ferros. Professora da educação básica. 

Referências

AZEVEDO, C. B. Metodologia científica ao alcance de todos. Barueri: Manole, 2009.

BARBOSA, Z. R. S.; SOUSA, J. R.; SANTOS, S. C. M. Fazer ciência na educação básica: prática e reconhecimento do método científico na escola. In: FÓRUM INTERNACIONAL DE PEDAGOGIA, 6., 2014, Santa Maria. Anais... Santa Maria: UFSM, 2014.

BARDIN, L. Análise de conteúdo. São Paulo: 70, 2010.

BORBA, E. A importância do trabalho com feiras e clubes de ciências: repensando o ensino de ciências. Belo Horizonte: Secretaria da Educação de Minas Gerais, 1996. v. 3.

BRANDÃO, C. R. A pergunta a várias mãos: a experiência da pesquisa no trabalho do educador. São Paulo: Cortez, 2003.

DEMO, P. Educar pela pesquisa. Campinas: Autores Associados, 2015.

DESLANDES, S. F.; MINAYO, M. C. S. (Org.). Pesquisa social: teoria, método e criatividade. Petrópolis: Vozes, 2013.

FAZENDA, I. C. A. Integração e interdisciplinaridade no ensino brasileiro: efetividade ou ideologia. 5. ed. São Paulo: Loyola, 2011.

FREIRE, P. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1997.

GERMANO, M. G. Popularização da ciência como ação cultural libertadora. In: COLÓQUIO INTERNACIONAL PAULO FREIRE, 5., 2005, Recife. Anais... Recife: Centro Paulo Freire, 2005.

JAPIASSU, H. Interdisciplinaridade e patologia do saber. Rio de Janeiro: Imago, 1976.

LIMA, M. E. C. Feira de ciências: a produção escolar veiculada e o desejo de conhecer no aluno. Recife: Espaço Ciência, 2004. Disponível em: http://www.espacociencia.pe.gov.br/artigos/a22.html. Acesso em: 20 out. 2008.

LIMA, M. E. C. Feiras de ciências: o prazer de produzir e comunicar. In: PAVÃO, A. C.; FREITAS, D. (Org.). Quanta ciência há no ensino de ciências?. São Carlos: UFSCar, 2011. p. 195-205.

MANCUSO, R. Feira de ciências: produção estudantil, avaliação, consequências. Contexto Educativo: Revista Digital de Educación y Nuevas Tecnologías, Buenos Aires, v. 6, n. 1, p. 1-5, 2000. Disponível em: http://www.redepoc.com/jovensinovadores/feirasdecienciasproducaoestudantil.htm. Acesso em: 20 abr. 2020.

REIS, J. Feiras de ciência: uma revolução pedagógica (1965). In: MASSARANI, L.; DIAS, E. M. S. (Org.). José Reis: reflexões sobre a divulgação científica. Rio de Janeiro: Fiocruz/COC, 2018. p. 133-151.

RIBEIRO, F. A. S. Como organizar uma feira de ciências. Natal: Infinita Imagem, 2015.

SANTIAGO, M. F. C.; SANTOS, S. C. M.; SANTOS FILHO, I. O. (Org.). Ciência na escola: fazendo, vivendo e experimentando. Curitiba: CRV, 2015.

SANTOS, B. S. A universidade no século XXI. São Paulo: Cortez, 2004.

SANTOS, S. C. M.; SANTIAGO, M. F. C.; FREIRE, R. F. Iniciação científica na educação básica: a experiência do Projeto de Extensão Feira de Ciências no Oeste Potiguar (13ª Dired). In: SANTIAGO, M. F. C.; SANTOS, S. C. M.; SANTOS FILHO, I. O. (Org.). Ciência na escola: fazendo, vivendo e experimentando. Curitiba: CRV, 2015. p. 67-87.

SASSERON, L. H.; CARVALHO, A. M. P. Almejando a alfabetização científica no ensino fundamental: a proposição e a procura de indicadores do processo. Investigações em Ensino de Ciências, Porto Alegre, v. 13, n. 3, p. 333-352, 2008.

WEBER, M. A ciência como vocação. In: WEBER, M. Ciência e política: duas vocações. São Paulo: Cultrix, 2008. p. 154-183.

Publicado

2020-06-01

Como Citar

SANTOS, S. C. M. dos; SOUSA, J. R. de; FONTES, A. L. de L. Protagonismo estudantil em feiras de ciências. Educ. Form., [S. l.], v. 5, n. 3, p. e2151, 2020. DOI: 10.25053/redufor.v5i15set/dez.2151. Disponível em: https://revistas.uece.br/index.php/redufor/article/view/2151. Acesso em: 26 jan. 2022.