Educação infantil: história, formação e desafios

Palavras-chave: Docência, formação, educação infantil

Resumo

Considerando que o exercício analítico histórico é essencial na compreensão e superação das barreiras que travam o desenvolvimento das políticas públicas voltadas à melhoria da Educação Infantil em nosso país, propomo-nos, neste artigo, apresentar alguns elementos históricos sobre as origens distintas das creches e pré-escolas, discutir os papéis assumidos pelos professores de Educação Infantil ao longo dos séculos e, por fim, identificar quais são os desafios a serem enfrentados na formação docente nos dias atuais. Defendemos que a melhoria na qualidade dos serviços de educação oferecidos às crianças pequenas depende do comprometimento com uma formação de qualidade de seus professores, mas também de uma ampla conscientização da sociedade sobre a importância de o Estado brasileiro priorizar a educação, especialmente a infantil, em sua política orçamentária.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

André Dioney Fonseca, Universidade Federal do oeste do Pará

Doutor em História Social pela Universidade de São Paulo (FFLCH/USP). Professor Adjunto do Curso de História da Universidade Federal do Oeste do Pará (Ufopa). Docente do Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal do Oeste do Pará (PPGE/Ufopa). 

Anselmo Alencar Colares, Universidade Federal do oeste do Pará

Doutor em Educação pela Universidade Federal de Campinas (Unicamp). Professor Titular do Curso de Pedagogia da Universidade Federal do Oeste do Pará (Ufopa). Docente do Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal do Oeste do Pará (PPGE/Ufopa). 

Sinara Almeida da Costa, Universidade Federal do oeste do Pará

Doutora em Educação pela Universidade Federal do Ceará (UFC). Professora Adjunta do Curso de Pedagogia da Universidade Federal do Oeste do Pará (Ufopa). Docente do Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal do Oeste do Pará (PPGE/Ufopa). 

Referências

ARCE, A. Documentação oficial e o mito da educadora nata na Educação Infantil. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, n. 113, p. 167-184, 2001.

BAKHTIN, M. Marxismo e filosofia da linguagem: problemas fundamentais do método sociológico da linguagem. 14. ed. SãoPaulo: Hucitec, 2010.

BRASIL. Constituição de 1988. Constituição da República Federativa do Brasil. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, DF, 5 out. 1988.

BRASIL.Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Infantil. Brasília, DF: MEC, 2010.

BRASIL. Emenda Constitucional n.95, de 15 de dezembro de 2016. Altera o Ato das Disposições Constitucionais Transitórias, para instituir o Novo Regime Fiscal, e dá outras providências. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, DF, 16 dez. 2016.

BRASIL. Lei n.9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, DF, 21 dez. 1996.

BRASIL. Subsídios para credenciamento e funcionamento de instituições de Educação Infantil. Brasília, DF: MEC, 1998.

CAMARA, L.B. A educação na Constituição Federal de 1988 como um direito social. Revista Direito em Debate, Ijuí, v. 22, p. 4-26-2013.

CAMPOS, M. M. Educar e cuidar: questões sobre o perfil do profissional de Educação Infantil. In: BRASIL. Por uma política de formação do profissional de Educação Infantil. Brasília, DF: MEC, 1994.p.32-42.

CAMPOS, M. M. etal. Profissionais de creche. Cadernos Cedes, São Paulo, n. 9, p. 39-66, 1991.

CERISARA, A. B. A construção da identidade das profissionais de Educação Infantil: entre o feminino e o profissional. 1996. Tese (Doutorado em Educação) –Programa de Pós-Graduação em Educação,Universidade de São Paulo, São Paulo, 1996.

CERISARA, A. B. Professoras de Educação Infantil: entre o feminino e o profissional. São Paulo: Cortez, 2002.

CRUZ, S.H. V. Reflexões acerca da formação do educador infantil. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, n. 97, p. 79-87, 1996.

DIÓGENES, A.L.N. Para além da palavra:um passeio pela infância no universo das ideias e das ações docentes na pré-escola. 1998. Dissertação (Mestrado em Educação)–Programa de Pós-Graduação em Educação,Faculdade de Educação, Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, 1998.

EDWARDS, C. Parceiro, promotor do crescimento e guia: os papéis dos professores de Reggio em ação. In: EDWARDS, C.; GANDINI, L.; FORMAN, G. As cem linguagens da criança: a abordagem de Reggio Emilia na educação da primeira infância. Porto Alegre: Artmed, 1999.p.159-176.

GARDNER, H. Perspectivas complementares sobre Reggio Emilia. In: EDWARDS, C.; GANDINI, L.; FORMAN, G. As cem linguagens da criança: a abordagem de Reggio Emiliana educação da primeira infância. Porto Alegre: Artmed, 1999.p. IX-XII.

KRAMER, S.Profissionais de Educação Infantil: gestão e formação. São Paulo: Ática, 2005.

KUHLMANN JUNIOR, M. A Educação Infantil no século XIX. In: STEPHANOU, M.; BASTOS, M.H.C.(Org.).Histórias e memórias da educação no Brasil. Vol. II: século XIX. Petrópolis: Vozes, 2005. p. 68-77.

KUHLMANN JUNIOR, M. Infância e Educação Infantil: uma abordagem histórica. Porto Alegre: Mediação, 1998.

LASCARIDES, C.; BLYTHE, H. History of early childhood education. Abingdon: Routledge, 2000.

MACÊDO, L.C.; DIAS, A.A. A política de financiamento da educação no Brasil e a Educação Infantil. Revista Brasileira de Política e Administração da Educação,Porto Alegre,v. 27, p. 165-184, 2011.

MACHADO, M.L.A.Formação profissional para Educação Infantil: subsídios para idealização e implementação de projetos. 1998. Tese (Doutorado em Psicologia da Educação) –Programa de Pós-Graduação em Psicologia da Educação,Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 1998. OLIVEIRA, E. Relações raciais nas creches diretas do município de São Paulo. 1994. Dissertação (Mestrado em Educação)–Programa de Pós-Graduação em Educação, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 1994.

OLIVEIRA, Z.M.R. Diretrizes para a formação de professores de Educação Infantil. Revista Pátio Educação Infantil, Porto Alegre, v. 1, n. 2, p. 6-9, 2003.

OLIVEIRA, Z.M.R. (Org.). Educação Infantil: muitos olhares. 6. ed. São Paulo: Cortez, 2004.

OLIVEIRA-FORMOSINHO, J.; FORMOSINHO, J.(Org.). Associação Criança: um contexto de formação em contexto. Braga: Livraria do Minho, 2001.

PORTO, B.S.; CRUZ, S. H. V. Uma pirueta, duas piruetas... Bravo! Bravo! A importância do brinquedo na educação das crianças e de seus professores. In: CRUZ, S. H. V.; PETRALANDA, M.(Org.). Linguagem e educação da criança. Fortaleza: UFC, 2004.p.213-231.

ROCHA, E.A.C. A pesquisa em Educação Infantil no Brasil: trajetória recente e perspectiva de consolidação de uma pedagogia. Florianópolis: UFSC/NUP, 1999.

ROSEMBERG, F. Organizações multilaterais, Estado e políticas de Educação Infantil. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, n. 115, p. 25-63, 2002.

SCOTT, J.W. Gênero: uma categoria de análise histórica. Educação e Realidade, Porto Alegre, v. 16, n. 2, p. 5-22, 1990.

SILVA, A.P.S.; ROSSETTI-FERREIRA, M. C. Desafios atuais da Educação Infantil e da qualificação de seus profissionais: onde o discurso e a prática se encontram? In: REUNIÃO ANUAL DA ANPED, 23., 2000,Caxambu. Anais... Caxambu: Anped,2000.

ZABALZA, M.A. Qualidade em Educação Infantil. Porto Alegre: Artmed, 1998.

Publicado
2019-09-02
Como Citar
FONSECA, A.; COLARES, A.; DA COSTA, S. Educação infantil: história, formação e desafios. Educação & Formação, v. 4, n. 3, p. 82-103, 2 set. 2019.