Formação continuada de professores em educação intercultural: um estudo de caso em antropologia educacional

Autores

DOI:

https://doi.org/10.25053/redufor.v8.e10357

Palavras-chave:

Educação intercultural, Práticas educativas, Formação continuada de professores, Antropologia educacional, Etnografia

Resumo

O multiculturalismo está presente como tema transversal a ser desenvolvido nas escolas do ensino fundamental, conforme disposição da Base Nacional Comum Curricular, seus fundamentos encontrando-se em cartilha sobre Pluralidade Cultural dos Parâmetros Nacionais Curriculares, que orienta que interculturalidade também deve ser praticada no cotidiano escolar, como forma de educação intercultural, promovendo ambiente de tolerância nas escolas. O presente artigo é um estudo de caso em antropologia educacional, pesquisando formação continuada em educação intercultural e conhecimentos antropológicos que dão suporte a esta, de grupo de educadores do 4º ano do ensino fundamental, de escola da rede privada de ensino, do interior do estado de São Paulo. Seu principal procedimento metodológico é a observação participante de grupo de docentes em formação continuada em educação intercultural, constatando seus avanços significativos ao final do processo, principalmente na prática desta modalidade educacional e, secundariamente, no grau de conhecimentos antropológicos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Cristina Misturini Sato, Universidade de Salamanca

Doutoranda pela Universidade de Salamanca - Espanha,  Mestre em Máster Universitario en Antropología de Iberoamérica, por la Universidad de Salamanca, Pós-Graduada pela Universidade Estadual de Ponta Grossa, Paraná, em Gestão Escolar, Graduação em Pedagogia pela Universidade Católica de Santos, Graduação em Psicologia pela Universidade Paulista. Atualmente é Orientadora Educacional do Ensino Médio e Psicóloga Clínica.

Eloy Gómez-Pellón, Universidade de Cantabria

Doutor em Filosofia e Letras pela Universidade de Oviedo (Uniovi). Atualmente é Full Professor de Antropologia Social do curso de Doutorado em Ciências Sociais da USAL e do Departamento de Ciências Históricas da UNICAN.

Referências

ADLER, A. A ciência da natureza humana. São Paulo: Companhia Nacional, 1967.

ANDRÉ, M. E. D. A. Etnografia da prática escolar. Campinas: Papirus, 2012.

APARICIO GERVÁS, J. M.; DELGADO BURGOS, M. Á. Educación intercultural. Segovia: La Sombra de Caín, 2017.

BARDIN, L. Análise de conteúdo. São Paulo: 70, 2016.

BAZTÁN, Á. A. Evaluación etnográfica de cultura de la empresa. In: ESPINA-BARRIO, Á. B. (ed.). Antropología aplicada en Iberoamérica. Recife: Joaquim Nabuco, 2008. p. 99-119.

BRASIL. Base nacional comum curricular. Brasília, DF: MEC, 2017.

BRASIL. Parâmetros curriculares nacionais: pluralidade cultural, orientação sexual. Brasília, DF: MEC/SEF, 1997.

BRUM, C. K.; JESUS, S. C. Antropologia como educação: um diálogo sobre experiências de ensino da antropologia em cursos de formação de professores e seus desafios. Ciências Sociais Unisinos, São Leopoldo, v. 54, n. 2, p. 217-228, 2018. DOI: 10.4013/csu.2018.54.2.09. DOI: https://doi.org/10.4013/csu.2018.54.2.09

CAMP, W. L. Rudolf Dreikurs, M. D.: adlerian psychology: the man and his mission. Meadville: Christian Faith, 2022.

CANDAU, V. M. F. Didática, interculturalidade e formação de professores: desafios atuais. Revista Cocar, Belém, n. 8, p. 28-44, 2020.

CANDAU, V. M. Direitos humanos, educação e interculturalidade: as tensões entre igualdade e diferença. In: CANDAU, V. M. (org.). Educação intercultural na América Latina: entre concepções, tensões e propostas. Rio de Janeiro: 7 Letras, 2009. p. 154-173.

CANDAU, V. M.; RUSSO, K. Interculturalidade e educação na América Latina: uma construção plural, original e complexa. In: CANDAU, V. M. F. (org.). Diferenças culturais e educação: construindo caminhos. Rio de Janeiro: 7 Letras, 2011. p. 71-75.

CANNETIERI, M. K.; PARAHYBA, J. C. B.; SANTOS, S. V. Habilidades socioemocionais: da BNCC às salas de aula. Educação & Formação, Fortaleza, v. 6, n. 2, p. 1-21, 2021. DOI: https://doi.org/10.25053/redufor.v6i2.4406

COSTA, A. F. Cultura profissional dos sociólogos. Sociologia, Problemas e Práticas, Lisboa, n. 5, 107-124, 1988.

DAUSTER, T. Uma revolução silenciosa: notas sobre o ingresso dos setores de baixa renda na universidade. In: CONGRESSO LUSO-AFRO-BRASILEIRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS, 8., 2004, Coimbra. Anais [...]. Coimbra: UC, 2004, p. 1-20.

DELORS, J. et al. Educação: um tesouro a descobrir: relatório para a Unesco da Comissão Internacional sobre a Educação para o século XXI. Brasília, DF: Unesco, 2010.

DILTHEY, W. O surgimento da hermenêutica. Numen, Juiz de Fora, v. 1, n. 2, p. 11-13, 1900.

DURHAM, E. R. A pesquisa antropológica com populações urbanas: problemas e perspectivas. In: CARDOSO, R. (org.). A aventura antropológica. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1986. p. 17-37.

ESPINA-BARRIO, Á. B. Culturas locales ibero-americanas, comunicación e interculturalidad. In: ESPINA-BARRIO, Á. B. (org.). Conocimiento local, comunicación e interculturalidad: antropología en Castilla y León e Iberoamérica. Recife: Joaquim Nabuco, 2005. p. 13-18.

FARTES, V.; SANTOS, A. P. Q. O. Saberes, identidades, autonomia na cultura docente da educação profissional e tecnológica. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, v. 41, n. 143, p. 376-401, 2011. DOI: https://doi.org/10.1590/S0100-15742011000200004. DOI: https://doi.org/10.1590/S0100-15742011000200004

FLEURI, R. M. Educação intercultural: a construção da identidade e da diferença nos movimentos sociais. Perspectiva, Florianópolis, v. 20, n. 2, p. 405-423, 2002.

FREIRE, P. Pedagogia do oprimido. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1983.

GARCÍA, J. E. As ideias de Alfred Adler e sua assimilação no Paraguai por Guillermo Enciso. Persona, [S.l.], v. 20, p. 29-53, 2017. DOI: https://doi.org/10.26439/persona2017.n20.1738

GEERTZ, C. A interpretação das culturas. São Paulo: LTC, 1968.

GEERTZ, C. O saber local. Petrópolis: Vozes, 2007.

GÓMEZ PELLÓN, E. Patrimonio cultural: educación y desarrollo. In: ESPINA-BARRIO, Á. B.; MOTTA, A.; GOMES, M. H. (org.). Inovação cultural, patrimônio e educação. Recife: Joaquim Nabuco, 2010. p. 225-240.

GUSMÃO, N. M. M. Antropologia e educação: origens de um diálogo. Cadernos Cedes, Campinas, v. 18, n. 43, p. 8-25, 1997. DOI: https://doi.org/10.1590/S0101-32621997000200002. DOI: https://doi.org/10.1590/S0101-32621997000200002

LASALA, T.; MCVITTIE, J.; SMITHA, S. Disciplina positiva na escola e na sala de aula: manual. Minas Gerais: Filosofia Positiva, 2020.

LEAL, D.; MASSINI, M. Alfred Adler (1870-1937): uma breve biografia. Clyo-Psyché, Rio de Janeiro, v. 17, n. 2, p. 796-814, 2017. DOI: https://doi.org/10.12957/epp.2017.37147

MANCILLA, M. Ética dialética da interpretação: a hermenêutica romântica de Friedrich Schleiermacher. Trans/Form/Ação, Marília, v. 45, n. 3, p. 179-200, 2022. DOI: https://doi.org/10.1590/0101-3173.2022.v45n3.p179. DOI: https://doi.org/10.1590/0101-3173.2022.v45n3.p179

MARTINS, D. V. A contribuição científica dos Tremembé, através da educação intercultural e diferenciada com base nos saberes tradicionais. 2019. Tese (Doutorado em Educação) – Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade de Burgos, Burgos, 2019.

MARTINS, D. V. A intraculturalidade nas comunidades indígenas da Região Metropolitana de Fortaleza - CE - Brasil: caminho para o desenvolvimento e sobreculturalidade. Salamanca: Salamanca, 2016.

MATTOS, C. L. G. Estudos etnográficos da educação: uma revisão de tendências no Brasil. In: MATTOS, C. L. G.; CASTRO, P. A. (org.). Etnografia e educação: conceitos e usos. Campina Grande: UEPB, 2011. p. 25-48. DOI: https://doi.org/10.7476/9788578791902.0002

MERCER, N. As perspectivas socioculturais e o estudo do discurso em sala de aula. In: COLL, C.; EDWARDS, D. (org.). Ensino, aprendizagem e discurso em sala de aula: aproximações ao estudo do discurso educacional. Porto Alegre: Artmed, 1998. p. 13-28.

NELSEN, J.; LOTT, L.; GLEEN, H. S. Disciplina positiva em sala de aula: como desenvolver o respeito mútuo, a cooperação e a responsabilidade em sala de aula. Barueri: Manole, 2017.

SANTOS, F. M. Análise de conteúdo: a visão de Laurence Bardin. Revista Eletrônica de Educação, São Carlos, v. 6, n. 1, p. 383-387, 2012.

SATO, C. M. Práticas restaurativas na escola: um estudo de antropologia da educação. São Paulo: Dialética, 2022. DOI: https://doi.org/10.48021/978-65-252-6224-6

SOARES, M. P. S. B. Formação permanente de professores: um estudo inspirado em Paulo Freire com docentes dos anos iniciais do ensino fundamental. Educação & Formação, Fortaleza, v. 5, n. 13, p. 151-171, 2020. DOI: https://doi.org/10.25053/redufor.v5i13.1271. DOI: https://doi.org/10.25053/redufor.v5i13.1271

SOARES, M. S. et al. A disciplina positiva como método no desafio de educar sem violência. Kiri-kerê: Pesquisa em Ensino, São Mateus, v. 1, n. 12, p. 1-17, 2022.

Publicado

2023-07-05

Como Citar

SATO, C. M.; GÓMEZ-PELLÓN, E. Formação continuada de professores em educação intercultural: um estudo de caso em antropologia educacional. Educ. Form., [S. l.], v. 8, p. e10357, 2023. DOI: 10.25053/redufor.v8.e10357. Disponível em: https://revistas.uece.br/index.php/redufor/article/view/10357. Acesso em: 16 jun. 2024.