Na gestualidade de professoras e bebês, o corpo fala de relações

Autores

DOI:

https://doi.org/10.25053/redufor.v5i14mai/ago.1647

Palavras-chave:

Corpo, Educação Infantil, Creche, Relação adulto-bebê

Resumo

O corpo é materialidade, substância viva, pulsante, mediadora das relações humanas e, neste trabalho, ocupa o centro da discussão. Ao buscar pelas relações corporais tecidas entre professoras de Educação Infantil e bebês, em uma pesquisa de doutorado em andamento, os dados foram gerados por meio de observações em uma creche pública do interior mineiro. Nas observações, produziram-se sequências fotográficas, focando momentos de contato corporal entre adultos e bebês, ao longo do cotidiano educativo. Posteriormente, algumas sequências foram apreciadas e discutidas em encontros com as professoras participantes da pesquisa. Alguns dos resultados evidenciaram tipologias de movimentos relacionais aproximados, identificados nos gestos desenhados entre bebês e adultos. As imagens recolhidas revelam também a necessidade de mais tempos e de espaços ao ar livre para potencializar experiências de corpos expandidos, que olham para Si e para o Outro, dialogando, produzindo sentidos com a/na natureza.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Patrícia Vieira Bonfim, Universidade Federal Fluminense

Doutoranda em Educação pela Universidade Federal Fluminense. Pedagoga no Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Sudeste de Minas Gerais - campus Muriaé. Membro do Círculo de estudo e pesquisa FIAR – Formação de professores, Infância e Arte.

Luciana Esmeralda Ostetto, Universidade Federal Fluminense

Doutora em Educação pela Universidade Estadual de Campinas (2006), mestrado em Educação pela Universidade Federal de São Carlos (1992). É professora da Faculdade de Educação da Universidade Federal Fluminense, atua na pós-graduação (Mestrado e Doutorado em Educação) e na graduação (curso de Pedagogia).

Referências

ALMEIDA, L. R. A questão do Eu e o Outro na psicogenética walloniana. Estudos de Psicologia, Campinas, v. 21, n. 4, p. 595-604, 2014.

BRASIL. Constituição de 1988. Constituição da República Federativa do Brasil. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, DF, 5 out. 1988.

BRASIL. Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, DF, 21 dez. 1996.

BRASIL. Resolução CNE/CEB nº 5, de 17 de dezembro de 2009. Fixa as Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Infantil. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, DF, 18 abr. 2009.

CAMARANO, A. A.; KANSO, S.; ALCÂNTRA, V. S. Desigualdades na dinâmica demográfica e as suas implicações na distribuição de renda no Brasil. In: CAMARANO, A. A. (Org.). Novo regime demográfico: uma nova relação entre população e desenvolvimento?. Rio de Janeiro: IPEA, 2014. p. 241-270.

CAMPOS, M. M. M.; CRUZ, S. H. Consulta sobre qualidade da educação infantil: o que pensam e querem os sujeitos deste direito. São Paulo: Cortez, 2006.

IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Dados de Ipatinga. Rio de Janeiro: IBGE, 2018.

LE BRETON, D. A sociologia do corpo. 6. ed. Petrópolis: Vozes, 2012a.

LE BRETON, D. Antropologia das emoções. Petrópolis: Vozes, 2019.

LE BRETON, D. Antropologia do corpo e modernidade. 2. ed. Petrópolis: Vozes, 2012b.

LE BRETON, D. Antropologia dos sentidos. Petrópolis: Vozes, 2016.

LE BRETON, D. As paixões ordinárias: antropologia das emoções. Petrópolis: Vozes, 2009.

LÜDKE, M.; ANDRÉ, M. E. D. A. Pesquisa em educação: abordagens qualitativas. 2. ed. São Paulo: EPU, 2013.

NÓBREGA, T. P. Corpo, percepção e conhecimento em Merleau-Ponty. Estudos de Psicologia, Natal, v. 13, p. 141-148, 2008. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=s1413-294x2008000200006. Acesso em: 20 mar. 2020.

OLIVEIRA, N. R. C. Infância, corpo e movimento: notas para (re)pensar os tempos e espaços na educação infantil. In: OLIVEIRA, W. C.; DAMIANO, G. A.; PEREIRA, L. H. P. (Org.). Corporeidade, educação e tecnologias: experiências, possibilidades e desafios. Jundiaí: Paco, 2014. p. 106-120.

OSTETTO, L. E. Dos gestos na educação infantil: textos no corpo. In: OSTETTO, L. E.; LEITE, M. I. (Org.). Arte, infância e formação de professores. 7. ed. Campinas: Papirus, 2012. p. 121-128.

PIORSKI, G. Brinquedos do chão: a natureza, o imaginário e o brincar. São Paulo: Peirópolis, 2016.

QUEIRÓS, B. C. Os cinco sentidos. 3. ed. São Paulo: Global, 2009.

ROSATELLI, L. A. C. Prefácio: o olhar seguro x o olhar experimental. In: GRUPO MARISTA, Rede de Solidariedade (Org.). Territoriar: relatório de percurso formativo: registro fotográfico. Curitiba: Champagnat, 2016. p. 6-7.

ROSATELLI, L. A. C.; SPINOLA, A.; MAZZOCO, B. Como fazer registro pedagógico em foto e vídeo. 2014. Disponível em: https://novaescola.org.br/conteudo/1882/registros-que-fazem-o-professor-refletir-sobre-a-pratica. Acesso em: 5 fev. 2018.

SOUSA, M. G. S.; CABRAL, C. L. A narrativa como opção metodológica de pesquisa e formação de professores. Revista Horizontes, Itatiba, v. 33, p. 149-158, 2015. Disponível em: https://revistahorizontes.usf.edu.br/horizontes/article/view/149. Acesso em: 20 mar. 2020.

WALLON, H. A evolução psicológica da criança. São Paulo: Martins Fontes, 2007.

WALLON, H. Psicologia e educação da infância. Lisboa: Estampa, 1975.

Publicado

2020-02-10

Como Citar

BONFIM, P. V.; OSTETTO, L. E. Na gestualidade de professoras e bebês, o corpo fala de relações. Educ. Form., [S. l.], v. 5, n. 14, p. 115–132, 2020. DOI: 10.25053/redufor.v5i14mai/ago.1647. Disponível em: https://revistas.uece.br/index.php/redufor/article/view/1647. Acesso em: 27 nov. 2021.